Tópicos


  • Posts

    • @CarlosC do meu ponto de vista as coisas entre o Digital e o Analógico (válvulas) não são bem assim como relatas, ou, pelo meu ponto de vista as razões são outras e derivadas de relações mais práticas. A cena das plataformas digitais é que permitem tocar com headphones e monitores de estúdio. Ora tanto os primeiros como os segundos não dão, nem por sombras, a sensação de um amp+cab de guitarra. E aqui a palavra é SENSAÇÃO, pois estamos a incluir mais do que apenas frequências sonoras ou apenas aquilo que os nossos ouvidos captam. Falo disto por experiência própria. Toquei durante muitos anos com um aparelho digital como fonte do meu som de guitarra e toquei com ele ligado a headphones cerca de 80% do tempo. Os outros 20% eram ligados a PAs ou monitores de palco amplificados. Em termos de qualidade de som a coisa era muito boa, o som era absolutamente controlável em tudo e ao contrário do que muita gente pensa, tinha muita dinâmica, mesmo para aparelhos dos inícios da modelação digital para guitarra (Roland GP-100, por exemplo). Estamos a falar de ligar um aparelho destes a um sistema FRFR (Full Range, Flat Response) ou seja, que não colora o som, quer na amplificação, quer na coluna... supostamente*. O "Sentir" um amp de guitarra está além da qualidade do som. Encontra-se frequentemente na relação física/espacial entre o músico e a posição relativa das colunas. Há uns tempo postei um vídeo do Ola Englund em que ele se põe a tocar metal numa sala destas. O que achei piada foi a captação das diferenças de percepção do som na posição relativa entre o músico e a origem do som (coluna). É esta relação que a grande maioria do pessoal que usa um AXF FX ou outro qualquer modelador digital sente falta, pois habituam-se facilmente a usar headphones ou monitores de estúdio. Qualquer uma destas fontes encontra-se numa posição drasticamente diferente, relativamente ao músico, do que uma coluna de guitarra. Outra coisa que também é importante referir, é que uma qualquer coluna, seja um monitor de estúdio ou uma coluna de guitarra, provoca movimentação de ar. Mesmo considerando um nível sonoro igual, uma coluna de guitarra movimentará mais ar que um monitor de estúdio (e consideravelmente mais do que os headphones) e isso interfere na percepção geral da experiência de tocar guitarra, como é óbvio. Mesmo recorrendo a colunas de PA (geralmente montadas em postes e a uma altura aproximadamente igual ou superior à cabeça dos músicos), a experiência é diferente. A maior aproximação será a de usar monitores de palco (amplificados ou acompanhados com um amplificador) e aí sim, a experiência poderá ser muito idêntica, MESMO...   Notas: * - Supostamente porque na realidade muda-se a marca ou o modelo e necessariamente o som vai mudar. Senti, ao longo do tempo, grandes diferenças entre PAs de estúdios de ensaio no que ao timbre geral tirava das guitarradas, não para melhor ou pior, apenas diferente, geralmente a nível de brilho ou subtis variações da EQ geral, mas, salvaguarda-se, que a questão também estava dependente da sala de ensaio e como sabemos, há salas que absorvem o som e outras que reflectem e a consequência é a EQ geral da coisa mudar.
    • Aconselho-te a experimentar o material. 

      Os Rolands não são maus, são porreiros para o preço, mas tentam ser tipo canivete suíço e na realidade não são grande espingarda. 

      Tive um vk112 que vendi talvez inadvertidamente pelo setup que usava - guitarra + encordamento + palheta + tone grave que sacava e o amp saturava muito facilmente, recentemente voltei a tocar num vk212 e gostei mais do som. A forma como sacas ou o som que tentas obter pode dar-te percepções diferente do material que procuras.

      Tenho tido muita sorte em poder experimentar diversos twin reverbs e deluxe reverbs e etc, acho que software é porreiro também tive uns moduladores e tenho até curiosidade com o que poderá haver de interessante, a questão é que nada substitui a presença física do amp e respectiva coluna (para o bem e para o mal) e até hoje nada chega sequer remotamente perto de te dar a sensação de tocar num twin (por exemplo), excepto quando tocas num. 

      Acho que faz parte a maior parte do pessoal ter uma fase que experimenta com modeladores ou multi-fx até chegar a usar sets híbridos com ambas as coisas mas eventualmente chega a 1 ponto que após conheceres algum material especifico percebes as diferenças. Há malta que após anos a usar os "milagrosos" Fractal Audio axe FX diz que se esqueceu a sensação que era tocar num amp a sério. 

      E os amps são bichos marados, quantas vezes vou tocar num que acho que soa de uma maneira e soa de outra, quantas vezes vais habituado a tentar chegar a um som de uma forma e não dá e as características do amp sobrepõem-se. Geralmente amps bons que eu gosto (como acima citados) assim que os ligo o som praticamente está lá. Com amps que não conheço ou acho estranhos (painéis estranhos tipo os polytone) vejo-me grego para perceber o que fazer com aquilo. 

       
    • Valeu a pena? Tudo vale a pena
      Se a alma não é pequena.
      Quem quer passar além do Bojador
      Tem que passar além da dor.
      Deus ao mar o perigo e o abismo deu,
      Mas nele é que espelhou o céu.
    • Nem o tópico se propõe a isso. A intenção é mostrar a vertente (da) matemática da/na música.
    • Não vale a pena tentar explicar a música através da matemática. Ou a poesia. Ë uma perda de tempo...
  • Próximos Eventos

    Sem eventos