pgranadas

Membro
  • #Conteúdo

    4477
  • Registado Em

  • Última Visita

  • Feedback

    0%
As minhas Músicas Preferidas

Reputação

2245 Reputação Brutal

1 Seguidor

Sobre pgranadas

Informação de Perfil

  • Sexo
    Masculino
  • País
    Luxemburgo
  • Cidade
    .
  • Instrumento
    Escolhe

Quem visitou o meu perfil

5524 visitas ao perfil
  1. Construtores em Portugal

  2. Setup Guitarra Elétrica

    Está tudo na mesma. As coisas não têm tendência em mudar tão depressa assim.
  3. Guitarras estranhas

  4. Entradas/saídas balanceadas

    http://www.aviom.com/blog/balanced-vs-unbalanced/
  5. Lulz e Mêmes musicais

    Ultrasub-baritone
  6. Supremíssimo cansaço?

    Ha coisas que tolero até com alguma facilidade, mas aquilo que exijo mesmo é que levem as coisas a sério. Tinha um amigo que dizia, “trabalho é trabalho, conhaque é conhaque”, e eu tenho o mesmo lema. Aquela pessoa, que se dedicou a música porque quer andar sempre na desbunda e no relax, não é um músico. É um preguiçoso com uma desculpa planeada. E eu detesto preguiçosos. Gosto de me divertir, acho que a música permite que nos divirtamos enquanto trabalhamos, mas em primeiro lugar há que se ser minimamente profissional e respeitar as outras pessoas. Por isso compreendo perfeitamente o @Antonio. Admito que alguém seja limitado e que precise que o ajudem. Admito que alguém tenha um imprevisto na sua vida. Mas gente que chega sistematicamente atrasada, não. Gente que não se esforça para fazer a sua parte, não. E gente que faz barulho enquanto os outros trabalham arranjos, recebe um alerta, e depois uma guia de marcha. Prefiro trabalhar, e até mesmo ter que ensinar se for o caso, com alguém que seja limitado, mas que queira aprender e se esforce, do que com alguém que seja um virtuoso e que não respeite o tempo e o trabalho dos outros.
  7. Supremíssimo cansaço?

    +1 Obrigado pelas palavras motivadoras.
  8. Supremíssimo cansaço?

    Existem dois factores que me parecem pertinentes. O primeiro tem a ver com a novidade e o fascínio. Era isso que me acontecia quando era mais novo. Tudo era novidade, fazer uma sequência de acordes fascinava-me, e por isso tocava muito mais tempo. Hoje já não fico tão fascinado e sou na realidade muito autocrítico com o que faço, o que por vezes é negativo porque pode levar a alguma frustração também, e acaba-se por tocar ainda menos. O segundo tem a ver com o ter ou não um determinado objectivo. Noto que quando se tem um objectivo em mente que isso me impulssa a fazer algo Quando era novo sonhava viver da música, por isso também me dedicava mais. Hoje não vivo de ilusões. Mas isso não impede que não se tenha objectivos, são é mais realistas. Para lutar contra essa tendência que falas @xtech, no meu caso não tenho dúvida que ajuda ter um objectivo presente. Quando não tinha, passaram-se literalmente anos até pegar de novo num instrumento. Há uns 3 anos decidi que queria editar um álbum. Não tinha, nem tenho grandes meios, ainda menos guita para recorrer a quem sabe, mas decidi avançar na mesma. Era o fazer menos bem mas fazer, ou desistir. Hoje escuto o álbum e tem N coisas erradas, mas serviram de estudo, de aprendizagem e por isso acho que nesse sentido foi muito útil. Actualmente pretendo lançar mais dois e meio. Um de um projecto familiar que vai em passo de caracol, mas que há de lá chegar. Outro que será uma sequência do primeiro, e também quero melhorar o primeiro. Não pretendo tocar ao vivo, não tenho como objectivo fazer concertos e viver disto (não que não gostasse, mas tenho uma dificuldade que falo mais adiante) , mas como me dá gozo, será que é preciso mais? Sonho maior que tenho agora, gostava de ver um música minha incluída num filme ou série, e isso seria para mim o auge da "carreira", sem stresses e só porque sim. É verdade que família e obrigações vêem em primeiro lugar e que as prioridades são outras de quando se é novo. Mas tenho conseguido conciliar as coisas, até porque a minha esposa e filhas, sabendo do bem que a música me faz, tambem me apoiam. A dificuldade de que falei lá atrás, é a idade. Tenho quase 49 anos e então é assim. O pessoal da minha idade, já não se interessa por música, os mais novos olham para mim e não me parece que queiram fazer um projecto com um cota. Portanto é difícil arranjar pessoal que queira alinhar comigo em projectos e acabo por ter de fazer tudo sozinho, sendo assim, fica de parte a possibilidade de tocar ao vivo, porque não tenho banda. Isso desanima? Sim um pouco, mas como se costuma dizer, mais vale só que m0al acompanhado.
  9. Two Notes - Captor

    Concordo. Este gajo toca tanto que até mete nojo. Grandes malhas @Thomasyoung.
  10. Pessoalmente, sempre fui um fan da Korg. Desde o Wavestation e o M1 que sou fascinado pela marca. Mas a verdade seja dita, nos últimos anos, não tem havido grandes evoluções nas ofertas. Nem da Korg, nem dos restantes. Parece que estagnaram e lhes falta ideias. Os samples, seja de que marca for, são todos excelentes. Uns mais para um gosto, outros par outro, mas no geral não se conseguem apontar falhas. Se hoje fosse comprar uma workstation (que não o faço, porque sinceramente considero que os preços praticados são exagerados para o que oferecem) provavelmente olharia mais para a qualidade do hardware em si, e possivelmente um ponto decisivo seria a possibilidade de carregar samples. Porque neste tipo de equipamento, isso é algo que hoje já deveria ser um standart da indústria e não uma limitação imposta por eles para terem a possibilidade futura de ainda vender mais uns produtos, vendas essas justificadas não por causa da evolução do equipamento, porque essa é praticamente inexistente, mas porque o banco de sons dos novos teclados tem mais uns samples dos hits da radio carregados. A oferta neste momento é tão fraca, que recentemente fui à Musicstore, e passei por eles sem sequer pestanejar. Tive muito mais interesse no Prophet (que maquinão) que achei um mimo. Porque de resto, há carradas de vst’s por aí com qualidade incrível, que não justificam ficar-se preso a uma workstation.
  11. In ears dos Pobres

    No que diz respeito a este tipo de material, só tenho a dizer o seguinte. O barato, pode sair muito caro. E não estou a me referir a qualidade de som ou de material. Estou a referir-me ao facto de que maus auscultadores podem ser extremamente prejudiciais para a saúde dos nossos ouvidos. E como ser-se um músico surdo, não dá muito geito... Por isso, uns bons auscultadores deste género, teem de em primeiro lugar isolar muito bem o ruído externo, para não ser necessário os usar em volumes muito elevados. Depois quanto melhor for a sua qualidade sonora, melhor será a escuta. Comprar material barato para estas funções, é um enorme erro, imho.
  12. saco para pedaltrain novo32 - alternativas

    Tens os sacos da Thomann para teclados... https://www.thomann.de/pt/thomann_key_bag_492.htm
  13. Áudio Interface

    Deixa lá, um dia destes eles fecham a marca, depois alguém compra, e depois passa a ser novamente material de qualidade.