Antonio

Membro
  • #Conteúdo

    1457
  • Registado Em

  • Última Visita

  • Feedback

    100%
As minhas Músicas Preferidas

Reputação

351 Reputação Excelente

1 Seguidor

Sobre Antonio

Informação de Perfil

  • Sexo
    Masculino
  • País
  • Cidade
    Pinhal Novo
  • Instrumento
    Guitarra

Quem visitou o meu perfil

2928 visitas ao perfil
  1. Recomendações para comprar uma guitarra elétrica

    Exacto! Cada um tem as suas preferencias... Eu experimento sempre as guitarras. Mesmo por causa disso
  2. Recomendações para comprar uma guitarra elétrica

    É mesmo uma questão de experimentar. Por exemplo: O meu pulso direito não funciona com esses Floyds da Jackson. O pulso encalha ali e põem-me o braço numa posição estranha. Mas o problema é meu! Não é da guitarra. Portanto, a guitarra é boa mas eu não funciono com ela, daí eu estar a dizer para experimentares sempre, pois podes encontrar cenas deste género.
  3. Qual é a vossa rotina de prática de guitarra?

    @F.Coelho Como eu disse: Podes usar todos os recursos estilísticos que quiseres. Não é preciso, nem desejável, tocar tudo matematicamente correcto. Mas primeiro é preciso saber tocar tudo matematicamente correcto e depois tomar a decisão consciente de alterar e saber explicar porquê. Não treinar e dizer que é para "não soar robotico" é conversa de preguiçoso
  4. Qual é a vossa rotina de prática de guitarra?

    @CarlosC Obrigado pelo video! Muito interessante. Tens razão, em certos estilos de musica o tempo é bem mais livre. Mas no rock/pop que usamos mais é perigoso brincar muito. Porque usamos instrumentos que têm um transcient muito marcado e forte (uma palhetada, uma pancada com a baqueta, etc.). Isso faz com que se note muito quando duas notas que deviam ser atacadas exactamente ao mesmo tempo, não o são. Ouve-se claramente um flam (dissonância rítmica muito usada estilisticamente pelos bateristas). Principalmente nos graves é um efeito de evitar a todo custo. Flams entre o bombo e o baixo estragam o som todo da banda... Deixo aqui um video interessante:
  5. Qual é a vossa rotina de prática de guitarra?

    Impossível?? LOL Não! Podes realmente fazer a cena do groove laidback ou, menos comum, apressar um bocadinho certas cenas para dar um feeling mais rushed... Mas tem de ser uma decisão consciente tomada na fase de pre-produção. Até porque hoje em dia, com a mistura de VSTs com os sons reais gravados, isso tem de ser programado. Portanto, primeiro toca-se bem na grelha, com tudo certinho. Depois, conscientemente podem-se fazer as escolhas a que te referes.
  6. Qual é a vossa rotina de prática de guitarra?

    @CarlosC Esse exercício é porreiro porque é minimamente musical e não soa a seca total! Como conselho pessoal, não me leves a mal porque estou a tentar ser construtivo, achei que és pouco assertivo no tempo... Mesmo nas parte em que não hesitas soa "mole" e sem estar mesmo "colado" ao click.... Mas olha que eu também só comecei a levar isso a serio, e a aperfeiçoar, há relativamente pouco tempo quando comecei a gravar quase todos os dias... Há produtores que fazem zoom á waveform e verificam se tocaste tudo certinho na grelha ou não. E se não tiver na grelha contrata-se outro guitarrista Tenho verificado que hoje em dia é mais importante esta cena de ser assertivo a tocar do que saber montes de escalas. Quanto ao resto: Procurando bem existem musicas para exercitar tudo! Exemplos: String Skiping - GnR Welcome to the jungle Afinação dos bends - Qualquer coisa do Guilmour Transitar entre figuras rítmicas (tercinas e semicolcheias) - Paul Gilbert - Technical difficulties Padrões em escalas com a forma de 3 notas por corda - Praticamente qualquer solo do Petrucci. Etc... Claro que o truque está em analizar os temas, descobrir as tonalidades base, treinar as respectivas escalas uns minutos e depois brincar com os temas, improvisar por cima, criar o nosso próprio solo para o tema, etc...
  7. Qual é a vossa rotina de prática de guitarra?

