Procura na Comunidade

Resultados de tags 'baixo'.



Mais opções de procura

  • Procurar por Tags

    (Opcional) As tags ajudam a encontrar este conteúdo. Escrever tags separadas por vírgulas.
  • Procurar por Autor

Tipo de Conteúdo


Comunidade

  • Geral
    • Discussão Geral E Cultura
    • Divulgação
    • Apresentações
  • Divulgação
  • Teoria Musical
    • Teoria e Composição Musical
  • Guitarra
    • Guitarra
    • Amplificação
    • Pedais e Efeitos
    • Instrução e Técnica
  • Baixo, Bateria, Teclas, Voz e Outros Instumentos
    • Baixo
    • Voz
    • Bateria e Percussão
    • Teclas - Pianos, Arranjadores e Sintetizadores
    • Outros Instrumentos
  • Faça Você Mesmo (DIY)
    • Projetos de DIY
  • Som
    • Estúdio
    • Ao Vivo e em Palco
    • Vintage e HiFi
  • Novidades e Ajuda
    • Novidades e Regras da Comunidade
    • O Forumusica: ajuda e opiniões
  • Banda Exemplo's Tópicos
  • MÚSICOS EM LISBOA's Tópicos

Categorias

  • Busca Músicos

Categorias

  • Guitarras e Baixos
  • Peças Guitarra e Baixo
  • Bateria e Percussão
  • Pianos e Teclados
  • Amplificadores de Instrumentos
  • Pedais e Efeitos
  • Coisas para DIY
  • Áudio Profissional
  • Outros Acessórios
  • Outros Instrumentos
  • Livros e Revistas
  • Álbuns e Bilhetes
  • Salas de Ensaio

Categorias

  • Técnicos e Luthiers
  • Lojas
  • Formação e Ensino
  • Estúdios
  • Salas de Ensaio
  • Aluguer de Som e Luz
  • Fotografia e Imagem
  • Produtoras e Editoras
  • Importadores
  • Fabricantes
  • Desenvolvedores de Software Musical
  • Bares e Sítios para Tocar
  • Outros Serviços para Músicos

Categorias

  • Dicionário

Categorias

  • Guitarra
  • Baixo
  • Efeitos
  • DIY
  • Gravação e Som

Categorias

  • Música e Cultura
  • Teoria Musical
  • Guitarra
  • Electrónica Musical
  • DIY
  • Baixo
  • Teclas
  • Gravação e som

Calendars

  • Concertos
  • Workshops
  • Banda Exemplo's Calendário
  • MÚSICOS EM LISBOA's Eventos

Categorias

  • Testes de Cultura Musical
  • Testes de Teoria Musical
  • Testes de Gravação e Estúdio

Estilos Musicais

  • Ideias (Permite Download)
  • Alternativo
  • Baile
  • Blues
  • Country
  • Folk
  • Fusão
  • Jazz
  • Metal
  • Clássica
  • Pop
  • Reggae
  • Religiosa
  • Rock
  • Techno
  • Outro
  • Banda Exemplo's Player
  • MÚSICOS EM LISBOA's Player

Blogs

Não há resultados a mostrar.

Não há resultados a mostrar.


Tipo de Membro


Está online?


Com Foto?


