F.Coelho

Membro
  • #Conteúdo

    165
  • Registado Em

  • Última Visita

  • Feedback

    0%
As minhas Músicas Preferidas

Reputação

87 Reputação Muito Boa

Sobre F.Coelho

Informação de Perfil

  • Sexo
    Masculino
  • País
    Portugal
  • Cidade
    Almada
  • Instrumento
    Guitarra
  1. The New Pedalboard topic

    Não. Não é meu. Tive somente o cuidado de andar à procura de um trabalho em português cá do nosso.
  2. Guitarras estranhas

    Espectacular. Parece que a escala está levantada mas está lisa. A ilusão óptica é tramada.
  3. The New Pedalboard topic

    Neste link podem-se encontrar as definições mais corretas a partir da página 12 (andei a pesquisar especificamente um trabalho feito em Portugal) http://ave.dee.isep.ipp.pt/~mjf/PubDid/ABC_CECA.PDF Isto com o acordo ortográfico já nem sabemos a quantas andamos.
  4. As novas Yamaha

    Os P-90 normalmente são mais "acutilantes" (talvez pela sua concepção interessante). Nunca tive inclinação para este tipo de pickup's. Gosto de sons tipo Pink Floyd, The Camel ou Jan Cyrka (tás a ver o género). Que tipo de músicas tocas com ela? Dá para obter os sons a que me refiro?
  5. As novas Yamaha

    Entrei em contacto com a Thomann, pois estranhei o facto de não encontrar guitarras Yamaha à venda (nunca pensaria em modelos double cut). Tenho uma Pacifica (e mais outras duas Yamaha) e tem um som muito bom (aliás em determinada fase optei por uma Yamaha e desde então ando sempre de olho nelas pois gosto muito da ergonomia). A Thomann deu-me uns links, mas o que interessa (guitarras eléctricas) é este: https://www.thomann.de/de/sg-modelle.html?filter=true&manufacturer[]=Yamaha&price-first=0 Têm uma estética muito diferente e as cores também não são comuns (à primeira vista não são atractivas). No YT apanhei este demo: Afinal parece que já têm 2,5 anos por este video (ando um pouco atrasado).
  6. Qual é a vossa rotina de prática de guitarra?

    E logo eu que não gosto nada de futebol. Boa! Já agora diz-me Antonio, como divides as "turmas" de alunos? Ou seja, aleatoriamente, por conhecimentos, por idades,..., (por alturas?)?
  7. Ajuda na compra de um amplificador

    A sensibilidade humana de audição é um pouco subjectivo. Mas há uma referência. Ora vejamos, para se ter a sensação do dobro da intensidade do som de um violino, por exemplo, não se junta mais um, mas sim mais 9, perfazendo dez. Para se ter 4X a sensação de um violino são necessários 100. E assim sucessivamente. Recomendo a leitura deste artigo: https://www.lifewire.com/loudness-and-amp-power-3135081 Concluindo: 100W não é o dobro de 50W em termos de sensibilidade da audição, são apenas 3 dB. Top 24 em resposta ao teu texto, fui recuperar algo que já tinha colocado num outro tópico que é o que está a bold. Queria um amp para tocar calmamente em casa e acabei por comprar uma "fera". Só posso tocar na entrada de 1 Watt e com o volume na posição 3. Quanto a actuações ao vivo, podes ver no YT. É um excelente amplificador. Com um clean impecável e na parte de overdriven é excelente. Coloco um vídeo de exemplo:
  8. Ajuda na compra de um amplificador

    Eu pedi ajuda ao fórum (consultar o tópico mais atrás) e acabei por comprar este: https://www.thomann.de/pt/laney_irtstudio.htm?ref=search_prv_3 e estou muito satisfeito. Ainda existe esta possibilidade muito satisfatória: https://www.thomann.de/pt/laney_irt_studio_bundle_2.htm?ref=search_prv_7
  9. Qual é a vossa rotina de prática de guitarra?

