CarlosCepinha

Membro
  • #Conteúdo

    951
  • Registado Em

  • Última Visita

  • Feedback

    100%
As minhas Músicas Preferidas

Reputação

83 Reputação Muito Boa

1 Seguidor

Sobre CarlosCepinha

  • Aniversário 03-04-1987

Informação de Perfil

  • Sexo
    Masculino
  • País
  • Cidade
    Porto
  • Instrumento
    Guitarra

Quem visitou o meu perfil

4921 visitas ao perfil
  1. Picking - como segurar a palheta

    Aqui tenho que concordar. Só que cheguei a esta conclusão não só a observar os meus guitarristas favoritos mas também porque se tocares varias horas por dia durante meses sem parar ou usas a técnica que menos te magoa ou lixas as mãos. abraço e boas festas
  2. Picking - como segurar a palheta

    o Mike Moreno também segura com o dedo médio em vez do indicador, sei la cada gajo faz como lhe dá mais jeito. Há montes de vídeos sobre "Benson picking" o que quer que isso seja. A mim nem me interessa muito temos todos anatomias diferentes e mentes "programadas" de formas diferentes, por isso é que há montes de guitarristas com técnicas que parecem opostas, mas o resultado musical é que interessa. Depois há o gosto pessoal. Por muito que valorizem o tapping do Stanley Jordan, que eu admiro, pessoalmente não curto aquele som de guitarra, nunca tentei sequer aprender nada que se pareça, sem a "expressão e timbre" a que estou habituado na forma mais convencional de tocar as cordas. Podia perder umas horas por semana (se calhar até mais tempo do que parece) até conseguir fazer qualquer coisinha daquele tipo de técnica, mas para mim seria por a técnica acima da musica e a carroça à frente dos bois. (pois se nem curto do som, talvez não use) Percebo que seja preciso ser académico e organizado para atingir resultados mas também não dá ficar obcecado com detalhes pois isso torna-se pouco produtivo e perde-se o foco na música.
  3. New Guitar Day!... bem, já tem umas semanas...

    @tmo Muitos parabéns! Guitarrão de sonho! Altamente partilhares, é uma felicidade ver uma coisa linda destas. O braço parece estar bastante direito, ser curvas nem torcidas. As cordas coladas, mesmo para levantar voo. Quando pego na minha Ibanez GB200 também fico meio atordoado com aquilo.
  4. SG.. ou um transformer..?

    Recentemente experimentei uma das novas Epiphone SG Muse de 1 amigo e fiquei surpreendido com a versatilidade. Tinha coil-tap no volume e no tone um circuito de "boost" ? ou pelo menos algo que parecia subir ou o volume da guitarra ou os médios. Tinha vindo de um setup com pestana nova e não me pareceu nada má. Ficas com ideia lembrando que essa guitarra sendo mais antiga e provavelmente de uma fase em que as Epis estavam muito fortes na fabricação, tens aí bastante potencial se a guitarra for bem tratada.
  5. Outra guitarra?

    O Z-glide pode ser fixe em guitarras com braços de madeiras básicas mas se tiveres uma madeira bonita um flamed maple, um 3piece ou 5piece neck com um acabamento em sunbursts ou tobaccobursts com transparencias, há tanta beleza nas madeiras que fazer um Z-glide nesses braços é um sacrilégio na minha opinião. Já a cena do Buzz feiten não percebo como não é standard em todos os nuts. E de acordo com o que eles dizem acho que com diferentes espessuras de corda a malta poderia precisar de nuts diferentes (na mesma guitarra) para conseguir os melhores resultados.
  6. Escala em maple - Reparar marcas no "verniz" da escala

    Fogo desculpem lá já tive 2 guitarras que tocaram ao sol em agosto e à chuva em dezembro e nunca nenhuma ficou assim, alias quem as via depois de um setup dizia que estavam novas. Achei que era preciso um ambiente muito seco ou um contraste muito rápido de temperaturas ou assim para a madeira reagir como nessa foto.
  7. Material para construção guitarra

    Uns bons tunners gotoh (made in Japan) 3x3 gold que meti numa guitarra cujos originais já estavam maus demais e 1 ainda tinha tido um acidente, ficaram ou por 59 ou 69 eur. Simples, não são locking. São os mesmos que saem de fabrica nas Ibanez RG prestige e nas antigas japonesas. Nesta guitarra tipo Es-335 não costumo ter problemas de afinação e só usei 011 e 012 nessa guitarra. A nível de madeiras há bastantes tops diferentes deste flamed maple, figured maple, birdseye maple, etc... de qualquer modo a parte que vai definir 80% do som da guitarra vão ser os pickups e aí é que a escolha deve ser muito pessoal mas lembra-te nos pickups não é onde queres "poupar". Nem na ponte se for para usar muito tremolo.
  8. Guitarras baratas, o que é aceitável ?

    obrigado @stratocosta. tranquito @tmo. eu sei que uma guitarra com tampo arqueado de 17" em madeira esculpida à mão com pickup flutuante e uma medida especifica de escala e nr de trastes não só te dá um timbre muito especificamente único como também dentro desse tipo de guitarras poderás ter até certas notas que não terias na maioria das archtops, 20frets vs 22frets etc... ou quando procuras uma archtop de 7 cordas, aí sim as opções são muito limitadas. agora considerando algo simples como uma classic vibe strat vs uma suhr classic S... provavelmente haverá minúsculas diferenças diferente radius na escala etc mas em geral para leigos e ignorantes podem parecer a mesma guitarra. mesma afinção e etc... e tudo o que tocarias numa tocarias noutra... mas a única forma da maioria das pessoas jurar isso a pés juntos é tendo as duas. e dou estes exemplos mais especificamente por se tratar de guitarras elétricas, já nas acústicas, dependendo do que se procura, também pode haver surpresas interessantes com instrumentos de relativamente baixo custo, embora as diferenças de qualidade se tornem mais evidentes.
  9. Guitarras baratas, o que é aceitável ?