Número de posts

Entre e

Idade

Entre e

Último post

Entre e

Telemóvel


Cidade

Encontrado: 61 resultados

  1. Excelente tópico, master tmö! Era boa ideia porem isto como topico fixo. master tmö para presidente!!! :)
  2. Uma conto repescagem de 2007 (a pedido de algumas gentes) por tmo... Ora bem, qual é a grande vantagem de utilizar um pré digital ao invés de usar um analógico? Pondo de parte o rombo no orçamento que os diferentes prés fazem, a grande vantagem destes sobre os outros é a versatilidade de timbres que podem gerar. E para quê? Perguntais vós... simplesmente para poder chegar a mais pessoas e permitir o estudo do “Holly Grail of Tone” sem se ficar a pedir nas ruas. O que se irá abordar de seguida torna-se válido para Guitarristas, Baixistas ou outros instrumentistas que usem Setups idênticos aos que aqui se indicarão. Nota informativa ao leitor: o texto que se apresenta de seguida contém linguagem eventualmente chocante e disruptiva. Convenhamos que o texto original tem pouco mais de 10 anos... contudo, os princípios aqui referidos mantém-se sólidos uma vez que são transversais a praticamente qualquer setup. Ponto 1: HARDWARE Convém ponderar algumas características destes setups. Identificam-se inicialmente 3 tipos de setups exclusivamente digitais (dos quais depois se podem gerar outros híbridos e por aí fora ao gosto do cliente), são eles: Pedaleiras, Racks, Software para PC/Mac/Tablets. Enquanto os 2 primeiros funcionam como Stand-Alone, o que significa precisarem apenas de Guitarra + Amplificação (ou headphones), os últimos obrigam à existência de interfaces audio/digital adicionais para se poder utilizar o processador do PC ou da tablet. Independentemente do pacote escolhido, eles funcionam todos da mesma forma, processam o sinal digitalmente, sendo que para isso é necessário: Conversores analógico/digital para a conversão do sinal da guitarra em Zeros e Uns e a reconversão em frequências audíveis do sinal processado Processador (e software... um computador com tudo o que implica), para... pois, isso mesmo Um interface visual para o utilizador mexer nos n+1 parâmetros A grande diferença entre os processadores em formato pedaleira ou rack para os de formato software é apenas o hardware usado ser dedicado ou genérico, com todas os benefícios que isso traz para a mesa, tanto de um lado como do outro. A minha experiência recai sobre poucos aparelhos, cuja utilização levei à exaustão e cuja aprendizagem transportei de uns para os outros e algum software que volta e meia uso quando a situação assim o exige. Há 10 anos usava um Roland GP100 como máquina principal e um Boss VF1 como auxiliar, no entanto, como o foco deste tutorial é o princípio de utilização, a forma de programar os sons mantém-se válida para este espectro de processadores de sinal e ainda para os mais tradicionais. Pelas minhas mãos já passaram então dois tipos de processadores: os que permitem mensagens de Control Change dentro de um Patch/Programa e os que não o permitem. Sobre os 1os já lá vamos, sobre os 2os (normalmente pedaleiras de baixo custo) resta-me ainda dizer que é frequente terem dois modos: o play e o edit. Por norma, criam-se vários patches para um tema musical com este tipo de aparelhos, para se ter a distorção ou o phazer ligado (por exemplo) versus não os ter... isto poderá não ser necessário, se o utilizador passar a tocar no edit mode, que lhe permitirá alterar sons, assim como ligar e desligar efeitos sem a frequente “latência” existente quando se muda de patch. Em edit mode pode-se igualmente mexer nos botões/parâmetros referentes a cada um dos efeitos e obter assim modelação sonora em “real time”. Uma utilização deste género pressupõe um estudo prévio sobre os níveis pretendidos para cada acção, se bem que um pouco de improviso no assunto também poderá desenvolver sonoridades interessantes. No que diz respeito à utilização da segunda tipologia, bem, é necessário ter em conta o seguinte: tratam-se de conceitos que pretendem recriar setups tradicionais, através da emulação de amplificadores, pedais e os mais variados efeitos. Ok, até aqui não há novidades. Acontece que muitos permitem ainda a utilização simultânea de Prés de amplificadores dedicados à guitarra ou ao baixo, através da utilização de loops externos. No caso do software para plataformas PC, isto vai depender das especificações técnicas da placa de som em uso e das possibilidades de programação do software em questão. Dos que me passaram pelas mãos (GuitarRig, Amplitube e BIAS FX free), tal não é possível quando usados em Stand Alone, mas se integrados num DAW (Digital Audio Workstation - gravador multipistas digital por software) e dependendo da placa de som, pode ser facilmente contornado. A utilização de loops para ir buscar o timbre da pretendido a um amplificador tradicional pode tornar-se interessante se nestes setups ponderarmos a simulação de pedais e efeitos e não de Prés e amplificadores ou colunas. Ponto 2: SIGNAL CHAIN Após as considerações anteriores, é importante analisar outro aspecto do som de Guitarra/Baixo/whatever: a sequência dos diferentes elementos que constituem a construção do nosso som, desde que iniciamos o processo de estimular a vibração das cordas da guitarra (para o caso) até ao momento em que recebemos o feedback/retorno desta acção. Desta forma torna-se importante analisar a corrente do sinal de um setup genérico independentemente do respectivo formato: Mioleira/Ouvidos/Dedos Guitarra/Baixo/Pirilau (errrr...) Wahs, compressores, booster e overdrives/distorções Pré Amplificador (o aparelho que caracteriza principalmente o tipo de som) Efeitos de modelação (reverbs, delays, chorus, phasers, etc) Amplificação. Coluna Cabelos/Ouvidos/Mioleira (e o loop fecha-se). Os aparelhos em formato pedaleira ou rack mais recentes permitem deslocar o loop de efeitos externos (quando têm essa possibilidade) na sua chain geral. Isto pode ser utilizado para substituir pedais singulares, ao gosto de cada utilizador ou um amplificador de guitarra (constituindo assim um setup híbrido). Nesta situação híbrida sugiro a seguinte chain, já sobejamente conhecida: Guitarra Input do Pré Digital Wahs e afins efeitos, simulação de pedais de overdrive, distorção boosters ou compressores Effects Loop SEND do Pré Digital para o Input do amp Effects Loop SEND do amp para o Effects Loop RETURN do pré digital Mais efeitos Master OUT do pré digital para o Effects Loop RETURN do amp Amp para a coluna Desta forma, o Pré Digital controla o sinal, mas permite o som do do Pré do Amp soar pelas goelas todas, assim como se amplifica TUDO através da secção de Power do