Procura na Comunidade

Resultados de tags 'distorção'.



Mais opções de procura

  • Procurar por Tags

    (Opcional) As tags ajudam a encontrar este conteúdo. Escrever tags separadas por vírgulas.
  • Procurar por Autor

Tipo de Conteúdo


Comunidade

  • Geral
    • Discussão Geral E Cultura
    • Divulgação
    • Apresentações
    • O Cantinho da Thomann
  • Divulgação
  • Teoria Musical
    • Teoria e Composição Musical
  • Guitarra
    • Guitarra
    • Amplificação
    • Pedais e Efeitos
    • Instrução e Técnica
  • Baixo, Bateria, Teclas, Voz e Outros Instumentos
    • Baixo
    • Voz
    • Bateria e Percussão
    • Teclas - Pianos, Arranjadores e Sintetizadores
    • Outros Instrumentos
  • Faça Você Mesmo (DIY)
    • Projetos de DIY
  • Som
    • Estúdio
    • Ao Vivo e em Palco
    • Vintage e HiFi
  • Novidades e Ajuda
    • Novidades e Regras da Comunidade
    • O Forumusica: ajuda e opiniões
  • Banda Exemplo's Tópicos
  • MÚSICOS EM LISBOA's Tópicos
  • Músicos em Braga e arredores's Tópicos
  • Mixing in The box.'s Tópicos
  • Mixing in The box.'s Tópicos

Categorias

  • Busca Músicos

Categorias

  • Guitarras
  • Baixos
  • Peças Guitarra e Baixo
  • Bateria e Percussão
  • Pianos e Teclados
  • Amplificadores de Instrumentos
  • Pedais e Efeitos
  • Coisas para DIY
  • Áudio Profissional
  • Outros Acessórios
  • Outros Instrumentos
  • Livros e Revistas
  • Álbuns e Bilhetes

Categorias

  • Técnicos e Luthiers
  • Lojas
  • Formação e Ensino
  • Estúdios
  • Salas de Ensaio
  • Aluguer de Som e Luz
  • Fotografia e Imagem
  • Produtoras e Editoras
  • Importadores
  • Fabricantes
  • Desenvolvedores de Software Musical
  • Bares e Sítios para Tocar
  • Outros Serviços para Músicos

Categorias

  • Dicionário

Categorias

  • Guitarra
  • Baixo
  • Efeitos
  • DIY
  • Gravação e Som

Categorias

  • Música e Cultura
  • Teoria Musical
  • Guitarra
  • Electrónica Musical
  • DIY
  • Baixo
  • Teclas
  • Gravação e som

Calendars

  • Concertos
  • Workshops
  • Banda Exemplo's Calendário
  • MÚSICOS EM LISBOA's Eventos
  • Músicos em Braga e arredores's Eventos
  • Mixing in The box.'s Eventos

Categorias

  • Testes de Cultura Musical
  • Testes de Teoria Musical
  • Testes de Gravação e Estúdio

Estilos Musicais

  • Ideias (Permite Download)
  • Alternativo
  • Baile
  • Blues
  • Country
  • Folk
  • Fusão
  • Jazz
  • Metal
  • Clássica
  • Pop
  • Reggae
  • Religiosa
  • Rock
  • Techno
  • Outro
  • Banda Exemplo's Player
  • MÚSICOS EM LISBOA's Player
  • Mixing in The box.'s Player

Blogs

Não há resultados a mostrar.

Não há resultados a mostrar.


Tipo de Membro


Está online?


Com Foto?


Número de posts

Entre e

Idade

Entre e

Último post

Entre e

Telemóvel


Cidade

Encontrado: 14 resultados

  1. Ruído no amplificador

    Olá. Preciso de uma ajuda. Tenho uma Epiphone Les Paul Standard Custom Shop e um Roland Cube 30X. O amplificador tem ruído de fundo que desaparece se colocar a mão no cabo junto à guitarra. Este ruído é amplificado quando mudo para distorção. Abaixo vídeo com a descrição do problema, quer em clean, quer em distorção. https://www.dropbox.com/s/2nwch7n48fz4tie/File 13-10-17%2C 16 37 48.mov?dl=0 Algumas notas: Isto acontece com dois cabos que tenho em casa; Tenho um Peavey Vypyr 15 que não apresenta o mesmo problema, o ruído é quase inexistente; O Rolland está ligado a uma tripla com terra e a tomada também tem terra, mas o cabo do aplificador não tem: Alguma dica?
  2. MOSFET: numa configuração habitual

