Procura na Comunidade

Resultados de tags 'guitarra '.



Mais opções de procura

  • Procurar por Tags

    (Opcional) As tags ajudam a encontrar este conteúdo. Escrever tags separadas por vírgulas.
  • Procurar por Autor

Tipo de Conteúdo


Comunidade

  • Geral
    • Discussão Geral E Cultura
    • Divulgação
    • Apresentações
    • O Cantinho da Thomann
  • Divulgação
  • Teoria Musical
    • Teoria e Composição Musical
  • Guitarra
    • Guitarra
    • Amplificação
    • Pedais e Efeitos
    • Instrução e Técnica
  • Baixo, Bateria, Teclas, Voz e Outros Instumentos
    • Baixo
    • Voz
    • Bateria e Percussão
    • Teclas - Pianos, Arranjadores e Sintetizadores
    • Outros Instrumentos
  • Faça Você Mesmo (DIY)
    • Projetos de DIY
  • Som
    • Estúdio
    • Ao Vivo e em Palco
    • Vintage e HiFi
  • Novidades e Ajuda
    • Novidades e Regras da Comunidade
    • O Forumusica: ajuda e opiniões
  • Banda Exemplo's Tópicos
  • MÚSICOS EM LISBOA's Tópicos
  • Músicos em Braga e arredores's Tópicos

Categorias

  • Busca Músicos

Categorias

  • Guitarras
  • Baixos
  • Peças Guitarra e Baixo
  • Bateria e Percussão
  • Pianos e Teclados
  • Amplificadores de Instrumentos
  • Pedais e Efeitos
  • Coisas para DIY
  • Áudio Profissional
  • Outros Acessórios
  • Outros Instrumentos
  • Livros e Revistas
  • Álbuns e Bilhetes

Categorias

  • Técnicos e Luthiers
  • Lojas
  • Formação e Ensino
  • Estúdios
  • Salas de Ensaio
  • Aluguer de Som e Luz
  • Fotografia e Imagem
  • Produtoras e Editoras
  • Importadores
  • Fabricantes
  • Desenvolvedores de Software Musical
  • Bares e Sítios para Tocar
  • Outros Serviços para Músicos

Categorias

  • Dicionário

Categorias

  • Guitarra
  • Baixo
  • Efeitos
  • DIY
  • Gravação e Som

Categorias

  • Música e Cultura
  • Teoria Musical
  • Guitarra
  • Electrónica Musical
  • DIY
  • Baixo
  • Teclas
  • Gravação e som

Calendars

  • Concertos
  • Workshops
  • Banda Exemplo's Calendário
  • MÚSICOS EM LISBOA's Eventos
  • Músicos em Braga e arredores's Eventos

Categorias

  • Testes de Cultura Musical
  • Testes de Teoria Musical
  • Testes de Gravação e Estúdio

Estilos Musicais

  • Ideias (Permite Download)
  • Alternativo
  • Baile
  • Blues
  • Country
  • Folk
  • Fusão
  • Jazz
  • Metal
  • Clássica
  • Pop
  • Reggae
  • Religiosa
  • Rock
  • Techno
  • Outro
  • Banda Exemplo's Player
  • MÚSICOS EM LISBOA's Player

Blogs

Não há resultados a mostrar.

Não há resultados a mostrar.


Tipo de Membro


Está online?


Com Foto?


Número de posts

Entre e

Idade

Entre e

Último post

Entre e

Telemóvel


Cidade

Encontrado: 38 resultados

  1. Ângulo do braço de uma guitarra

    Um assunto que ainda não vi (pelo menos nos últimos tempos) debatido no fórum. Existem muitos links sobre o assunto. Escolhi este por exemplo: http://www.buildyourguitar.com/resources/tips/aangle.htm Numa primeira análise, um ângulo que obrigue a levantar os saddles, coloca o "braço para trás". Ou seja, a zona da pestana do braço fica mais junto ao nosso corpo. A figura a seguir (vista do alto) procura exemplificar 3 possíveis situações e implicações na maneira de tocar(?) Alguém tem experiências a contar sobre este assunto? Vantagens e ou desvantagens?
  2. tocar com ou sem auxilio

    Boas. Sou guitarrista e vou começar este ano a tocar numa banda de baile profissional. Quando tinha um dupla estava habituado a tocar com estante e portfólio mas agora que estou em algo mais profissional isto não fica tão bem. Conheço pessoas que usam tablets com as letras e os acordes, e outras que usam dossiers A3 deitados no chão com os acordes das musicas para se orientarem em palco. Gostaria de saber as vossas recomendações e se têm alternativas. Muito obrigado e um resto de uma boa noite.
  3. Tabs de guitarra