amp. Convém ter bem definido a forma como o aparelho (Pré Digital) será amplificado, nos seus settings globais. Neste caso aconselha-se vivamente a não utilização de modelação de pré, amp ou coluna, mas cada caso é um caso e ninguém ouve da mesma forma. No caso de não se usar nenhum amplificador de guitarra, as ligações serão mais simples: Guitarra Input do Pré digital / placa de som Master Out do Pré Digital / placa de som para mesa ou Input da Power Amplification Colunas de Espectro total ou heaphones de qualidade simpática. Bom, até aqui continua a não haver novidades, apenas o concentrar de informação dispersa. Ponto 3: SOUND DESIGN Passemos então à fase seguinte: a criação do som, dos Patchs / Programas, num processo válido para qualquer um dos setups usados, contudo, com um particular ênfase no setup exclusivamente digital. Ora, na minha opinião, a 1ª coisa a fazer quando se procura um TIMBRE fixe em qualquer setup é: DESLIGAR TODOS OS EFEITOS, procurar ter tudo em bypass (no caso de se usar o pré de um amp de guitarra, desliga-se o loop do Pré Digital) desde a guitarra até à amplificação. Quando se conseguir ouvir o som da guitarra crú, sem qualquer modelação ou alteração, estamos prontos para começar o TONE shapping para o céu (ou inferno). Procuremos então seguir os próximos passos: Regular o Master Out e o input level do Pré Digital / placa de som de forma a considerar um volume sem distorção, isso procurar-se-á com os Prés e respectivas simulações. Ligar então os efeitos de pré e de simulação de colunas (para o caso do setup totalmente digital antes da amplificação) ou o loop de efeitos (para o caso da utilização do pré do amp). na primeira situação, é provável que se demore algum tempo, uma vez que se irá passear pelas diferentes possibilidades de simulação tanto de pré como power ou de coluna. Para facilitar a coisa, convém ter o manual à mão para consulta das diferentes possibilidades de modelação, de forma a que se chegue ao som que se procura sem grandes demoras. Experimentar as variantes entre tipos de Pré e tipos de coluna. Neste caso, ajuda rodar os presets existentes para visualizar aquilo que mais se aproxime ao timbre desejado, no entanto reitera-se a importância de começar do ZERO, sem efeitos e apenas com as simulações de pré, amps e colunas ligados. Na segunda situação, bem, é escolher o som pretendido de um dos canais do amp. Fazer o Timbre do Pré+amp. (dependendo do software de cada marca, a simulação de pré pode vir conjunta ou separada da do amp e ou da coluna inclusive). No caso de se usar o setup digital, a minha experiência diz que se deve procurar muito bem todos os extremos de cada parâmetro. Para se saber bem onde se pretende estar, por vezes é importante passear pelo extremo. Este é um desses casos. Aconselha-se vivamente a experimentar os extremos de cada parâmetros para se chegar ao "meio termo" pretendido. Assim como um amp a válvulas limpa o som quando se baixa o volume na guitarra, a grande maioria destes processadores digitais também o fazem. Desta forma sugiro que se regule o Pré para um Som sujo, com overdrive ou distorção, variando os valores dos diferentes parâmetros a gosto. E porque é que se regulou o Pré para sons sujos? Ora para se fazer uso do “volume da guitarra”. Pessoalmente gosto de transitar de overdrive para som limpo de forma contínua e gradual, sem interrupções, saboreando todos os momentos intermédios de diferentes graus de distorção/overdrive. Para isso uso um pedal de volume ou expressão, com o qual obtenho sons limpos de distorções e overdrives bastante cheios e pesados. Para o caso se poder definir um “pedal de volume” no pré digital, é altura de o colocar na chain do sinal, imediatamente antes do “Pré” ou do “Loop”, para quem usa amps de guitarra. Este “Pedal de Volume” não deverá cortar totalmente o som, apenas deverá reduzí-lo até limpar a distorção/overdrive. É natural que para distorções com muita saturação, tal não se consiga na totalidade, porém, a minha experiência diz que se consegue fazer tal acrobacia com distorções/overdrives pesados e densos. A utilização de um pedal de expressão na função de “Pedal de Volume” é controlada através de MIDI (normalmente) e de mensagens tipo CONTROL CHANGE. É natural que se possa perder um pouco de volume global quando se reduz o volume de entrada no pré, porém, isto pode ser compensado com aumentos simultâneos no volume de um EQ de bandas ou paramétrico, por exemplo, igualmente programável via MIDI. Alternativamente, poder-se-á atribuir a este pedal de expressão a função de variar os valores de drive/ganho, sendo que a textura é diferente. Fica ao gosto de cada um, sugere-se e aconselha-se a experimentação. Após ter-se regulado o Pré, a simulação de coluna (para quem precisar) e o pedal de volume, pode-se atacar a restante panóplia de efeitos. Caso se pretenda usar Compressor, não se deve colocar este entre o pedal de volume e o Pré (na situação de se optar por este caminho), pois assim reduz-se drasticamente o efeito pretendido. Normalmente, consegue-se um melhor resultado com o seguinte encadeamento: Compressor – Pedal de Volume – Pré. Pode-se (e deve-se, haja tempo) experimentar trocar efeitos e ordem destes (caso o processador/software o permita), tendo em atenção a não colocação de efeitos entre o “pedal de Volume”, o “Pré” e a “Simulação de Coluna” (na situação de se optar por este caminho). A minha experiência diz-me que NÃO TRAZ NADA de significativo para a produção do som, podendo eventualmente estragar modelações pretendidas. Geralmente após a cadeia de “Pedal de Volume”+”Pré”+”Simulação de Coluna” costumo utilizar um EQ para corrigir, atenuar ou acentuar pormenores do timbre base. Ponto 4: CHAOS CONTROL Quando se está confortavelmente em casa a tocar/programar estes aparelhómetros, releva-se para 2º plano a sua utilização live. Facilmente se esquece a usabilidade na transição de um timbre para outro. Na era dos estúdios caseiros, um fade in e um fade out entre duas pistas fazem milagres, mas ao vivo ou em ensaios a coisa não funciona da mesma forma. É igualmente importante tornar os timbres funcionais em ambientes menos favoráveis ao tweaking instantâneo. Enquanto que as pedaleiras multiefeitos se mostram como um 3 em 1 (processador, interface e controlo), os aparelhos em Rack ou até mesmo os setups em formato PC/Mac ou tablet beneficiam grandemente de pedaleiras controladoras, venham nos protocolos MIDI, USB ou outros. Ter a possibilidade de modelar em "real time" parâmetros de forma expectável com o pé e sem tirar as garras da guitarra potencia grandemente a expressão do músico e é um campo muito pouco explorado