    Os MOSFET são transístores de efeito de campo usados em muitas aplicações de eletrónica analógica e digital. Neste tutorial vamos realizar uma experiência muito prática de modo a perceber como funciona um MOSFET numa configuração particular muito utilizada, em particular, nas montagens de tutoriais anteriores. A montagem usada é chamada de fonte comum, porque a entrada e a saída partilham a fonte do MOSFET. Esta configuração permite construir um amplificador e obter uma amplificação em corrente e em tensão do sinal de entrada. É por isso uma configuração muito usada em aplicações de áudio. Em tutorais anteriores montamos um amplificador com uma lâmpada cuja configuração corresponde exatamente à de fonte comum. Claro que vamos precisar de alguns aparelhos especiais: um osciloscópio e um gerador de sinais. Como habitualmente publicamos uma lista de material e os sítios mais convenientes/baratos para a compra. Neste caso em particular não damos recomendações de compra porque já anteriormente demos e os Mosfets podem ser comprados facilmente em qualquer loja de electrónica. Para este tutorial são necessários uns Mosfets, resistências e um condensador, a saber: Mosfet IRF620, IRF610, … Algumas resistências de potência (100Ohm, 1Ohm,3.3Ohm, 0.47 Ohm,... de 3W basta, 1M 1/4W) 1uF, 25V condensador Fonte de alimentação (de um laptop). Aquela que vou usar a tensão de saída ronda os 19.6V breadboard (a montagem de um tutorial anterior) Na página seguinte conheceremos melhor a estrutura do MOSFET. O transístor de efeito de campo (Field effect transistor, FET) tem esta designação porque o estado de corte ou de condução é determinado pelo campo eléctrico no seu interior. A corrente é devida a um só tipo de portadores de carga: electrões ou lacunas. Há vários tipos de transístores de efeito de campo mas o mais utilizado é o transístor MOS (MOSFET). A designação MOS deriva das iniciais Metal-Óxido-Semicondutor e tem a ver com a estrutura do dispositivo. Não me vou deter sobre grandes detalhes técnicos sobre este tipo de transístor (ver referências no fim) mas há uma característica que vale a pena referir: apresentam uma resistência de entrada praticamente infinita, característica que partilham com os seus antepassados, as válvulas. O MOSFET possuem 3 terminais denominados dreno (D, drain), porta (G, gate), fonte (S, source). Para que a corrente passe no drain para a source é necessário que a tensão entre a gate o drain seja superior à tensão de limiar (threshold), este é o comportamento de um transístor MOS de canal N, ou NMOS. Existem também transístores de canal P, ou PMOS. Neste caso para que haja corrente da source para o drain é necessário que a tensão entre a source e a gate seja superior à tensão de limiar. Os transístores descritos são chamados de enhancement porque o controle de corrente se obtém controlando a quantidade de portadores de carga para o canal. Cada fabricante de transístores fornece uma datasheet onde se podem encontrar os valores típicos (por exemplo) da tensão de limiar para um dado MOSFET. Por exemplo, olhando para a datasheet do MOSFET IRF620 (http://www.vishay.com/docs/91027/sihf620.pdf) temos a tabela tem uma tensão de limiar entre 2V e 4V(Gate-Source- Thereshold Voltage). A precisão não é grande coisa, pois não? Então, a electrónica não é uma ciência exacta? Claro que a coisa é um bocado mais complicada, e claro não esquecer os valores dados na datasheet dependem da temperatura (ver gráficos mais para a frente). Um dos conceitos importantes que vamos explorar nesta experiência é o de ganho de tensão e distorção. O ganho em tensão é determinado pela razão entre a tensão de saída e a tensão de entrada. A saber: Av= Vout/Vin Corresponde a um factor multiplicativo, a tensão de saída Vout é (deverá ser