    Tenho uma Peavey jf1ex made in korea ou made in china, custava à volta de 500 ou 400 e tal há uns anos. Usada foi 300 com case. Com mods: Pots CTS e pesta em osso (já veio assim para mim). Pronto esta particular guitarra tem de origem pups duncan design. Serve perfeitamente. Alias o que não servia na altura que tocava com ela era a falta de experiência que eu tinha, e também o facto de nunca ter tocado muitas guitarras nem ter andado a tocar com diversas guitarras que tive a sorte de poder explorar. Claro que quando tens algum instrumento drásticamente melhor algumas diferenças vão sobressair. Mas regra geral só há 3 coisas: - problemas mecânicos (dá para afinar?) - timbre foleiro > mudas o pickup - mau setup > metes num luthier competente Se a guitarra for minimamente decente vai dar-te muita musica. Comprei a Peavey há 6 anos e sinceramente podia muito bem ter ficado só com essa guitarra até hoje. Claro que musicalmente ou esteticamente ou a nível de sensação a tocar podia ser um instrumento que não me inspirasse tanto como os que tenho hoje mas muito sinceramente com tudo o que sei hoje digo-te com 100% certezas não há nada que faças numa guitarra de 2000 de 4000 de 6000 que não consigas fazer numa de 300. E ainda digo mais, no meu cube80 recebi elogios ao som que sacava mas as minhas tentativas no canal blackface nunca me soavam bem como eu queria pois não sabia emular bem o twin reverb... até ao dia que tive um... depois de conhecer bem o animal, agora quando chego ao roland facilmente o meto a soar o mais parecido que consegue. o mal do roland é que o som é mesmo alto é fraco, faltam bue frequências e tens outras demasiado acentuadas. mas para o preço é excelente nem dá para comparar lol.
  10. Montra do nosso Gear

    senão a solução será "serrar" uma fenda no parafuso para que passe a rodar com chave de fendas. uma das RGs que comprei, recuperei, toquei, e vendi anos mais tarde, veio com os parafusos do locking nut moídos e tive que os substituir, felizmente aqueles parafusos eram fáceis de tirar e cheguei a andar a tocar com eles mesmo "serrados" em cima uns tempos. @ncarmona parabéns pela aquisição. também já tive uma HarleyBenton apesar de diferente e creio que com o que sei hoje, só trocava pups metia num luthier e era a guitarra perfeita para tocar despreocupadamente em qualquer lugar.
  11. Guitarra para iniciar HSS?

    Por 80e vendi em 3a mão um Cube30x a um aluno meu. Amp que me desenrascou uns tempos que é pequeno prático leve versátil e dentro de 80 euros soa drasticamente melhor que tudo o resto que possas comprar creio eu.
  12. Guitarra em cortiça expandida

    Sim é verdade, cedro é bastante comum.Mas em archtops, se o tampo for esculpido a malta quer sempre "spruce tops" e "maple backs".
  13. Semi-Hollow Body - Ibanez AS93 - 335 Style

    Porreiro partilhares, nunca achei que locking tunners faria grande diferença em guitarras de ponte fixa. Comparando aos outros tunners consideras a qualidade igual? (Por alguma razão, os Gotoh 510 parecem-me absolutamente incríveis) A guitarra já é porreira de origem mas não há muito a criticar a alguém que queira mudar partes. Tive um amigo que meteu uns pups Gibson na sua Ibanez e a guitarra estava espectacular.
  14. Guitarra em cortiça expandida

    Devido a já ter tido contacto com alguns instrumentos um pouco fora do normal é que fiquei com curiosidade. Agora a parte do investimento já é outro assunto que não tem muita relação com a performance musical do instrumento e com o meu interesse em certas madeiras e técnicas de construção mais puristas, etc. Sei bem que há um mercado de coleccionadores e com valores até bastante mais elevados. Creio que a ultima Zeidler inacabada que depois foi finalizada por diversos outros Luthiers de renome mundial esteve à venda por $100 000. Para não falar de uma D'aquisto (das quais as Peerless "tentam" ser uma cópia) que está avaliada em $250 000. Agradeço o concelho que é bastante sensato e com o qual concordo. Há valores que se tornam especulativos. Claro que certos nomes tornam-se marcas devido a uma confiança associada a um padrão de qualidade espectado nesses instrumentos. Mas isto já nos desvia muito dos materiais alternativos na construção de instrumentos. Acho difícil não se recorrer ao tampo em abeto.