pela grande maioria dos guitarristas, sendo ainda mais flagrante a ausência destas experiências naqueles que recorrem aos processadores digitais. Com uma pedaleira controladora ligada ao setup digital, pode-se ligar e desligar vários efeitos simultaneamente em combinações ao gosto do freguês ou modelar um wha com um pitch shifter em simultâneo. O limite é (actualmente e numa grande dose de processadores) apenas o utilizador e a sua vontade de sair da caixa. Aconselha-se vivamente a experimentação de pedais de expressão para adulteração de parâmetros e criação de sons menos comuns. Por este lado, tenho como ponto de partida 3 pedais de expressão e vários tipo on/off. Os de expressão controlam: Exclusivamente o drive do meu pré-amp Efeitos para o qual designe o pedal, podendo combinar wha com panner rate ou o que me der na real gana. Controlar o rate speed de efeitos como Phaser, Phanger, Chorus ou Ring Modulator é garantia para a entrada em ambientes claramente distintos dos que a maioria das pessoas faz com estas ferramentas. Mistura - Efeito Reverb / sinal anterior Se neste momento me encontro afastado de modeladores de amplificação de guitarra digitais, os conceitos que desenvolvi sobre como construir o timbre da guitarra aquando da utilização do Roland GP100 mantêm-se. Procuro ter um pedal de expressão a controlar o nível de drive, um para efeitos esquisitos e um terceiro para misturar o reverb. Possibilidades há mais que muitas e os modeladores actuais do mercado permitem um leque de sons bastante grande. Outra atitude que procuro ter na programação do meu setup é a de criação de alternativas e possibilidades de ajustes com pouco esforço. Procuro ter um ou dois pedais dedicados a mudar a EQ geral da coisa, para o caso de me deparar com salas de ensaio mais escuras e em que precise de furar melhor sem ser necessariamente mais alto, ou, se por alguma razão a guitarra em questão se apresentar diferente do costume. Trata-se de garantir uma salvaguarda para situações que geralmente obrigariam a remexer na programação em momentos pouco oportunos (num concerto, por exemplo). Ter um pedal dedicado a alternativas ajuda substancialmente a salvar momentos potencialmente embaraçosos. Ainda nesta questão do controlo do caos, é importante referir que existem de base duas formas de mensagem entre os controladores e os processadores: aquela que permite mudar o programa ou patch - PROGRAM CHANGE, e aquela que permite alterar os parâmetros dos diferentes blocos de efeitos dentro de cada programa/patch - CONTROL CHANGE. No universo MIDI, estas são para mim as tipologias de mensagens mais importantes para o caso em questão (há outras, para outros trabalhos). Torna-se assim importante garantir que a pedaleira controladora esteja a enviar a mensagem no mesmo canal que o processador vai receber e interpretar. Os controladores são, para o caso, como o teclado de um computador: uma fonte de introdução de informação. Cada pedal/botão tem um número associado e é esse número que depois é usado para se associar determinado parâmetro ao pedal. Pedaleiras com poucos pedais têm geralmente a gestão dividida entre as mensagens referidas, ou trabalham em PROGRAM CHANGE MODE, o que significa que os pedais servem para mudar os programas e os bancos de programas, mas quando se muda para o CONTROL CHANGE MODE, estes mesmo pedais passam a operar de forma a ligar e desligar efeitos segundo a programação predefinida no processador. É o que acontece com a pedaleira Roland FC200, com a Behringer FCB1010 (?) e muitas outras. Controladores com muitos pedais poderão fazer uma divisão destes para que uns mudem os programas e outros os controlos/parâmetros do programa em uso... No caso das pedaleiras multiFX, esta situação já não se coloca de forma tão eminente, uma vez que é frequente terem dois modos de utilização, cujos nomes poderão variar de marca para marca: EDIT MODE e PLAY MODE. Dentro do PLAY MODE poderão ainda existir outros sub modos, estando estes dependentes do nº de pedais que o aparelho tem e na forma que este tem para os gerir. Ponto 5: FINAL WHATEVER Ora bem, para concluir resta dizer que a "César o que é de César", "cada macaco no seu galho" ou outras coisas semelhantes. Quer isto dizer, há espaço para tudo no mundo desde que se respeitem os espaços à volta. O que aqui se debateu não é nem melhor nem pior do que um setup mais tradicional de Guitarra+amp/coluna+pedais. Há vantagens e inconvenientes para tudo e neste caso o maior e mais flagrante inconveniente é o Plug'n'Play não ser instantâneo. Traz, obviamente outras mais valias, principalmente para músicos em bandas de covers que precisem de cobrir um grande espectro sonoro relativo às respectivas set lists. Do meu ponto de vista, a versatilidade é sem dúvida alguma a grande mais valia destes setups menos tradicionais. O espectro de expressões tímbricas que se consegue é sensivelmente igual ao existente de expressões musicais. Isto são ferramentas ultra especializadas em fornecer ao músico/utilizador a maior paleta sonora possível para que com apenas um aparelho, o músico consiga fazer tudo o que lhe der na real gana. Há, obviamente aspectos intrínsecos a estes setups que deverão ser explorados no futuro, nomeadamente as diferenças na qualidade de uns e outros, portanto comparativos de especificações, prós e contras, etc., relembrando também que o respectivo valor de mercado aumenta substancialmente na função da novidade e quantidade de funções (que eu saiba ainda não tiram cafés nem servem cerveja... mas se o kit de unhas estiver afinado, isso provavelmente surgirá pelo caminho). Pontos CHAVE a reter, numa espécie de sumário da coisa, a programar estes aparelhos dever-se-á: Começar com uma folha limpa, sem nada activo e gerir o sinal de entrada e saída para valores sem distorção e sem estragar o aparelho auditivo; Modelar a base do som, através de simulações de pré+amp+coluna até se atingir um timbre que não comprometa o gosto; Acrescentar salvaguardas do timbre para situações inesperadas, através de EQs/Boosts/Compressores que abrilhantem ou tornem o timbre um pouco mais escuro conforme o gosto, associados a pedais em controladores; Acrescentar o resto dos efeitos a gosto. Utilizar pedaleiras controladoras em formato MIDI ou USB ou outro (caso o processador não seja já uma pedaleira) para controlo de efeitos e respectivos parâmetros. Disclaimer: não me responsabilizo pelos laços sociais potencialmente desfeitos, fruto do tempo excessivo na busca do HOLY GRAIL OF TONE com estes aparelhos. Bom, fico-me por aqui, opiniem, comentem, perguntem, risquem-me da vossa lista de contactos.
  3. Coluna 2x10

