CarlosC

Membro
  • #Conteúdo

    921
  • Registado Em

  • Última Visita

  • Feedback

    100%
As minhas Músicas Preferidas

Reputação

48 Reputação Boa

1 Seguidor

Sobre CarlosC

  • Aniversário 03-04-1987

Informação de Perfil

  • Sexo
    Masculino
  • País
  • Instrumento
    Guitarra

Quem visitou o meu perfil

3750 visitas ao perfil
  1. GAS por AMPS

  2. Montra do nosso Gear

  3. NGD - Harley Benton TE-30

    Nesse campo penso sempre no som acústico que oiço quando pego no instrumento desligado, com um relief ligeiro e uma altura média e mesma espessura de cordas entre guitarras diferentes. A razão do pickup soar diferente pode ter a ver com o facto do som ser diferente nessas guitarras quando desligadas, ou o pickup até podia soar muito idêntico se as condições fossem exactamente as mesmas. Não quero alimentar a guerra/debate das tonewoods. Agora com a descida de temperatura, algumas guitarras mais do que outras mexem o braço. Se o braço tiver relief e perder, ao ficar muito direito pode dar-te um timbre um pouco diferente, a distancia do pickup às cordas também influencia. Com falta de relief, podes ter notas onde parece faltar "profundidade" ao som, ou soar muito "brilhante" e "estalado" por comparação ao "timbre normal" que a guitarra teria.
  4. NGD - Harley Benton TE-30

    Parabéns pela guitarra. Mudaste também os pots? isso podia ajudar a chegar lá. Há muita malta que defende que em solid bodies, tonewood quase não existe. Vê o material do nut, dos saddles e dos tunners, isso também pode influenciar o timbre. Diverte-te.
  5. NGD - Harley Benton SC-550 Tobacco Sunburst

    Wow man que nostalgia, nunca pensei voltar a ver a guitarra. Levou um upgrade nos pickups, realmente os de origem eram um bocado esquisitos. Quase me arrependo de a vender, apesar da guitarra não ter grande valor, o guito que tive por ela também nem me faz grande diferença. Por 1 lado tenho tralhas a mais ainda há dias pensei que devia vender a Ibanez GB200 e a Peerless quando vi uma Benedetto ao desbarato... realmente essa Harley Benton estava mal estimada e a precisar de ser tratada em condições...
  6. Criação de Solo

    Independente do estilo que toques, hás de ter 1 ideia de tonalidade dos riffs ou acordes que tocas, e quando solares será com o baixista a acompanhar-te: logo aí podes sacar ideias. Em qualquer musica as notas dos acordes são habitualmente bastante seguras e consonantes para criar melodias. Depois ouvir solos e sacar solos ou pelo menos malhas, já te ajuda bastante. (estou a ignorar um pouco a questão da técnica porque prefiro falar de música, podes fazer música com "relativamente pouca técnica" como podes soar bastante mal apesar de usares técnicas brilhantes) De certeza que numa fase inicial poderás elevar a tua técnica com exercícios simples de escalas e metrónomo, ou a copiar maneirismos de outros guitarristas. Se manipulares muito bem ritmo e melodia já ficas a soar bem. "solos sai-me sempre algo confuso e desorganizado" A musica deve ter 1 melodia cantada pelo vocalista, podes e talvez até devas começar o solo por criar uma interpretação tua dessa melodia. Quando dizes "o tempo, os bends, os harmónicos, uso de floyd rose, efeitos, vibratos, espaço entre notas " falas de detalhes de expressão como efeitos bends etc... e de tempo. Tens que resolver o tempo e compreender ritmo (minimas, seminimas, colcheias, tercinas, semicolcheias, etc) o quanto antes, caso contrário as técnicas de expressão que referiste não te vão salvar. Controlar o ritmo é de longe o elemento mais importante. Dependendo do estilo, há solos corridos a semi colcheias, outros cheios de notas longas e sustain sem espaços nem respirações, há outros estilos que os solos têm frases muito curtinhas e com imensos espaços, pausas rítmicas que puxam pelo groove da coisa. Na guitarra mais do que noutros instrumentos, cada estilo tem tantos maneirismos que por vezes atrevo-me a exagerar a dizer que a diferença entre estilos quase que se aproxima à diferença de tocar instrumentos diferentes... (funk, metal, blues mais purista... mesmo entre gypsy jazz e jazz tradicional, a maioria dos guitarristas que conheço ou são excepcionais num ou noutro, mas nunca em ambos: porque as técnicas que definem cada estilo (gypsy e tradicional) são numa certa perspectiva, opostas.) Talvez seja uma questão ou de organizares como pensas na guitarra, ou focares-te no ouvido como instrumento (em vez da guitarra) e procurares os sons que queres ouvir, há de ser divertido.
  7. Informação/Ajuda - Upgrade a ibanez grx70

    Fui hoje fazer um setup e o luthier disse-me precisamente isso mesmo, especialmente numa guitarra em que os potenciómetros estão presos ao pickguard no lado de fora da guitarra - estão demasiado expostos.
  8. NGD - Harley Benton SC-550 Tobacco Sunburst

