A.G.E.N.T.E.

Membro
  • #Conteúdo

    430
  • Registado Em

  • Última Visita

  • Feedback

    0%
As minhas Músicas Preferidas

Reputação

97 Reputação Muito Boa

Sobre A.G.E.N.T.E.

  • Aniversário 20-04-1976

Informação de Perfil

  • Sexo
    Masculino
  • Cidade
    Lisboa / Tavira
  • Instrumento
    Baixo

Quem visitou o meu perfil

2919 visitas ao perfil
  1. Guitarra em cortiça expandida

    Acabei de me esbarrar com esta notícia sobre as inovações musicais aqui no nosso quintal Será que isto soa? https://www.noticiasaominuto.com/cultura/1231635/som-da-1-guitarra-de-cortica-expandida-do-mundo-vai-ouvir-se-em-viana?utm_medium=social&utm_source=facebook.com&utm_campaign=buffer&utm_content=geral&fbclid=IwAR0vKz70eIn3k6rZFgVGxc0bsRIxY-bp2N-Efpgz-nqisrd1d14FmJi7ZS8
  2. Pedais de efeitos

    Plenamente de acordo com o @hypermnesium na parte do "investimento". No entanto há outra questão que não pode ser equacionada em apenas em termos financeiros, que é a forma como cada um vive a aventura exploratória dos efeitos. Explico melhor... Há uma grade diferença no processo de descoberta entre os multi efeitos e os pedais individuais. No caso dos multi efeitos, temos uma série de presets, alguns deles que servem de catálogo de possibilidades. Para explorar as potencialidades de uma pedaleira, exige algum estudo e uma disponibilidade mental adequada. Os pedais individuais, são completamente diferentes, no sentido em que são, plug and play... conheço muito poucos pedais individuais que requeiram estudo. Rodas uma série de botões e a experiência está encaminhada. Ambas as abordagens têm prós e contras dependendo do utilizador. @Danicafd, se queres uma sugestão, a Zoom B3n é sem dúvida uma máquina do catado com montes de possibilidades, até relativamente simples de explorar. Pelo preço de um bom pedal individual tens uma monte deles com muito boa qualidade.
  3. Dúvida

    Inverter a pestana deve dar para desenrascar, mas o ideal era confirmar se a mesma precisa de alguma limadela de forma a ajustar o "string break angle"( estrangeirices). Se não tiveres problemas com isto, e depois do ajuste da ponte, se ultrapassares o entrave de teres os controlos do baixo de patas para o ar... é pacífico Não antevejo stress nenhum com as configurações dos PU´s. O que poderia ser problemático era no caso de teres uma configuração tipo precision, mas nem isso, já que há marcas que colocaram esta fórmula invertida a funcionar bem.
  4. Pedais de efeitos

    Não conhecia e tb fui espreitar uns vídeos. Não me parece de nada de espétacular, mas epá, por 30€ , eu arriscava. Qualquer octaver para baixo manda-se dos 100€ para cima. Como já te sugeriu o @hypermnesium, já tens alguns efeitos na Digitech-RP55, que serão perfeitamente funcionais com o baixo. Portanto, já tens reverbs, delays e flangers no mínimo. O facto de cortar nos graves, até pode ser útil no caso dos reverbs, e delays, pois pode ser muito complicado gerir o amontoado de graves no caso destes ficarem a cirandar num espaço fechado. Drives baratos e fixes, tens o ultimate drive da joyo/ harley benton, por exemplo.
  5. Pedais de efeitos

    É um passo atrás mas dependendo do uso que lhe vais dar, pode nem ser incómodo. Em casa, é dispensável pois podes ligar ao PC pelo output, ou USB, ou ainda, usar apenas fones Para ensaios ou ao vivo podes ligar ao amp que por usa vez poderá ter DI.
  6. Pedais de efeitos

    Permite-me uma pequena correção ... a B3n ão tem DI ao contrário da sua antecessora B3.
  7. Pedais de efeitos