    Olá pessoal do baixo. Deixo aqui uma dúvida do baixista que me tem acompanhado. Ele tem material da Eden, um 1x12 coaxial e um 1x15 com tweeter, amplificados por um Hartke de 350W a 4 ohms. Tinha também um 1x15 combo que vendemos na passada semana, tinha um bom som, mas já estava a acusar o peso da idade. O meu baixista afirma que gostaria de ter uma boa coluna 2x10 ou 2x12, mas penso que 2x10 seria o ideal. Qual a ideia? Ter um conjunto a tocar uma coluna 2x10 + 1x15 para palcos grandes e ter a coluna 2x10 para interiores e espaços mais pequenos. Já vi que os valores desse material são sempre puxaditos, mas nas pesquisas pela Thomann, pelo preço e potência indicada esta solução pareceu-me algo a ter em conta. https://www.thomann.de/pt/bugera_bt210ts.htm Alguém conhece, já usou ou tem conhecimento da qualidade da marca?
  4. https://www.youtube.com/watch?v=tbsNOAYrw2o
  5. Por sugestão do @John10 esta semana a votação é "Qual é a tua espessura de palheta favorita?" Digam de vossa justiça e aproveitem para sugerir próximas votações no tópico do costume.
  6. Aprender música aos 40 anos