idealmente) proporcional à tensão de entrada Vi, como queremos construir um amplificador este factor multiplicativo deverá ser maior do que um e aproximadamente constante numa banda de frequências adequada (20Hz-20kHz para áudio). O outro conceito importante é o de distorção (que pode ser boa ou má, depende das aplicações). Deixo aqui a formula que permite o cálculo da distorção (segunda harmónica), fica para mais tarde a discussão de mais detalhes e de onde vem essa fórmula, D = abs((.5*(Imax+Imin) - IQ) / (Imax - Imin)) onde: Imin é a corrente mínima no drain, Imax é a corrente máxima no drain e IQ corrente no drain sem sinal de entrada, i.e. corrente em repouso (quiescente). Para se obter o valor da distorção em percentagem basta multiplicar por 100. A experiência que proponho é baseada no livro Design of VMOS – Circuits with Experiments adaptada para os componentes que tinha aqui em casa e que são possíveis de obter-se em qualquer loja de electrónica. Vamos então à experiência, um passo de cada vez. Passo 1 Montar o circuito de acordo com o esquema. É necessário montar o MOSFET num dissipador conveniente, a regra geral para se confirmar que a escolha do dissipador foi a correta é colocar e manter a mão sobre o dissipador durante uns 30s, a temperatura deve rondar 60 graus Celsius, a temperatura ideal do café para ser bebido (ver figura inicial). O transístor está polarizado, é o nome que se dá à configuração que permite a condução, de uma forma chamada de selfbias, i.e. usa-se uma resistência para acoplar o drain ao gate permitindo ter sempre as duas à mesma tensão (a elevada impedância de entrada do MOSFET garante que VD=VG). Passo 2 Deixar o gerador de sinais desligado e ligar a alimentação. Com o osciloscópio ligado ao drain do transístor medir a tensão, deve rondar os 15.2V (mais ou menos 1V). Se isso não acontecer desligar a fonte de alimentação e confirmar as ligações. Medir a tensão entre a gate e a source (perto de 4.5V). Passo 3 Depois de estar tudo a funcionar podemos ligar o gerador de sinais com um sinal com frequência de 1kHz e uma onda sinusoidal à entrada do amplificador. Ajustar a amplitude do sinal à entrada de modo que se obtenha os valores à saída dados pela tabela seguinte, calcular o valor do ganho em tensão. Vin(mV) Vout(V) Av 23.0 0.5 22 45.0 1.0 22 66.0 1.5 23 90.0 2.0 22 112.0 2.5 22 134 3.0 22 O circuito tem um ganho de 22. A impedância de entrada ronda os 100*22 || 1M=2.2kOhm e a impedância de saída 100Ohm. Passo 4 Agora desligar o gerador de sinais da entrada do amplificador. Medir a corrente em repouso e guardar o resultado. IQ = (19.6-4.4)/100 = 152mA O amplificador consome 152mA*19.6V=3W mesmo sem sinal à entrada. Passo 5 Voltar a ligar o gerador de sinais à entrada do amplificador e ajustar o valor da amplitude à saída de modo a obter-se 2V pp (peak-to-peak) com 1kHz. Medir a corrente no drain, ou a corrente de saída, que corresponde ao valor de Imax, registar esse valor. Imax = (19.6-4.4+1)/100=162mA Passo 6 Voltar a ligar a alimentação e o gerador de sinais e medir a corrente de saída nas mesma condições do Passo 5. Registar o valor pp da corrente(estou a usar duas resistências de 3.3Ohm em paralelo). Ipp = 80/1.65 = 48mA Passo 7 Para determinar Imin basta subtrair o valor determinado no Passo 7 pelo valor determinado no Passo 5: Imin = Imax - Ipp = 162-48= 114mA Passo 8 Usando a fórmula para a distorção calcular a percentagem de distorção deste amplificador e common-source (fonte-comum) a 1kHz. distorção = abs(((114+162)*.5-152)/48) = .29 Obtive uma distorção na ordem de 29%! Este tutorial baseou-se no estudo de uma das mais úteis configurações de funcionamento de transístor, uma configuração em fonte-comum. Este tipo de topologia é muito usada na construção de amplificadores de tensão e de