    Quais os pedais mais relevantes? Para mim, são vários... mas isso sou eu que gosto de explorar texturas diferentes e fazer experiências ( muitas delas só resultam em dores de cabeça, mas isso é outra história ) Na minha opinião, se queres criar uma lista de prioridades, isso dependerá do som que procuras, ou se sentes que está a faltar alguma coisa no teu som atual. Eventualmente, também do estilo musical a que se destinam. Queres enquadrar a malta em relação ao contexto em que vais usar estes efeitos? Em relação a pedalagens, eu comecei por um preamp, que não sendo propriamente um efeito, permite alterar substancialmente o som inicial. Posteriormente adicionei flanger, delay, depois, reverb, mais para a frente vários tipos de drives e só há relativamente pouco tempo é que adicionei um octaver. Não tenho experiência com o MS-60B, mas a Zoom tem feito uns multi efeitos bastante interessantes com as B3 e a mais recente a B3n.
  8. Problema em material recebido

    Ainda bem que @Alguém deu por isso
  9. Os barretes e relíquias do OLX

    Deixem de ser más línguas, fáxavor. O moço só está a cobrar o extraordinário trabalho de restauro que fez nessa peça de lenha, guitarrona. Para não ser muuuito careiro só está a contabilizar a mão de obra altamente especializada a 300€/h. E Já nem falo do custo acrescido da lata de tinta de spray do continente.
  10. Os barretes e relíquias do OLX

    é uma Ibanhadaz!!! custom made in china com madeira de pau feito
  11. Fonte de alimentação para pedais

    Eu diria que isto deve safar bem. sobre esta e a da concorrência:
  12. Problema em material recebido

    Resumindo, queres reclamar porque o material que te ofereceram não está em conformidade com o que pretendias
  13. Dúvida de Ligação de Baixo ao AMP

    @phillipric Acho que Podes usar o teu material de várias maneiras. Não vejo nenhuma como melhor ou pior, mas como mais ou menos conveniente ou adequada às necessidades. 1- Baixo> Amp Como esse amp tem DI, caso estejas satisfeito com o som que tiras usando apenas o preamp do baixo + equalização do amp, nem precisas da Behringer. Neste caso tens monição de palco + saída DI do amp para a mesa de mistura (PA) que podes optar por pré equalização (som direto do baixo) ou pós equalização.( Eq do baixo + eq do amp) Setup simples e pode ser bastante funcional. 2 - Baixo > Pré/DI > Amp Podes ligar o baixo ao Pré/DI e usar a equalização da behringer para fazer o teu som, mantendo o amplificador flat ou com algumas correções consoante a sala. Com esta opção, podes ainda usar o pré do baixo como som base e ao ativares o pedal teres um som diferente para solar ou slapar ou outra coisa que te apeteça. As principais vantagens que vejo nesta abordagem, são o facto de ser prática de montar e fácil de obter resultados relativamente consistentes de sala para sala. Podes optar pela DI do amp ou do pedal. Mas acho que este pedal não tem uma saída exclusivamente inalterada. Desligado está direto ao baixo, ligada, aciona a equalização. 3- A opção de usar o send/return do amp, permite-te usar a behringer como pré, descartando a equalização do amp com todas as vantagens e desvantagens que isso acarreta. Desta forma a behringer fica diretamente ligada ao poweramp , devendo o knob de volume do pedal controlar o volume geral da tua monição de palco.
  14. Fonte de alimentação para pedais

    Parecem, mas não são. Há um vídeo de um moço no youtube que testa as duas, concluindo que a a Fame (musicstore) é uma "daisy chain in a box" ao passo que a Harley Benton tem de facto saídas isoladas. Assim sendo a mais cara também é melhor.
  15. Caríssimos, workshop à borlix sobre temáticas bastante interessantes. http://www.fundacaogda.pt/pt/formacao-e-desenvolvimento/cursos-de-formacao/clay-ross-os-negocios-da-musica-para-musicos/programa-clay-ross-os-negocios-da-musica-para-musicos