    Boas pessoal, Uma dúvida existencial: uma pessoa que comece a aprender a tocar um instrumento (baixo, neste caso) na casa dos 30/40 anos, qual o máximo que pode aspirar? Obrigado pela vossa opinião!
  7. https://www.youtube.com/watch?v=JbvnKJHW6L8
  8. Apresentação

    Boas pessoal, Então aqui vai a minha apresentação à comunidade: O meu nome é Pedro e sempre tive a ambição de aprender a tocar um instrumento musical. Se calhar, por ter chegado aos 40 anos, decidi dar esse passo. Decide-me por aprender a tocar e baixo e, nesse sentido, ando a recolher o máximo de informação junto da malta que já anda nisto há algum tempo. Uma vez que já tenho uma idade "avançada", gostava que me dessem algum feedback sobre malta que decidiu começar a tocar com uma idade semelhante à minha.
  9. Começar a tocar baixo

    Boas pessoal, Estou a pensar em começar a aprender a tocar baixo. Tendo em conta a vossa experiência, gostava que me dessem uns conselhos básicos e se conhecem alguém na zona de Sintra/Cascais/Oeiras que me pudesse dar umas aulas de iniciação. Obrigado
  10. https://www.youtube.com/watch?v=ipHrzBEeds8
  11. Não sei se já existia, mas deparei-me com isto: Parece porreiro. 20€, não me parece exagerado para o que faz. O que acham?
  12. https://www.youtube.com/watch?v=A8F_4O0piLk
  13. https://www.youtube.com/watch?v=e81wWHf41zs
  14. https://www.youtube.com/watch?v=16kYTLptV3A
  15. DSM Noisemaker Drive Maker

