Danicafd

Membro
  • #Conteúdo

    24
  • Registado Em

  • Última Visita

  • Feedback

    0%
As minhas Músicas Preferidas

Reputação

4 Reputação Neutra

Sobre Danicafd

Informação de Perfil

  • Sexo
    Masculino
  • País
    Portugal
  • Cidade
    Feira
  • Instrumento
    Guitarra
  1. Setups: Para quê?

    Boas a todos que estiverem a ler isto! Há já quase 9 anos que ando pelo "mundo da música", e desde uns anos para cá já tenho ouvido falar algumas vezes de fazer revisões aos instrumentos, setups a guitarras/baixos, etc.... A minha dúvida, tal como o título indica, é: para que é que é preciso fazer setups? Entendo que seja necessário fazê-lo quando o instrumento já não responde como se quer, mas já várias pessoas me disseram que fazem setups aos instrumentos com uma frequência de 2 em 2 anos ou de ano a ano, enquanto que eu, que possuo uma guitarra e uma flauta há já 4 anos, não tenho com que me queixar da resposta dos instrumentos. Por isso deixo a pergunta: existe mais algum ponto que me esteja a escapar para eu não ter levado os instrumentos à revisão? Ou sou eu que sou menos exigente e/ou um instrumentista de 2ª? Cumps
  2. Cursos de engenharia de som

    No problem @pgranadas. Concordo com isso. Há várias maneiras de adquirir conhecimento. Há pessoas mais práticas outras mais teóricas... Quanto à "Engenharia do Som" a minha principal dúvida é porque é que não existia um curso em Portugal (mestrado integrado) com esse nome quando lá fora há... Sinceramente foi a minha primeira pesquisa porque adoro música, física e matemática. Querendo juntar tudo numa mesma área pareceu-me a opção óbvia...
  3. Cursos de engenharia de som

    Boas! Andei à procura no fórum e senti-me tentado a criar um tópico. Como é que em Portugal alguém tira uma licenciatura ou mestrado em engenharia do som? Já vi vários sites e ouvi gente: Uns dizem para tirar engenharia eletrotécnica ou informática e depois tentar especializar-me no som. Outros dizem para tirar técnico de som na esmae ou em Lisboa. Estou com estas dúvidas sobre qual a formação mais completa, e como posso, por exemplo, tornar me num fabricante de guitarras elétricas... Alguém me pode esclarecer? Talvez esta dúvida não seja só minha... Desde já obrigado
  4. Criei o artigo progressões harmónicas. Pensei que por esta altura já houvesse mais prémios reclamados! Prontos... Me!hor, não é? Eheh
  5. Progressões Harmónicas

    Designa-se por progressão harmónica o conjunto dos acordes (os quais formam a harmonia) que constituem uma frase ou frases musicais. As situações em que fazem mais sentido falar de progressão harmónica é quando se está na presença dos modos maior ou menor. Isto porque existem relações mais rígidas no sistema tonal (que é a mesma coisa que dizer modo maior ou modo menor). Assim sendo, as funções dos acordes numa progressão harmónica são: Tónica- 1° grau - dá uma sensação de finalização; Dominante- 5° e 7° grau - dá uma sensação de grande tensão à qual se sucede normalmente um acorde de tónica; Sub-dominante - 2° (frequentemente usado na 1ª inversão), 4°, 6° grau - dá uma sensação de tensão menor do que a dominante à qual normalmente precede a sub-dominante; O acorde de 3º grau, dado que uma função de tónica mais fraca não é muito usual. Nota 1: todos os acordes aqui citados são construídos por terceiras a partir do grau fundamental. Ex.:acorde de 5º grau em dó maior - sol/si/ré. Nota 2: no modo menor é usada a escala menor harmónica (com o 7º grau subido em relação à menor natural) para a construção de acordes.
  6. Uma palheta para mim se faz favor! Criei a entrada das escalas...
  7. Escalas Musicais

    Conjunto de sons usado para servir como base para uma construção musical. Existem vários tipos de escalas, de entre elas: Maior, construída com meios tons do 3° para o 4° e do 7° para o 8° grau; Menor, construída com meios tons do 2° para o 3° e do 5° para o 6° grau; Pentatónica, construída com a mesma relação intervalar de Dó-Ré-Mi-Sol-Lá; Hexáfona, construída apenas com tons inteiros; Escala alternada de tom-meio tom; Modo dórico, mesma relação intervalar de Ré-Mi-Fá-Sol-Lá-Si-Dó; Modo frígio, mesma relação intervalar de Mi-Fá-Sol-Lá-Si-Dó-Ré; Modo lídio, mesma relação intervalar de Fá-Sol-Lá-Si-Dó-Ré-Mi; Modo mixolídio, mesma relação intervalar de Sol-Lá-Si-Dó-Ré-Mi-Fá.