Antonio

Membro
  • #Conteúdo

    1570
  • Registado Em

  • Última Visita

  • Feedback

    100%
As minhas Músicas Preferidas

Reputação

461 Reputação Excelente

1 Seguidor

Sobre Antonio

Informação de Perfil

  • Sexo
    Masculino
  • País
  • Cidade
    Pinhal Novo
  • Instrumento
    Guitarra

Quem visitou o meu perfil

3636 visitas ao perfil
  1. Genética dos profissionais do som

    Isso explica muita coisa! Fiquei foi com a sensação que nasci para ser tec de som...
  2. Anya Karin - A song a month (ou tentar... LOL)

    O tema de Agosto está a ser uma curtição fazer. Quando ouvirem vão perceber porque é que este solo é um twist bué marado na música
  3. Qual o problema ao fazer som?

    Quando são espetáculos com monotorização tradicional (quando é que podemos deixar isto e voltar á gíria? ) faço questão de levar sempre o meu back line. Assim sei o som que vou ter para mim. O resto, tal como já disse, é um bocado "igual ao litro". Desde que perceba o tempo estou bem. Quando são in-ear já posso tocar direto com emulação digital de amp. Sem crise. Mas normalmente não curto muito o som... Não que me afete a performance, mas afeta um bocadinho os sorrisos durante o gig Anyway, estava aqui a rever um solo para dar a um aluno que me pediu. E, como sempre, toco apenas sobre o click. Não tenho habito de tocar sobre a música ou backing porque acho que mascara um bocado e torna-se enganador. Este podia tocar ao vivo só a olhar para a pulsação dos strobs para saber o tempo!
  4. Qual o problema ao fazer som?

    Ok. Obrigado pela correção. Mas acho que "Monição" já se tornou uma espécie de estrangeirismo englobado na gíria do mundo ma musica. Pode estar tecnicamente errado em Português puro, mas entendemo-nos todos, que é o mais importante
  5. Melhores plugins ( Pagos e Free)

    Da Tokyo Dawn Labs uso muito o NOVA. Um excelente EQ Dinâmico de borla! Acho que quase todas as minhas misturas têm pelo menos um destes https://www.tokyodawn.net/tdr-nova/
  6. Qual o problema ao fazer som?

    Concordo. Mas acho que o problema tem uma causa mais profunda. Acho que esse comportamento é fruto de um grande insegurança de ambos os lados. Acho que no sec XXI as pessoas estão muito habituadas ao facilitismo. Como tens studio deves reparar que a maior parte das pessoas não se preocupa em trabalhar realmente para gravar uma performance decente! Vão para o estúdio já a contar com takes infinitos, comping, quantize, melodyne, etc... Os tecs que som também acham que carregar um preset numa mesa digital faz milagres e não se preocupam a fazer treino auditivo e perceber realmente como soa uma boa mistura, ou sequer como deve soar a banda que estão a misturar. Acho que esta tendência para o facilitismo apoiado na ilusão de que a tecnologia resolve tudo, deixa no sub-consciente a noção de que não existem realmente competências para realizar o trabalho, seja tocar, seja fazer som. Ou pelo menos a noção de que as competências são frágeis. Ora, claro que inseguranças a nível do sub-consciente levam sempre a uma comunicação em modo defencivo em que qualquer sugestão é levada como ataque pessoal. Eu comecei a estudar MESMO as musicas. Consigo tocar as minhas partes acapela ou sobre o simples click sempre com power, feeling e confiança. Ouvnido-me muito ou ouvindo-me pouco, de olhos fechados ou de olhos abertos! Sei mesmo de cor quantas voltas são cada parte, não preciso de ouvir o break de bateria ou um verso da voz "para saber quando muda". Consigo tocar os solos todos a bater o pé e sei exactamente a duração de cada nota! Basta-me sentir o pulsar dos subs para saber o tempo e conseguir executar a minha parte. Quando faço concertos, tento transmitir imensa calma e confiança. Deixo os tecs de som fazerem a cena deles e torno claro que NÃO preciso que eles façam um bom trabalho para eu conseguir fazer o meu. O resultado é uma comunicação brutalmente melhorada porque os tecs não sentem pressão d aminha parte e sentem-se livres para fazer as coisas á maneira deles porque a mim não me afeta em nada.
  7. Anya Karin - A song a month (ou tentar... LOL)

    Primeira Sexta de Julho!
  8. Qual o problema ao fazer som?

    Acho que o problema das mesas digitais é o excesso de ferramentas. Muita gente começa a usar Comp, EQ e efeitos sem um proposito claro, só porque existem lá prontamente disponíveis e sem sequer ouvir com atenção o som original para ver se há problemas a ser corrigidos com estas ferramentas. E a malta que começa por colocar presets então
  9. Qual o problema ao fazer som?