    Tive uma Harley Benton semi-hollow acabei por vender ao desbarato para desocupar espaço e até tive uma certa pena visto que não o valor não era nada de especial... fartei-me de tocar com ela, não a achava nada de especial mas no fim dava conta do recado com 12s
  9. Informação/Ajuda - Upgrade a ibanez grx70

    Payko alguma vez fizeram-te um setup à guitarra, e pelo menos trocaste os potenciómetros de origem por uns de qualidade? (tipo CTS) Tocas quantas horas por dia, soas das mãos, limpas ou não as cordas, e quanto tempo é que demoras a trocar de cordas? as cordas "rotas" não têm brilho nenhum também... outra coisa, se usares palhetas "redondas" de 2mm ou 3mm, dependendo da tua técnica, o som pode sair abafado independente do que faças. Depois, se apanhares pickups usados, tipo alguém que meteu uns dimarzio e tirou um V7 ou V8 ou lá o que é, ou daqueles "Dimarzio/IBZ" que vêm de origem em algumas RGs, por vezes são vendidos ao desbarato, e são claramente melhores que os de origem da tua guitarra e podem-te custar tipo 20 ou 30€ cada um, creio (já não estou muito dentro dos preços). Por vezes com 50€ já apanhas uns Dimarzio, a não ser que já tenhas tido muitos pickups conheças características sons e tenhas tocado em várias guitarras com vários pickups, dificilmente terás a certeza absoluta, é ires comprando experimentando e vendendo. Tive V8, Fender Atomic, Dimarzio Steve's Special, e Dimarzio Tone Zone, como bridge pickup numa guitarra. Fiquei com opiniões. Meti o V8 numa Squier HSS porque o H era fraquito e foi uma diferença com o dia e a noite. Alias gostei mais do V8 do que o Fender Atomic. Se queres hi gain com muita definição e agudos realmente o Steve's Special vai ter muito brilho com distorção, o Tone Zone soa mais médio para riffalhada pesada é menos definido, mas para leads com bridge é muito mais fixe especialmente no fim do braço as notas soam mais redondas e não tão perfurantes. Tive uma GRG270 com EdgeIII e tava com Air Norton no neck e Steve's Special, com setup feito e a ponte lubrificada, afinava as oitavas, fazias dive-bombs aguentava a afinação, etc, tudo perfeito, vendi-a por 220€ (com o V7 no neck) há uns anos porque não encontrava comprador. Fiquei com pena pois tava top, mas não tinha utilidade a dar-lhe.
  10. NPD - New Pedal Day

    Também tive problemas com esse gajo, o pedal veio com problemas. O palhaço não "desfaz" o negócio e inventa desculpas para tudo - cabos transformadores etc - tudo o que funcionou para todos os pedais antes era de "qualidade demasiado fraca" para o pedal dele. Enrolar historias desculpas e sacudir responsabilidades, inadmissível.
  11. Ângulo do braço de uma guitarra

    @F.Coelho de nada, obrigado também pela activa contribuição e tempo dedicado à pesquisa deste detalhe. Este assunto em particular é muito dedicado, lembro-me de ouvir falar em "neck re-sets" em guitarras estilo Gibson L-5 vintage entre outras, por vezes em estado inalterado atingem valores muito elevados, mas que precisaram de voltar a encaixar o braço na posição certa. Maior ângulo implica maior altura na ponte e maior pressão sobre o tampo, resultam daí diferenças sonoras em instrumentos acústicos. Achei interessante, também costumo usar umas réguas para gerir os setups.
  12. Avaliação inicial da Voz...

    tens jeito com o ritmo e há muita gente que quando se dedica à musica nem isso tem podes ter problemas técnicos a resolver a nível de respiração e colocação ou algo do género (para quem percebe de canto que não é o meu caso) mas ter aulas só te vai ajudar, nisso acho que se encontrares as pessoas certas terás as respostas que precisas. até lá nunca se sabe... força
  13. Ângulo do braço de uma guitarra

    em 3 archtops é ligeiramente angulado para trás e numa clássica é plano e nas strats também.
  14. Software vs Amp Valvulas

    @tmo realmente eu evitei usar a expressão qualidade de som para evitar ferir certo tipo de susceptibilidades. tudo o que disseste faz sentido e é válido. no fim chegamos à habitual conclusão que o contexto importa muito. geralmente, não dou prioridade nem a tocar nem a ouvir musica de phones, pois parece incomodar-me. não digo que precises de colunas a berrar, mas (talvez dependa da qualidade dos phones) geralmente gosto de ouvir o som no espaço onde estou inserido. parece ser uma experiência mais agradável aos meus ouvidos. a ideia com que fiquei de usar simulações VST ou pedaleiras ao longo de tempos foi que nunca aprendi realmente a mexer em nenhum dos amps simulados até ter um à frente e depois: os controlos reais são diferentes, reage de forma diferente, soa diferente. claro que fiquei com "uma ideia do som" mas o carácter dos amps ao vivo é drasticamente diferente entre si, por vezes ajustar é confuso e contra-intuitivo. curiosamente para mim sempre foi mais fácil e rápido chegar a um "certo som" com software do que com amps reais mas quando consigo, a título pessoal fico mais satisfeito com os amps. não tenho como descobrir se é efeito "placebo" ou não