    Eu continuo na minha... A malta complica isto demais! Toquem cenas fixes! Saquem musicas! Eu verifico que quanto mais musicas se sacam mais o ouvido desenvolve e melhor se entende a linguagem musical. Isso torna o entendimento de todas as questões técnicas e teóricas muito mais simples e intuitivo. Eu uso esse processo. Analiso os temas e fico a perceber a teoria que os faz funcionar. E sim, esse conhecimento facilmente transborda para o improviso e composição. EDIT: "It's all about the song!"
  8. Recomendações para comprar uma guitarra elétrica

    Recomendo experimentar antes de comprar e não ter medo do mercado de usados
  9. Quando são mal usados...
  10. Tenho gostado destes. As vezes perco e vou comprar outros. Depois volto a encontrar os que perdi. Já tenho 3 ou 4 pares https://www.worten.pt/tv-video-e-som/som-portatil/auscultadores-e-auriculares/auricular-pioneer-se-cl502-k-black-5772615
  11. Qual é a vossa rotina de prática de guitarra?

    Acrescento também, e acho que já disse isto num outro post deste forum, que o treino deve sempre focar-se em músicas. Principalmente "sacar" temas de ouvido. Eu esforço-me muitíssimo para que a parte técnica dos exercícios repetitivos seja sempre relacionada com um tema que estamos a "sacar". Basicamente, fazem-se os exercícios relevantes para adquirir a técnica necessária para tocar o tema. Basicamente tento, dentro do possível, evitar que o aluno sinta que o exercício em si é o objectivo. Outra coisa que me faz confusão é a falta ou a pouca quantidade de treino auditivo em quase todas as escolas de musica que conheço... Eu tenho sempre, na aula, 10m a 20m dedicados apenas a treino auditivo. Seja intervalos, reconhecer a qualidade dos acordes ou, a maior parte das vezes, sacar temas de ouvido. Faz-me confusão imaginar aulas de musica sem esta componente... A meu ver é como ensinar pintura a um daltónico...
  12. Qual é a vossa rotina de prática de guitarra?

    Quando tenho um aluno novo, completamente iniciante na guitarra, a minha primeira missão é fazer com que ele toque 8 a 10 temas simples o mais rápido possível! Muitas cenas simples, acordes do Last Kiss, melodia do Seven Nation Army, etc... Só depois de eles estarem "agarrados" ao bichinho da guitarra e os amigos começarem a dizer que eles tocam umas coisinhas giras é que começo a carregar nos exercícios repetitivos. É que no inicio o risco de desmotivação e ENORME!
  13. interface

    Acho que ele tem um problema qualquer de ruído na placa de som onboard...
  14. Presonus lança Studio One 4

    Mas o ouvido humano é extremamente subjetivo. Sem pontos de referência é difícil tomar decisões. Quantas vezes terminamos uma sessão de mistura todos contentes a pensar que aquilo está com um granda som e no outro dia abrimos o projecto e vamos a correr verificar se a garrafa de água do dia anterior não cheira a álcool! A maior parte das vezes é simples saturação auditiva... Mas a mim as comparações e referências ajudam muito. E não! Não ando em circulos. Porque assim que termino a primeira mistura estática tiro notas mentais (ou escritas se forem muitas) das alterações que quero fazer. E voupa comparando para não perder a perspectiva e perceber se estou efectivamente a avançar para resolver os problemas que ouvi (e apontei) na primeira mistura. Se uma alteração faz um problema ainda pior ou levanta outro, não a faço. Assim que os problemas desaparecerem considero a mistura fechada.
  15. Presonus lança Studio One 4

    Não vejo mal nenhum em ir comparando várias versões da mistura à medida que se vai progredindo no trabalho. Eu acho que combate de forma eficaz a perca de objectividade que às vezes acontece. Principalmente comparar regularmente a versão mais recente com o aquela primeira mistura estática só de volumes e panorâmicas. Só para verificar se não perdemos a prespectiva entretanto...