    A DSM Noisemaker, sediada no Chile, lançou o Drive Maker, um pedal de distorção bastante diferente do que abunda no mercado. Num mercado onde abundam clones do Tube Screamer, Big Muff, Fuzz Face e Dist +, ou emulações digitais destes, a DSM Noisemaker quer criar um circuito novo que permita aos guitarristas encontrarem o seu próprio som. O Drive Maker O pedal, além dos controlos normais, tem também um FX loop, permite ser usado em guitarra ou baixo (tem um switch para isso), tem 3 modos de clipping, voice control, octaver, e um boost de 30 Db's, sendo um pedal muito completo e flexível. Diz o site da marca: (de: http://www.dsmnoisemaker.com/drive-maker) O pedal é flexível QB, e permite alimentação de 18v para maior headroom: O preço para a Europa fica em 289 dólares (já inclui 50 dólares de envio), e se adicionarmos 23% de taxa alfandegária, não fica barato. Mas é um grande pedal! Pessoalmente, já há muito que não via um pedal de distorção que me interessasse tanto como este.
  16. http://www.pedrozappa.com/kimbra-bass-covers
  17. Videos de Cover Brasil

    Ola pessoal Para quem se interessa em musica do Brasil e tambem musica Americana e Inglesa confiram meu canal no You Tube. Segue o link de um video meu com tablatura do Seu Jorge. Carolina - Seu Jorge
  18. Baixo para prenda de Natal

    Boas Malta, O baixista da minha banda é meu irmão, e a minha cunhada quer-lhe oferecer no Natal um Baixo. Então precisava da vossa ajuda para, dar-lhe opções para a compra dela: 1º sendo presente de Natal, o baixo não pode ser em 2ª mão. Tem que ser novo 2º o budget dela pode esticar até 750 € O baixo será para tocar fundamentalmente rock. Neste momento, ele tem 2 baixos. Um Warrick e um Precision, penso eu que seja um Hondo. Eu gosto bastante destes, mas eu sou guitarrista lol: https://www.thomann.de/pt/fender_standard_precision_bass_aw2011.htm https://www.thomann.de/pt/fender_std_jaguar_bass_rw_olw.htm https://www.thomann.de/pt/fender_standard_jazz_bass_rw_aw_2011.htm Venham de lá essas sugestões. abc
  19. Keeley Dyno My Roto

    O Robert Keeley vai lançar mais um pedal: Dyno My Roto, com "Tri Chorus Rotary Flange". O pedal deve chegar às lojas europeias com um preço a rondar os 200€.
  20. Joyo Moonbase

    O novo pedal da Joyo para baixo:
  21. Novos Ibanez Talman Bass

    A Ibanez lançou o novo baixo Talman. Disponível em dois acabamentos(natural e antique white blonde), tem corpo em ash e braço em maple. Os inlays são em acrílico e os pickups são Nordstrand (CND P no neck e CND J na ponte) passivos. A equalização é de duas bandas. Como funciona: Aqui está o vídeo de apresentação:
  22. Aqui está um "pedal" que bem poderia estar na secção de amplificação: um cab simulator totalmente analógico. A DSM Noisemaker é uma empresa fundada em Santiago do Chile com uma filosofia muito simples: nunca sairão clones ou pedais alterados da sua fábrica. Todos os pedais são desenhados de raíz. O primeiro pedal da empresa a saír (ainda está em pre-order) é o OmniCabSim Deluxe Analog Amp Simulato, que basicamente é um simulador de coluna totalmente analógico. Com bastantes controlos que permitem esculpir o som até se obter o pretendido (desde o controlar a resposta das altas e médias frequências, até compensar o ganho, o tamanho da coluna, a ressonância, até sobressaír na mistura através de um boost na zona dos 800 Hz através do controlo "Punch"), o pedal tem também um bom conjunto de conexões, desde a típica saída XLR e 1/4 para gravação directa, como uma saída para auscultadores (apenas mono??), com um controlo de volume. Há também uma saída para o FX return do amp, caso se queira utilizar também ao vivo. Um pequeno aparte: este pedal é apenas de um canal (mono), e portanto, se o objectivo for usar em stereo, são precisos dois.. Os preços para a Europa são de 260 dólares, (mais 40 de portes. Diz a própria DSM Noismaker com muita modéstia, que este é simplesmente o melhor Simulador de Cab analógico no mercado. Verdade ou mentira? Julga tu mesmo:
  23. Jazz Bass Shootout: Squier vs MIM vs MIA