    É. Outro dos erros iniciais é os pais comprarem uma guitarra com as marcas dos 3.º, 5.º, 7.º... trastes, para os seu filhos. Dá muito jeito ao início, mas depois é um erro para toda a vida, ou quase. Citei a tua frase porque no início a tendência é fazer os exercícios agarrados a um tom, por exemplo G (ou A). Chega uma altura em que, já estamos mais soltos e dizemos para nós "Vamos lá fazer o exercício em Ab (ou Bb)". Começamos e... barracada. e porquê? Porque as malditas marcas nos confundem. Por isso, sempre que um exercício me é apresentado, faço-o a começar em todos os trastes (em todas as notas da escala cromática). Por vezes até sai melhor quando não olho para a escala (as marcas são mesmo chatas). Por isso o teu post é muito importante, especialmente, para quem se inicia na arte.
  10. Qual é a vossa rotina de prática de guitarra?

    Uma média de 3 horas por dia, considerando este gráfico que concebi de acordo com a minha experiência (é um gráfico intuitivo, não científico, ok?)
  11. Escalas Longas

    Não sei se o nome é o correcto, pois traduzi de "Extended Scales". No entanto, as escalas deste tipo que encontro são 4 notas por corda. Este esquema que apresento foi uma derivação que fiz, pois tem a vantagem de se repetir sempre o mesmo padrão de 7 em 7 notas (infelizmente ninguém me ensinou isto, mesmo o último professor que tive ficou a olhar espantado quando lhe mostrei o esquema, pensei para comigo: "Bolas, o que é que isto tem de especial?" - digo infelizmente, porque tudo o que aprendo parece que é arrancado a ferros.) No entanto reparo que algumas peças musicais acabam por utilizar esta digitação, pelo seguinte método: - É feita uma frase na primeira oitava, com 4, 5, 6 ou mesmo 7 notas; - Depois é repetida na seguinte oitava acima; - E finalmente, na oitava seguinte acima só parte da frase é repetida, ou então sofre uma ligeira variação, para repousar na nota do acorde que resolve ou que dá seguimento ou entrada noutro "bloco". Desconheço a "mecânica" das guitarras com mais cordas (nem a afinação), pois nunca me debrucei sobre o assunto.
  12. Opiniões Ibanez (minha próxima compra)

    Está difícil mesmo. Vê lá não vás pelo ditado popular. "Quem muito escolhe pouco acerta". Boa compra.
  13. The New Pedalboard topic

    Obrigado. Estava de facto a referir-me ao cabo que mencionas no fim. Quando vi o cabo pensei: "Mas aquele formato é a de uma bobine e quanto mais alta for a frequência maior a indutância e maior perda de agudos". Mas como tu dizes que não é perceptível, óptimo. Já fiquei a conhecer algo que desconhecia.
  14. Escalas Longas

    Para quem, no nível básico, quiser iniciar-se em escalas longas deixo aqui um exemplo. A regra é simples: as figuras de digitação vão-se repetindo de duas em cada duas cordas. Tal acontece porque esta digitação segue 4 notas na 1ª corda e 3 na seguinte. Esta digitação encontra-se por vezes em temas de passagens rápidas (estou-me a lembrar de Joe Satriani em "If i culd fly", numa parte inicial). Tem a vantagem de ajudar na digitação de 3 notas por corda, pois treinando todos os modos gregos fica-se com esse (maior) potencial. Tem a vantagem também de agilizar a mão de digitação. A figura mostra a digitação em Fá, no modo Jónio. Para os outros modos é seguir a lógica de construção. (Na figura os números representam os dedos da digitação) Na digitação ascendente (corresponde a ir para baixo no braço), trabalha-se o gliss com o dedo mindinho. Na digitação descendente (corresponde a vir para cima no braço), trabalha-se o gliss com o indicador. Nesta figura coloco o acompanhamento (desculpem a qualidade mas encontrei erros e tive de corrigir à "mão"). Se houver dúvidas ou incorrecções, coloquem (fiz isto à pressa, enquanto ensaiava).
  15. Opiniões Ibanez (minha próxima compra)

    Esta poderia ser uma boa compra: https://www.thomann.de/pt/esp_ltd_mh_401nt_stblk.htm