xtech

Administrador
  • #Conteúdo

    8360
  • Registado Em

  • Última Visita

  • Feedback

    100%
As minhas Músicas Preferidas

Reputação

3027 Reputação Brutal

7 Seguidores

Sobre xtech

Informação de Perfil

  • Sexo
    Masculino
  • País
    Portugal
  • Cidade
    Porto
  • Instrumento
    Guitarra

Quem visitou o meu perfil

40707 visitas ao perfil
  1. Curiosidades

    É bem visto! Eu tenho um Alias dois, tenho o 25 e o 61 . São porreiros, mas por acaso não encontrei no olx para recomendar ao @pipes. Só não gosto do software, é muito "bloatware", mas também não o uso (automap e afins). São teclados com boa qualidade, até agora só tenho bem a dizer. O de 25 é um bocado grandote para o facto de ter 25 teclas, mas é o preço a pagar pelas teclas full size.
  2. Curiosidades

    Podes comprar um teclado MIDI baratinho e com poucas teclas, qualquer com teclas e sensibilidade dá para isso. E se fores mais na onda electrónica e tal, uns pads também funcionam. E podes usá-los para lançar "samples" e tal. Eu sei que a malta agora só usa teclados ligados via usb, e até certo ponto nos dias de hoje justifica-se. O problema está se quiseres usar o instrumento ligado a "algo midi" tipo módulos de sons, outros teclados. Daí que eu prefira sempre com saídas midi também, mas é uma questão de gosto. Os mais baratinhos só têm usb, e para 90% das situações nos dias de hoje desenrasca, ligas o iphone ou PC e tá a bombar. Depois há a questão do controlo do DAW. Queres controlar o daw a partir do teclado? Se sim, tem que ter os botões adequados. Depois há os knobs de pitch e modulation, que a meu ver são um must, e transpose (que todos têm, especialmente os mais pequenos). Material barato e digno... assim de repente: https://www.olx.pt/anuncio/novation-launchkey-25-mk2-IDF1ywI.html#9f055f5264 https://www.olx.pt/anuncio/akai-mpk-25-IDFybaT.html#9f055f5264 E sim, também dá para tocar Rock and Roll
  3. The New Pedalboard topic

    O que é que entrou? Confessa lá, foi um MT-2?
  4. Infelizmente, tenho tido menos tempo agora do que antes. A malta trabalha em casa, a minha esposa anda numa formação, quem fica com o puto sou eu quando não tou a trabalhar e portanto... ainda tenho tocado menos que antes. Se tivesse ferias, era dar-lhe no daw a gravar ideias que ainda não tive tempo de gravar. Entretanto lembrei-me, havia de haver (se calhar já há?) software para tocar remotamente com o pessoal. Tipo "skype dos jams", cada um em sua casa a curtir o som, sem latência. Isso é que era!
  5. Novo no Diy - Ajuda

    Construir kits "sim senhor", mas se for para trabalhar a pintura, ir mais longe que stains ou olear a madeira... não recomendo. É um caminho muito, muito complicado. Basta ver como as marcas pintam as guitarras para perceber que aquilo não é pêra doce. A parte da pintura é sem dúvida, a mais complicada. Já tentei fazer dois projectos, o primeiro descambou na pintura, remover a pintura velha é um filme precisas de uma lixadora, lixas, e muita, uma dose gigantesca de paciência e sensibilidade nas mãos para não ficares com uma guitarra com desníveis manhosos. Se não tens prática com pintura à pistola, como era o meu caso, só te resta comprar sprays. Em termos de acabamentos são a melhor opção neste caso. Segundo consta esses kits já vêm com tapa poros, o que é bom. Não quero estar a dizer alarvices, mas penso que podes aplicar em cima um spray de cor, várias camadas finas (se deixas criar "gotas" estás feito). Não pintes à trincha, a menos que queiras andar a lixar a guitarra várias vezes para ficares com a pintura uniforme, além dos muitos pelos que os pincéis largam. Antes de pintar experimenta o spray num papel para ganhar sensibilidade. Têm que ser bastante ao de longe, com a mão muito ágil, e deves fazer várias passagens separadas por várias horas para secar entretanto e não criar diferentes espessuras. Tens que ter um suporte para segurar a guitarra pelo braço. Depois, o verniz. Deve ser aquoso mas cuidado com os que andam aí no mercado: a maior parte deles são uma bodega, não são brilhantes e pior, deixam-te a guitarra "enevoada" e não é por deitar muito: não são muito transparentes. Experimentei vários e os mais caros nem eram os melhores. Depois deixei-me de sprays porque têm benzeno. E benzeno é cancerígeno, portanto a menos que tenhas a devida protecção e faças a pintura num ambiente arejado (mas aí tens o problema do pó - outra dor de cabeça) ou controlado como as marcas têm (tipo estufa com ventilação) não recomendo. No final de tudo: desisti da ideia de voltar a fazer mais projectos que envolvam pintura. Não compensa, dá um trabalhão, fica muito caro. É melhor deixar com quem sabe e faz disso vida sai mais barato e é melhor, até porque não me lembro de uma pintura DIY que tenha ficado com acabamento profissional. Se algum dia construir mais algum projecto, vai ser só com óleos e stains aquosos. Nada de químicos manhosos. E não se perde nada, até ficam bem:
  6. Melhores plugins ( Pagos e Free)

    Testei já! Para ser grátis é bem porreiro. Junto com um carregador de IRs funciona bem porreiro. Noto é falta de dinâmica em termos de toque, mas não se pode pedir mais para um VST grátis com tantas possibilidades.
  7. LH Guitar - Canhotos

    Eu não sou, mas sempre me meteu espécie o facto de haver canhotos que tocam com uma guitarra para destros virada ao contrário, e canhotos que tocam com uma guitarra de canhotos...
  8. O que se passa com os Floyd low profile

    Por acaso não sei se é das cordas, do sítio, das mãos ou o que seja, mas normalmente as cordas que uso (d'addario XL) duram-me cerca de um ano. Já as da fender bullets que uso em strats aguentam-se meio ano... Por acaso conheço um moço que de vez em quando toco com ele, ele muda as cordas e passado 15 dias já têm picos de ferrugem.
  9. O que se passa com os Floyd low profile

    É mas atenção que acho que esse tremolo não tem nada a ver com os das de cima. Se queres que dê para ter a afinação no sítio por muito tempo, tem que ser coisa boa! Eu deixei as guitarras com Floyd porque são uma chatice quando se mudam cordas, a única que tive que me mantinha a afinação durante um ano inteiro só com ajustes na microafinação era uma Ibanez prestige que tive... tinha um Edge Pro.
  10. O que se passa com os Floyd low profile

    Isso é a melhor coisa de sempre! É a melhor "mod" em termos de resultado/preço. Eu diria que é um must nas minhas guitarras com humbuckers. A parte boa é que só usas se quiseres. E o @tmo vai achar que ainda assim isso é uma guitarra sem flexibilidade tonal suficiente
  11. O que se passa com os Floyd low profile

    Tens o Edge Pro da Ibanez, que é um Floyd como deve ser.
  12. GAS por AMPS

    Tens motivos para isso. Soa bem!
  13. Behringer com DAW Gratuito?

    Se é gratuito, é porreiro. Mais uma opção! Não tenho muita queixa dos produtos behringer no geral. Dão ligeiramente mais problemas que o resto (tenho material com zero problemas da Behringer também). Em termos de interfaces audio só posso dizer bem. O maior problema que tive foi com uma mesa de som behringer. De resto, tudo ok.