corrente, é um building block que devemos reconhecer rapidamente quando estudamos circuitos mais complexos. Muitas alterações se podem fazer,repetindo todos os passos anteriores e de uma maneira exaustiva perceber como é que a polarização do transístor condiciona a distorção final do sinal amplificado (fixed bias, ou ainda colocando um resistência da gate ao ground). Outra aplicação deste circuito simples é como booster para um qualquer amplificador de guitarra (claro que precisa de um buffer, mas isso é o tema para o próximo tutorial). Boas construções! P.S. - Nenhum transístor ficou magoado durante a redação deste texto. Para quem quiser conhecer estes assuntos com mais profundidade, recomendo dois livros que serviram de fonte também para este artigo: Manuel de Medeiros Silva, Circuitos com Transístores Bipolares e MOS, Fundação Calouste Gulbenkian, 4ª ed. (2010) Robert T. Stone, Howard M. Berlin, Design of VMOS, Circuits with experiments, HowardW. Sams, Co., Inc., 1ª ed.(1980)
  3. Tutorial - MOSFET: numa configuração habitual Resumo: Neste tutorial vamos realizar uma experiência muito prática de modo a perceber como funciona um MOSFET numa configuração particular muito utilizada, em particular, nas montagens de tutoriais anteriores. ... Ver tutorial completo
  4. olá a todos! antes de perguntar o que vim perguntar vou explicar a situação: comprei finalmente e não à muito tempo um amp que me deixa extremamente contente com o seu tone, é pequeno e soa estupidamente bem a qualquer volume, não tem válvulas (logo não tem stresses de manutenção) e tem potência suficiente para o levar ao vivo. enfim, perfeito e não o podia recomendar mais (dv mark micro 50, com a respectiva coluna 1x12) para quem não conhece este amp basicamente tem 2 canais: clean e overdrive. o clean é a base do tone, e é extremamente competente, e se mudar para o canal overdrive fico com alguma distorção (basicamente e segundo a explicação deles, "no canal overdrive enfiaram um pedal de overdrive em cima do canal clean: aqui tens o canal overdrive". porquê que adoro o amp e a distorção? porque o clean é incrivel, e no canal ovderdrive há excelente separação de notas, imenso sustain e não tem aquele high end fizzy e estridente que eu tento fugir: a nota é sólida grave e tem a sua distorção mas soa como estivesse em clean.. faz sentido? a distorção é perfeita e é exactamente isso que eu queria. tira muito bem o som natural da guitarra mas isso também tem em conta os pickups que uso e já agora gosto imenso (chopper t na bridge e twang king no neck) só há um problema: o canal de overdrive não tem muito gain, e gostava de ter a mesma distorção, a mesma separação de notas tudo, mas com mais distorção, mais harmónicos, mais sustain mantendo a base de tone na mesma. a aplicação desta distorção é mais para solo (rock estilo andy timmons, richie kotzen) por isso não sei se procuro por um pedal de distorção (pôr no canal clean e usar o pedal como distorção base ignorando a do amp.. ou conjugar as 2 secalhar ia dar uma confusão de som ou imenso ruído de fundo, mas de qualquer modo vieram-me à cabeça o tech 21 OMG do richie kotzen e jhs at do andy timmons que soam fantasticos..), nem acho que compressão seja o que procure porque eu gosto da "sensibilidade" do amp a sentir o que toco (aliás até gostava de acentuar ainda mais isso), eu quero usar a distorção do amp, porque a adoro, só queria manter o seu "cleaness" e o som natural da guitarra que o amp tira tão bem, acentua-lá e dar-lhe um pouco mais (não muito também) de potência/boost. nem sonho que pedal comprar para este caso.. que pedais sugerem? fazia total questão que o pedal fosse true bypass.. (má experiência com pedais wah da dunlop..) um muito obrigado antecipado e desculpem se o post foi alongado x)
  5. Distorção

