tmo

Moderador
  • #Conteúdo

    5794
  • Registado Em

  • Última Visita

  • Feedback

    0%
As minhas Músicas Preferidas

Reputação

1695 Reputação Brutal

Sobre tmo

Informação de Perfil

  • Sexo
    Masculino
  • País
    Portugal
  • Cidade
    Portela LRS e Benfica... Lisboa, portanto
  • Instrumento
    Guitarra

Quem visitou o meu perfil

7966 visitas ao perfil
  1. Ser cantora

    Bemvindo/a. A colocação de anúncios deve ser feita no menu "Busca Músicos", sítio onde os anúncios têm maior visibilidade visibilidade e atenção por parte dos interessados. Vamos deixar esta parte do fórum apenas para discussão e troca de ideias. Abraço e bons posts P.S. - Este tópico vai autodestruir-se em breve
  2. Criação de Solo

    Ok, então vamos a isto. Primeiro, tens acesso a gravações da música com o beat certo e forma de tocares em casa com a música em Backing Track? Sim?, óptimo, faz um loop da zona do solo, mas com um ligeiro espaço antes e depois, para saberes quando entrar e quando acabar. Não? Precisas de construir um loop da zona do solo para tocares por cima. Esta construção faz-se com um interface áudio e um DAW (gravador multipistas em software para PC/Mac) ou com um pedal de LOOP tipo Boss RC30, por exemplo. Põe o loop a tocar em casa (com headphones para não chateares os vizinhos), no teu canto sem a presença do pessoal da banda, pois isto é trabalho TEU e precisas do TEU espaço para explorares. Põe-te 1 a 2 horas consecutivas a experimentar por cima do loop. Quando encontrares uma frase que te interesse, repete-a no loop seguinte e parte daí. Se te enganares num loop, NÃO PARES, continua até te reencontrares. Podes eventualmente fazer uma pausa na performance, mas apenas até te re-encontrares e não pares a continuidade do loop. Começa SIMPLES, a apanhar notas CHAVE e depois é que procuras as ligações entre elas, como sugeriu o @Antonio Vai procurando contrastes em termos de TIMBRE e/ou INTENSIDADE, que são os mais fáceis de gerir num solo. Pedal de boost ou um ganho diferente no amp ajudam para isto, uns Delays/Reverbs/Wahs/etc também contribuem, mas aplica-os apenas APÓS teres as frases solidificadas. Os ornamentos musicais ajudam a dar um toque mais refinado, mas, novamente aplica-os apenas no fim se te sentes inseguro. Não há regras ou caminhos seguros no que respeita à criatividade, há sugestões e terás de perceber o que é funciona contigo. Pelo que me parece tens muita pedra para partir e não há nada como fechares-te no teu mundo e partí-la, para que quando estiveres mais seguro o possas partilhar com o resto do pessoal. Não sei que meios tens para gravação em casa. É algo que considero imprescindível nos dias de hoje pois permite-nos ouvirmo-nos na 3ª pessoa. Quantas vezes toco coisas que achei que toquei muito fixe e depois vou ouvir e tenho o tempo a oscilar tipo folhas ao vento? Mais do que fazer gravações finais, estes meios permitem fazer pré-produção, gravações de estudo para análise e partilha com os companheiros. Na minha banda trabalhamos TODOS com o mesmo DAW (para o caso o Reaper) e temos os ficheiros das músicas numa CLOUD para que estes estejam sempre sincronizados e não seja necessário enviar ficheiros uns aos outros. É um processo de trabalho que permite partilha de ideias e que ajuda substancialmente a composição e estruturação dos temas em formato de pré-produção e até mesmo de produção final se nos aplicarmos a isso. Um pedal de looper permite resultados idênticos, pelo menos no que respeita ao estudo. Fazes uma primeira gravação com a frase rítmica que serve de backing track e depois tocas por cima ininterruptamente até te acender a lâmpada do "EUREKA"... Não é instantâneo e poderás demorar mais do que uma sessão de 2 horas por cada investigação. No meu caso, os solos vão-se construindo à medida que os vou tocando, vou percebendo pormenores que no início não sentia e incorporo-os, pormenores como ornamentos, efeitos de vibrato (Floyd Rose), whas, etc... é imperativo que respires e transpires o solo para que estes momentos aconteçam... ou talvez não...?
  3. Criação de Solo