    Em teste: o Fender American Jazz Bass vs Fender Standard Jazz Bass vs Squier Affinity Jazz Bass. Com uma diferença de mais de 7 vezes de preço entre os extremos, impõe-se a questão: será que vale a pena dispender mais dinheiro para ter um baixo? Vamos às diferenças de construção: Característica Fender American Fender Standard Squier Affinity Body Alder Alder Alder Finish Urethane Polyester Polyurethane Neck Maple Maple Maple Neck Shape Modern "C" Modern "C" "C" Shape Scale Length 34" (864 mm) 34" (864 mm) 34" (864 mm) Fingerboard Radius 9.5" (241 mm) 9.5" (241 mm) 9.5" (241 mm) Frets 20 20 20 Fret Size Medium Jumbo Medium Jumbo Medium Jumbo Nut Synthetic Bone Synthetic Bone Synthetic Bone Nut Width 1.5" (38.1 mm) 1.5" (38.1 mm) 1.5" (38.1 mm) Neck Plate 4-Bolt Standard 4-Bolt Standard 4-Bolt Standard Neck Finish Satin Finish on Back, Gloss Finish on Front Tinted Satin Urethane Polyurethane Fingerboard Maple Maple Rosewood Inlays Black Dot Black Dot Perloid Dot Pickup Bridge Custom Shop '60s Single-Coil JB Standard Single-Coil Jazz Bass Standard Single-Coil Jazz Bass Pickup Neck Custom Shop '60s Single-Coil JB Single-Coil Jazz Bass Single-Coil Jazz Bass Bridge 4-Saddle HiMass™ Vintage (String-Through-Body or Topload) 4-Saddle Standard Vintage-Style with Single Groove Saddles 4-Saddle Standard Tuners Fender "F" Light-Weight Vintage-Paddle Keys with Tapered Shafts Standard Open-Gear Standard Open-Gear Unique Features Posiflex Graphite Neck Support Rods Rounded Body Shape Rolled Fingerboard Edges Made in United States Mexico China Preço: 1700€ 850€ 240€ Podemos ver que as diferenças principais dizem respeito ao tipo de acabamento do corpo, ao hardware, pickups, e no caso americano, aos detalhes de construção (e provavelmente a maior exigência de acabamentos). E no que toca ao som? Vale a pena comprar o MIA vs MIM? E MIM vs MIC?
  24. Com todas as várias versões do Big Muff, houve alguém que teve tempo para escrever um completo artigo sobre o pedal e as suas várias encarnações. Vale a pena ler: Leitura: http://www.pmtonline.co.uk/blog/2016/08/23/big-muff-fuzz-pedal-guide/
  25. Boa noite. Ando há dias a tentar comprar um baixo que não seja muito caro e que tenha um bom som para começar, depois de alguma ajuda neste fórum optei pelo Marcus Miller V7 Swamp Ash 4-NT. Acerca do amplificador, neste mesmo fórum aconselharam-me a comprar um EBS, pois de momento só vou praticar no meu quarto e não preciso de um amplificador topo de gama. Sabem-me indicar um amplificador que seja bom com uns 100 Watts no máximo? Pretendo comprar o baixo e o amplificador na thomann, mas gostaria de fazer-vos algumas questões acerca das encomendas na thomann, porque é a minha primeira vez. Mesmo comprando o baixo + amplificador, há alguns acessórios que eu acho que seja necessário (mesmo sendo um iniciante) como por exemplo: cabo de instrumento, afinador, correia, palheta, suporte para baixo, mala, etc. Alguém que já tenha comprado lá sabe-me dizer se é habitual os baixos virem com algum desses acessórios? Tem alguns que mencionei e tenho a certeza que não traz, o que é perfeitamente normal, mas palhetas por exemplo, costuma vir? E as cordas do baixo, devem ser da mesma marca, não? Sabem-me dizer se eles costumam mandar mais algumas extra ou apenas vêm 4? É que ouvi dizer que os baixistas costumam trocar de cordas de mês em mês... :/ Obrigado pela vossa paciência e ajuda! Cumprimentos