    É comum, no mundo "guitarrístico" falar-se muito em distorção (ou "destrução" como muita gente diz ). A distorção, que é um efeito indesejável no Hifi, tornou-se extremamente comum e apreciado pelos guitarristas, devido às suas características sonoras. A Distorção sonora é uma alteração à onda sonora que resulta do aumento do seu ganho. O ganho aumenta o nível do sinal e a partir de certa altura começa a "clippar", produzindo harmónicos e sobretons. O fenónemo de "clipping" acontece quando um amplificador não consegue produzir uma um sinal com uma voltagem superior à sua capacidade, e sendo assim o sinal fica "cortado" pela capacidade máxima: Imagem: Clipping a acontecer quando um sinal é "puxado" para lá da capacidade do amplificador. O sinal cinzento seria o sinal que se pretenderia obter, o sinal vermelho é o sinal real obtido uma vez que o amp. Note-se o clipping a acontecer nos +/- 40V. Vejamos o que um pedal de distorção faz na onda sonora: Confuso quando te falam de "overdrive", "crunch", distorção, "breakup" e coisas do género? Continua a ler, na secção seguinte falaremos de algumas categorias sonoras de distorção. Existem vários tipos de distorção de acordo com os efeitos que a amplificação provoca no sinal. Isto relaciona-se também com o tipo de clipping do sinal. O soft clipping arredonda o topo do sinal à medida que este vai chegando ao nível de clipping (não é um clipping drástico). Já o hard clipping o sinal é "cortado" de forma plana, sendo mais drástico: Imagem: Soft Clipping e Hard Clipping Compreendido o clipping, podemos agora entender melhor os vários tipos de distorção comummente falados: "Breakup - O nível mais pequeno de distorção. É quando o mais ligeiro clipping começa a acontecer. Aquela fronteira ténue entre o notar de alguma distorção. É quando o som limpo começa a ficar com algum "grão". Tipicamente, o breakup de amps a válvulas é mais agradável e aveludado uma vez que os amps solid-state (transistores) tendem a "clipar" de uma forma mais agressiva. Se procuras sons tipo "John Mayer", então deves procurar um amp com um bom breakup. Overdrive - Também apelidado de "crunch", é uma distorção leve. Nota-se bem o clipping, mas não há um esmagamento da onda sonora muito drástico. Distorção - Propriamente dita de "distorção": aquele grau no qual a distorção do sinal se nota muito. Música do rock ao metal fazem uso extensivo de distorção. A dinâmica é muito reduzida devido ao esmagamento do sinal após o nível de clipping. Fuzz - O nível mais extremo da distorção. O sinal é simplesmente esmagado após o clipping (hard clipping). No fundo, o sinal perde definição (soa parecido à diminuição drástica da profundidade de bits em sinais digitais - no fundo o efeito é bastante similar). Que exemplos de pedais para cada tipo de som? Continua connosco na próxima página! Com toda a panóplia de pedais de "distorção" no mercado, é complicado saber quais os mais adequados para o som que pretendemos. Nesta página apresentamos alguns pedais agrupados por forma a conseguires atingir um determinado tipo de som com um amp no canal limpo. Pedais para atingir o Breakup: Preço Pedais Até 50€ Behringer TO800 50 a 150€ Electro Harmonix Soul Food Mais que 150€ Xotic RC Booster Pedais para atingir o Overdrive: Preço Pedais Até 50€ 50 a 150€ Mais que 150€ Pedais para atingir a Distorção: Preço Pedais Até 50€ 50 a 150€ Boss DS-1 Distortion Mais que 150€ Pedais de Fuzz: Preço Pedais Até 50€ XVive V4 Fuzz Screamer 50 a 150€ Mais que 150€ Z.Vex Fuzz Factory
  6. Tutorial - Electra Distortion Resumo: Como primeiro projecto de utilização do suporte para a breadboard vamos construir um circuito básico de distorção com apenas um transístor: um Electra Distortion. Com 50 cêntimos em componentes, podes iniciar-te no mundo dos efeitos com este projecto e aprender a trabalhar com o software adequado! ... Ver este tutorial completo
  7. Electra Distortion