    Fantástica intervenção @Antonio, obrigado. @Top24, compreendido o contexto. Permite-me então algumas considerações. Não ponhas a carroça à frente dos bois, quer isto dizer, evita utilizar argumentos musicais para os quais ainda não tenhas agilidade. Ambição é bom e serve para desenvolvimento pessoal a par de objectivos claros e definidos, mas nas artes pode ter o efeito contrário de gerar ansiedade e isso é contraproducente. Pensa sobre qual é o OBJECTIVO de um solo numa música, o que é que se pretende com este momento de destaque (seja de que instrumento for)? Tenho essa questão bastante presente na minha banda, pois expressamo-nos instrumentalmente... ou seja, toda a música é um solo... ou talvez não? Recuperando a ideia, na minha opinião, um solo é uma oportunidade de enfatizar, realçar ou salientar emoções através de uma expressão mais projectada relativamente aos restantes contribuintes do projecto musical, ou seja, CONTRASTA com o resto. CONTRASTE é a palavra chave de qualquer solo, caso contrário, tal evidência não se mostraria tão clara e a inexistência de contraste (ou a nossa incapacidade de o perceber) é a justificação pela qual muitas músicas se mostram aos nossos ouvidos como uma longa sequência de ruído. Que tipos de contraste tens em música? Usa-os em teu favor... Os contrastes são referentes obviamente às qualidades do som: TIMBRE (som limpo / som distorcido ou guitarra / flauta), ALTURA (graves / agudos), INTENSIDADE (Forte / suave) e DURAÇÃO ou RITMO (rápido /lento como sendo o exemplo mais básico). Pega nas sugestões do @Antonio a aplica-lhes contrastes nestas 4 qualidades do som... explora e experimenta até encontrares a tua linguagem/expressão... agora atenção, se usares os opostos em excesso tornas-te aberrante e não creio que seja isso que pretendes. O uso dos contrastes deve ser feito com suavidade e de forma harmoniosa com o contexto em que se inserem, contudo, é necessário estar bastante presente dos objectivos e meta conceitos das composições pois o choque é um dos muitos argumentos artísticos. Por fim, por teres na composição da banda alguém com conhecimentos musicais aprofundados, recorre a esse elemento do grupo para tirares dúvidas a nível de teoria musical, pois certamente que tal te ajudará a limar ideias.
  4. Os barretes e relíquias do OLX

    @jlcosta... como me parece óbvio. O @The Passion estava a ironizar a coisa. Dá-me a sensação de que o gajo sentiu-se tocado pelo meu texto e achou que deveria responder para "sair por cima", desculpando-se aqui e ali, pois a resposta dele foi quase à letra o texto que lhe enviei. Parece-me que não fui o único, ou ele não o teria mencionado, aí até acredito estar a dizer a verdade. Enfim, coisas de Chicos Espertos do OLX. Venha o próximo!...
  5. Criação de Solo

    Para te podermos responder de forma útil e perceptível de tua parte, é necessário contextualizar as vossas composições para podermos analisar melhor a situação. Neste sentido, permite-me as perguntas: Como é que compõem?, dá-nos um exemplo de uma composição vossa no que respeita à sequência de notas e/ou acordes. Vocês compõem por "ouvido" ou estruturam as vossas músicas em escalas predefinidas ou em cadências harmónicas estruturadas/predefinidas? Que conhecimentos teóricos musicais têm e aplicam nas vossas composições? Por fim, tem em atenção que o "não me soa bem" é muito subjectivo. Uma nota só está errada em função da que vier a seguir. Na minha banda (clica aí no link da minha assinatura) temos uma piada que diz mais ou menos assim, se a nota soar estranha, não está errada, é jazz... isto é, reafirmo, uma piada, mas salienta um estado de espírito importante que é o DIVERTIMENTO, pois isso é ferramenta imprescindível a uma boa expressão musical. Pronto, devolvi-te a bola, agora é a tua vez de jogar.
  6. Os barretes e relíquias do OLX

    Bom, delírio da coisa, o homem dignou-se a responder... uma pérola de humor retorcido. A ser verdade o que diz, há malta muito tansa, mas enfim. Cá vai a resposta: Bom dia, mesmo dizendo que não tem interesse na compra eu acabei por ler tudo o que escreveu. Eu acredito que tenham erros de português sim, afinal a minha intensão não era escrever um livro, mas vender um instrumento. Eu sei que uma guitarra nova custa a metade do preço e que o gosto pela preparação do Luthier é variado e também sei que qualquer um pode ver online e comprar mais barato, mas isso não me diz nada. Eu recebi muitas mensagens como a sua de pessoas indignadas com o valor da minha guitarra, inconformados com isso, como você, as pessoas não se contentam em apenas ignorar um anúncio que não lhes convém, fazem questão de expor seu ponto de vista como se isso me importasse, mas existem outras pessoas que sabem aquilo que falei e que realmente tiveram interesse, tanto é que já vendi a guitarra. Agradeço pelo tempo dispensado para escrever esse texto, mas antes de fazer isso uma outra vez, tenta perceber se a pessoa que irá ler, realmente se importa. Grande abraço
  7. Os barretes e relíquias do OLX