    Simpatizo contigo e conheço bem a situação. Acho que existem 2 causas muito flagrantes: 1 - Muitas pessoas fazem som porque veem uma oportunidade de negocio. Pensam que é só comprar material e saber ligar tudo e o básico dos botões. Não se apercebem que fazer som é uma skill especial que requer muito estudo e muita prática. Já tive sons muito maus feitos em equipamentos de topo e sons muito bons feitos em mesas ferrugentas que já tinham canais inutilizados. A diferença é que os operadores desses sistemas velhos e cansados já os conheciam muito bem e sabiam como os fazer soar. 2 - Nos cursos de som nunca encontro disciplinas de treino auditivo ou, tão pouco, momentos dedicados á audição e avaliação de misturas bem feitas de forma a educar o ouvido. Os cursos de som são apenas focados no uso das ferramentas. É mais ou menos como ensinar um daltónico a usar tintas e pinceis. Posto isto: Em relação á monição a questão do querer ouvir tudo é perigosa. É que quanto mais som no placo mais difícil fica para o tec de som fazer soar "á frente". Pensa nisto como um compromisso entre os dois, porque cada coisa que metes no teu monitor é menos uma fonte que o tec consegue controlar á frente. Por isso eles estão sempre a tentar que os músicos toquem com o mínimo de som no placo. É uma "guerra" normal. Há que saber jogar e criar compromissos. Também digo que quanto mais confiante tiver o musico menos dependente está da monição. O truque é saber os temas tão bem que não precisamos de "cues" de ninguém. Saber tocar o tema todo, com as voltas todas certas, apenas sobre o click e não depender daquela frase da letra ou daquele break de bateria para saber quando "muda para a outra parte".
  10. Estúdio próprio

    queremos ouvir!
  11. Supremíssimo cansaço?

    @pgranadas exacto! Se a premissa da banda for, "ok sabemos que esta pessoa precisa de alguma ajuda, tem vontade de evoluir e os outros estão na boa com isso" Ok. Agora uma pessoa aceitar uma posição numa banda propondo-se a fazer algo que afinal não tem capacidade para fazer é gozar com os outros... Ainda por cima a grande maioria das vezes nota-se claramente que é por preguiça! @jlcosta É a historia do copo meio cheio ou meio vazio. Eu acho esta nova realidade super inspiradora! Exatamente porque com o digital posso fazer tudo sozinho sem aturar ninguém
  12. Supremíssimo cansaço?

    Certo! O problema é que muitas vezes mexem com que considero ser o bem mais precioso do ser Humano: O tempo de vida. Situações já aqui referidas: Aprender as musicas nos ensaios, discutir num ensaio de covers se a musica termina em Sol, em Dó ou whatever, para mim são completamente inaceitáveis! Ninguém tem o direito de usar o meu tempo para fazer o trabalho que lhe compete fazer no tempo deles. Também não espero por pessoal atrasado. Já saí de vários ensaios por causa destas coisas. Se alguém pega no telemóvel e diz "deixa lá só ouvir o tema num instante", normalmente ainda é num instante mais rápido que eu arrumo as minhas coisas e vou embora! É imediato. O meu tempo ninguém rouba é demasiado precioso para mim. Mas, tal como já disse, o problema sou eu. Não tenho a minima paciência para estas coisas e levo-as mesmo como desrespeito pessoal grave. Se calhar não devia… Em relação aos artistas não serem importantes numa situação de emergência e desespero social, descordo completamente. É certo que as outras profissões providenciam bens essenciais á sobrevivência. Mas é a beleza das artes e as emoções do desporto que fazem com que as pessoas queiram sobreviver. Mais ainda, numa situação de crise social grave, como uma guerra, o suporte emocional e esperança providenciado pela beleza artística, tem um fortissimo papel em manter a moral e esperança. Não é à toa que todos os exércitos têm banda e as marchas são todas feitas ao som de tambores e cantigos de motivação!
  13. Supremíssimo cansaço?

    Há quem consiga bem. Eu não tenho vocação nenhuma… Mas o problema sou eu! eu sei disso!
  14. Supremíssimo cansaço?

    Eu nunca me canso da musica em si. Mas estou completamente estenuado de lidar com musicos e restrantes pessoas envolvidas no mundo da musica. Por isso agora faço assim, originais sou eu, a Anya (minha esposa) e o PC. Covers, tenho alguns contactos com empresas de eventos e contactos de musicos com quem já tive banda e sei que fazem bem as coisas. Marcam-se serviços de enternimento (musica ao vivo) e telefono aos musicos. É tipo "tenho esta data para fazer, o cachet é xxxx€. As musicas são estas e existem 2 ensaios nos dias x e y. Interessado?" Pronto, é isto. Lidar com pessoas, principalmente em banda, já desisti