    Como primeiro projecto de utilização do suporte para a breadboard vamos construir um circuito básico de distorção com apenas um transístor: um Electra distortion. Há numerosos exemplos deste tipo de circuitos e mais umas quantas modificações que uma pesquisa na net revelará, no entanto, vou restringir-me à versão standard. Este é o primeiro projecto de utilização do suporte para a breadboard. O preço do material para este Electra distortion ronda os 0.5€ em componentes. O material pode ser facilmente adquirido em qualquer loja de electrónica. No entanto, se preferires mandar vir o material online a bom preço (e que te possa eventualmente servir para outros projectos), sugerimos os melhores sítios para comprar também. No entanto, ate´pode ser que consigas aproveitar alguns destes componentes em aparelhos electrónicos antigos! 2x Condensador 100 nF no ebay 1x Resistência 2.2 MOhm (1/4W) no ebay 1x Resistência 47 kOhm (1/4W) no ebay 1x Resistência 680 Ohm, no ebay 1x 2N4401, BC108, etc, transístor no ebay 1x 1N4004, (ou outro qualquer, 1N4118, ...) no ebay O esquema da distorção Electra corresponde a uma configuração em emissor comum com um par de díodos invertidos à saída. A figura seguinte mostra o screenshot do circuito implementado no software TINA-TI da Texas Instruments (http://www.ti.com/tool/tina-ti). O software TINA-TI é excelente para simular circuitos e estudar algumas configurações antes de as concretizar. A figura seguinte mostra a forma das tensões de entrada e saída. Note-se que a tensão produzida pelos pickups (single coil) de uma guitarra são da ordem de 0.1V (apenas uma corda, força normal) ou 0.5V para um acorde (ou bordões tocados com força). Claro que depende da localização dos pickups (neck, bridge) e até mesmo do fabricante. No entanto 100mV é um bom valor inicial para ser usado como amplitude do sinal para simulação de circuitos. Devido à baixa impedância de entrada deste pequeno circuito a resposta em frequência é dependente dos pickups usados na guitarra (aqui aplica-se os mesmos comentários que se lêem sobre o fuzz-face). O esquema anterior inclui os componentes para a simulação de um pickup de guitarra assim como os pots de volume e de tone. A figura seguinte mostra a forma das tensões de entrada e saída para 1kHz e 0.1V de amplitude. Um bonito sinal limitado por diodos. Soft ou hard cliping? Podemos obter a resposta em frequência usando o mesmo software. Não tomando em consideração as características dos pickups tem-se o gráfico seguinte para o ganho em função da frequência: Um perfil mais ou menos plano depois 100Hz (um filtro passa alto) Se incluir a simulação dos pickups vê-se claramente o que acontece quando o circuito sobrecarrega a saída da guitarra. Tem uma resposta em frequência na banda dos médios. O circuito completo “guitarra+Electra” tem uma resposta em frequência como um filtro passa banda. A montagem na breadboard é simples. São poucos componentes. Note-se o conector DIY para a bateria feito de uma bateria velha. Vê aqui como fazê-la. É uma boa prática tomar notas sobre o circuito, terminais do transístor, especificidades da montagem, etc. E depois de testar o circuito com o amplificador adicionar umas notas extra, como soa, como reage, como se comporta com diferentes guitarras, pedais, condições atmosféricas, etc. Fica mais ou menos assim, não é necessário estarmos preocupado com a beleza da montagem. Note-se que não tinha nenhum condensador de 100nF, os de 150nF servem perfeitamente! Nunca é demais relembrar que as montagens em breadboard são provisórias e desde que não haja nenhum curto-circuito todas as regras são válidas! É importante para estudo construção ter um osciloscópio e um gerador de sinais. Com o gerador de sinais podemos ver se as simulações que foram feitas têm alguma correspondência com o circuito montado e visualizar a resposta no osciloscópio. A concordância neste caso é razoável, com um sinal de 1kHz à entrada, o simulador parece dar mais ganho ao transístor