    Relativamente aos pinos, fui rever as fotos e de facto estão um pouco pronunciados, no entanto, permite-me afirmar que tal deverá estar dependente da qualidade dos furos nos quais estão inseridos ou do cuidado com que foram colocados. Normalmente os pinos têm um sulco por onde deverá passar a corda, o que, não acontecendo, facilita a impossibilidade de maior penetração destes nos respectivos orifícios...
  8. Os barretes e relíquias do OLX

    Não resisti e enviei-lhe a seguinte mensagem: Amigo Thiago, não me leve a mal, não estou interessado na sua guitarra, mas não pude reparar que empola a sua venda com uma verborreia tão prosaica e sofisticada que parece estar a vender gato por lebre... e eu sou vegetariano... Queria apenas informá-lo que apesar do respeitado esforço literário que desenvolveu para produzir este texto, o mesmo contém algumas incorrecções de Português. Sabe, já nos encontramos no séc XXI há alguns anos e assim como o anúncio foi colocado numa plataforma digital com ligações ao mundo inteiro, também os seus visitantes e potenciais clientes nela sabiamente se deslocam, pois como é que teriam acesso a esta publicação digna de capa dura? Isto para dizer que um simples copy/paste (perdoe-me o inglesismo) do modelo da guitarra num qualquer motor de busca ou loja de música online com envios internacionais devolve resultados interessantíssimos... é que pelo preço que o senhor pede conseguem-se comprar DUAS guitarras iguais à sua e com garantia da loja. OK, aceito, não tem o trabalho do Luthier em cima para a execução de afinações de precisão para uma melhor performance, mas permita-me rebater com: essas afinações são subjectivas, ou seja, referentes aos gostos pessoais de cada um. Portanto, e recapitulando, o seu erro de Português foi (além dos erros gramaticais e ortográficos sobre os quais não me desejo pronunciar) considerar que o Português é uma figura parva e iletrada vizinha do "Zé Povinho" como ilustrado por Deixo-lhe então uma ligação simbólica para ponderação sobre a sua valorização do seu precioso cordofone: https://www.thomann.de/pt/search_dir.html?sw=fender+CD+60+sce+NAT&smcs=b4ce33_5080. E, por fim, finalizo a minha comunicação com a informação histórica sobre a criação do personagem supra referido, trata-se de uma caricatura que teve a sua 1ª publicação em 1875, da autoria de Rafael Bordalo Pinheiro, irmão do Pintor Columbano e autor de muita da imagética ceramista Portuguesa... se estiver interessado, siga a ligação https://pt.wikipedia.org/wiki/Zé_Povinho. Haha, reparei agora que a meio deixei uma frase/ideia por acabar (precipitei-me no click do enviar antes de fazer a revisão do texto)... duvido que o moço a responda, uma vez que pede para não fazer ofertas absurdas... e a minha mensagem é um tanto ou quanto desconexa com o anúncio...
  9. Alô malta!

    Olá @Filipa Fontes, sejas bem vinda aqui a este espaço de partilha e cultura musical.
  10. Comparação de cabos (exaustiva!)

    Lembro-me desse tutorial. Neste vídeo apreciei o facto do rapaz fazer os testes de forma bastante pragmática e gostei ainda mais de ouvir/ver os resultados. É claro que muito dificilmente alguém vai usar um préamp e/ou boost com os settings no máximo, mas dá para ter uma excelente ideia sobre o assunto.
  11. Comparação de cabos (exaustiva!)

    muito fixe, obrigado
  12. Marshall JVM215c - Que Maravilha

    Muito bom!... nota-se que estás contente com a máquina.
  13. Marshall JVM215c - Que Maravilha

    As tuas guitarras são esquisitas... ... belo estúdio, e o amp tem bom aspecto, já tens sons disso?
  14. Os barretes e relíquias do OLX

    mal empregada couve... ... sim, grande quantidade de malta que não lê o anúncio. Aliás, dá para perceber pela forma como está escrito se se consegue baixar o preço ou não. Relativamente ao link, por mim deixa estar, se alguém reclamar... Sugestão, coloca fotos de todos os lados da guitarra, em particular do Neck Joint, pois é comum haver estalos nessa zona e as costas da guitarra também são bonitas de se ver.
  15. Os barretes e relíquias do OLX

    O preço inclui tudo, a caixa e o tripé... Mas o que mais me agrada nas descrições do material é: "sobejamente conhecido, dispensa apresentações"... ora bem, e se quem estiver potencialmente interessado não souber o que é a coisa? Já me aconteceu contacterem-me por um pré em rack e não saberem o que era, mesmo com uma descrição detalhada e link para o download do manual de instruções... e a peça era sobejamente conhecida...