do que aquele realmente tem, mas tudo ok. A variabilidade dos parâmetros dos transístores é normal (sim, podia escolher um com as propriedades pretendidas com algumas medições). A figura seguinte mostra o que acontece ao sinal de saída quando se aumenta a amplitude do sinal de entrada. O sinal é “clipado” de uma forma simétrica à saída pelos díodos passando, à medida que se aumenta a amplitude do sinal, de soft-clipping a hard-cliping. Depois o transístor começa a “fugir” do seu ponto de funcionamento inicial e dá-se o hard-clipping com uma estrutura assimétrica. O som produzido pela guitarra quando o sinal sofre este tipo de alterações é bem conhecido. O clipping simétrico possui componentes harmónicas em todas as frequências, incluindo a 3ª. Resultando num som mais áspero, cortante e até dissonante. Para amplitudes maiores o clipping torna-se assimétrico e introduz harmónicas pares (duplicação de frequência, uma oitava) suprimindo, em proporção, os harmónicos cuja frequência é tripla da fundamental, adicionando ao som uma estrutura “mais quente” e agradável. Esta descrição pode ser muito bem vista analisando a resposta em frequência do sinal de saída, i.e. estudando as suas componentes de Fourier (matemático francês do sec. XIX), olhando para as diferentes parcelas que compõem o sinal de saída da distorção. Para além do efeito da resposta em frequência se alterar devido à baixa impedância deste circuito relativamente à impedância dos pickups da guitarra, temos ainda o efeito da distorção. A figura seguinte mostra bem as contribuições extra de harmónicas que este pequeno circuito adiciona ao sinal. O sinal de entrada está a amarelo o de saída a azul, o sinal roxo, parte de baixo do ecrã dá-nos o peso que cada frequência tem na composição do sinal de saída. O primeiro pico corresponde à frequência do sinal original 1kHz, o segundo à segunda harmónica de 2kHz, uma oitava acima (ver o sinal de saída deformado na parte superior do ecrã). Os picos seguintes correspondem às harmónicas seguintes 3ª , 4ª, etc. É possível também usar a guitarra como fonte de sinal para depois visualizarmos a onda de saída no osciloscópio. O sinal a amarelo é obtido directamente do colector do transístor, o sinal azul aos terminais dos díodos. Note-se em primeiro lugar as diferentes escalas usadas para registo dos dois sinais, em segundo lugar que é fácil ver a compressão que corresponde ao achatamento da amplitude do sinal de saída: a distorção. Os 3 soundclips seguintes mostram bem como soa este pequeno circuito. Nada mal para 50 cêntimos em peças! Limpa bem reduzindo o volume da guitarra O circuito com apenas um transístor é um exemplo muito relevante em como circuitos simples resultam muito bem em conjugação com instrumentos electrónicos. O exemplo também mostra como devemos ser cépticos e interrogarmos-nos relativamente aquilo que os fabricantes de efeitos para guitarra nos vendem como sendo a última criação em termos artísticos ou de mojo. Se o DIY serve para alguma coisa para além do exercício puro de experimentação e aprendizagem é o de permitir desfazer preconceitos e falsas verdades que perpetuam a ignorância e um modo de fazer as coisas pouco claro. O que pode ser mais honesto e verdadeiro do que os resultados que se obtém com uma experiência realizada à nossa frente? Acabo com uma lista de referências do Jack Orman (http://www.muzique.com) com algumas modificações ao circuito: Tone Clippers: http://www.muzique.com/lab/tclip.htm AMZ Saturation Control – Setting Distortion and Harmonic Levels: http://www.muzique.com/lab/sat.htm More Saturation Controls – Expanding the Tone of Diode Clipping: http://www.muzique.com/lab/sat2.htm Producing Asymmetrical Clipping: http://www.muzique.com/lab/warp.htm Mosfets and ZenersMore Diode Clipping for Effects: http://www.muzique.com/lab/zenmos.htm Happy hacking!
  8. Mostrado na NAMM, chega agora às montras. Letras, knobs dourados e coisa e tal: E a bom preço: 60€.
  9. Comprar pedal de distorção

    Boas, Estou à procura de um pedal de distorção ou overdrive para baixo de 120€. Eu gosto bastante da distorção/drive do meu Marshall por isso estou mais inclinado para um overdrive. Queria uma coisa que me deixe um palm mute "tight" e mids porreiros para solos. Não quero nada do género do Metal Zone ou nada com gain extremo desse tipo. Tenho algumas coisas em vista: - Ibanez TS9 ou Ibanez JD9 Jet Driver - Boss MD-2 - Airis Savage Drive Aggressive - Blackstar LT Dual / Blackstar LT Drive / Blackstar LT Distortion Alguém tem experiência com algum destes pedais?
  10. DSM Noisemaker Drive Maker

    A DSM Noisemaker, sediada no Chile, lançou o Drive Maker, um pedal de distorção bastante diferente do que abunda no mercado. Num mercado onde abundam clones do Tube Screamer, Big Muff, Fuzz Face e Dist +, ou emulações digitais destes, a DSM Noisemaker quer criar um circuito novo que permita aos guitarristas encontrarem o seu próprio som. O Drive Maker O pedal, além dos controlos normais, tem também um FX loop, permite ser usado em guitarra ou baixo (tem um switch para isso), tem 3 modos de clipping, voice control, octaver, e um boost de 30 Db's, sendo um pedal muito completo e flexível. Diz o site da marca: (de: http://www.dsmnoisemaker.com/drive-maker) O pedal é flexível QB, e permite alimentação de 18v para maior headroom: O preço para a Europa fica em 289 dólares (já inclui 50 dólares de envio), e se adicionarmos 23% de taxa alfandegária, não fica barato. Mas é um grande pedal! Pessoalmente, já há muito que não via um pedal de distorção que me interessasse tanto como este.
  11. Boas músicos! Venho recomendar-vos este pedal que acabei de adquirir. É o Rage Machine da Mooer, como diz no título. É um pedal de distorção com bastante gain, ou mesmo usando pouco gain ele soa lindamente para rock. Tem uma "distorção limpa", pouco ruído, som tight mesmo como eu gosto... Se puxarem pelo gain. não soa a nada perto do Metal Zone. O pedal é bem pequeno e superou a minha expectativa a 200%. Fiquei tão contente com aquele pequenote que tinha que escrever alguma coisa sobre ele para vocêzes. Ao pessoal que queira um bom pedal de distorção para Metal / Hard Rock, sugiro que dêm uma olhada neste, ele soa ainda melhor do que nas reviews que andam pela net. Um dia destes gravo qualquer coisa com ele e posto aqui. 74€ na Thomann, o que eu acho barato para o bichinho que é, daí o "not too much pain"
  12. O Misha Mansoor criou uma empresa que faz pedais. E o primeiro produto a saír do forno é o Precision Drive. Segundo o próprio, não é um reíssue, uma cópia, ou algo que teve por base um circuito conhecido. Pelo contrário, é todo ele construído do zero, para o guitarrista moderno. O pedal inclui noisegate, funciona bem com amps high-gain, e é produzido pela Mxr. E mais não é conhecido, o melhor é mesmo ouvir: Quanto ao preço: 199 dólares americanos.
  13. A Positive Grid, empresa sobejamente conhecida pelos seus soft amps e plugins para computadores, lançou o Kemper dos pedais de distorção. O BIAS Distortion é um pedal de drive que permite várias coisas: 1) Desenhar o teu próprio peda de distorção (via APP) 2) Fazer o "profiling", "tone match" (se bem que o profiling é, em teoria algo bastante mais aprofundado e até patenteado) ou para se perceber melhor, roubar a alma aos pedais de distorção. Em termos simples o que o pedal faz é comparar os perfis de sinal e resposta de um pedal de distorção e executa por regressão os ajustes necessários para atingir o som do tal pedal. E isto resulta com qualquer pedal que amplifique o sinal: pedais de distorção, overdrive, fuzz, boost, nenhum escapa às possibilidades do BIAS Distortion. Os controlos incluem um selector de presets, uma tonestack de 3 bandas (low, mid, high) controlos de ganho, blend e baster, boost, e também "bright switch". Com quatro footswitches podem escolher-se 3 presets e o quarto footswitch fica para o boost (sempre jeitoso para solos). Interessante é o facto de o pedal ter entrada USB, MIDI In/Out e Bluetooth 4.0 (BLE - baixo consumo). Ainda não há preços, e ainda não há pré-reserva: apenas pré-pré-reserva ou seja "informem-me quando houver mais novidades". Entretanto este tópico cá estará para dar conta delas .
  14. Wampler Pinnacle Deluxe V2

    A versão 2 do Wampler Pinnacle Deluxe está acabou de saír. A receita deste novo pedal foi: Pegar no original Manter o que é bom Adicionar opções para o tornar mais versátil. O V2 traz uma nova equalização de 3 bandas, dois novos switches, um boost pre-gain (que pode ser usado acom o pedal em bypass) e a novidade: um switch "sag" do lado esquerdo. O pedal promete cobrir todos os territórios, desde o overdrive até ao metal. É true bypass e custa quase 240 dólares nos Estados Unidos.