    Boa tarde pessoal! Antes de mais peço desculpa estar a criar um novo tópico mas não encontrei nenhum adequado... :/ Queria pedir uma ajudinha Eu gostava imenso de tocar a “Chaga” dos Ornatos Violeta mas infelizmente não aparece grande coisa na net de tabs pra música e eu não tenho talento o suficiente pra conseguir aprender tudo de ouvido. Eu já sei algumas partes mas gostava de conseguir apanhar a música na totalidade! Obrigado e cumprimentos pessoal \m/
  4. Excelente tópico, master tmö! Era boa ideia porem isto como topico fixo. master tmö para presidente!!! :)
  5. Guitarra Flamenco

    Malta procuro guitarra para Flamenco . Nova posso ir ate ao preço das APC 9F tipo 374 euros (promo) Usada tambem ou perto... Nao descarto uma classica com boa sonoridade e material que tenha um som ou que de para upgrade/modificar algumas specs para flamenco. Sugestoes?
  6. Set up guitarra Minho/Porto

    Boas, Que sítios recomendam para fazer um set up a uma stratocaster na zona do minho/porto, preferencialmente o mais próximo de Braga possível? Sei que isto já foi perguntado várias vezes aqui mas parece que os sítios não param de fechar ou simplesmente nao encontro informação em lado nenhum. *Se desse para ver o set up a ser feito ou pelo menos não ter que deixar lá a guitarra uma semana, era ideal. Obrigado
  7. Ajuda na escolha

    Olá, eu estou em dúvida entre duas guitarras e gostaria da opinião de alguém. Eu toco baixo e gostaria de aprender a tocar guitarra também, mas estou na dúvida entre a Epiphone SG G-400 PRO CH e a Epiphone Les Paul Standard Plus Pro HB ( Aceito recomendações de outras guitarras nessa faixa de preço ). Quem puder me ajudar eu agradeço imensamente.
  8. BANDA DE TRIBUTO AOS MUSE

    BANDA DE TRIBUTO AOS MUSE Muito resumidamente. Estou à procura de elementos que possam integrar de uma banda de tributo aos Muse. E o que é preciso? O essencial! A vontade de integrar este projeto que promete ser grande; Ser fã dos Muse (isso é óbvio); Ser de Lisboa ou perto de; Ter qualidade. Elementos que procuro: • Vocalista; • Baixista; • Baterista; • Pianista/Synths. Guitarrista já temos. Há por aí, em Portugal, bandas de tributo aos Muse, mas esta pretende dar o tributo que os Muse merecem! Talvez, um dia, ao estilo de Brit Floyd (banda de tributo aos Pink Floyd)
  9. Boas, Toco guitarra clássica à bastante tempo e guitarra elétrica todo à poucos anos. Estava a pensar comprar uma guitarra elétrica no valor máximo de 450 euros. Recomendam alguma em especial? Obrigado
  10. Investimento

    Viva! Estou com uma grande duvida sobre como começar a investir. Falaram-me muito bem sobre a Fractal Audio e sobre a Kemper, ambos sao um pouco caros e queria começar a investir em algo muito bom. Qual e a vossa opiniao sobre isso? Tem algum dos dois (ou ate mesmo os dois)? O que sugerem? Obrigado e saudaçoes musicais!
  11. Amplificação para guitarra clássica

    Olá a todos! Tenho andado um pouco afastado do fórum por falta de tempo... Mas a música segue! Preciso da vossa opinião acerca de um assunto: Tenho um projeto com uma cantora na onda da bossa nova, alguns jazzes e acústicos. Costumo tocar nos concertos com uma guitarra clássica de um construtor espanhol. Tenho captado o som com um microfone mas, às vezes, sinto alguma dificuldade a conseguir um som decente e um volume aceitável sem risco de feedback. Dada a guitarra que é, não quero fazer-lhe buracos nem colar-lhe aqueles pickups tipo "pastilha". Preciso de uma solução que não me prejudique a guitarra furando-a ou riscando-a. O que me aconselham? Têm alguma sugestão? Ou o melhor é mesmo investir num micro bom? Obrigado!
  12. Guitarra Clássica Reparação

    Desculpem a qualidade das imagens. Estou a enfrentar uma lesão no ombro do braço do picking e, até ver, tive de regressar à guitarra clássica. Por circunstâncias diversas lá tive de ir buscar a guitarra que já tenho à volta de 35 anos. Não é uma guitarra de marca conhecida (Segovia modelo SC-71). Quando a larguei há algum tempo já tinha uma deformação em que as cordas estavam demasiadamente afastadas da escala. Na Net, reparei que havia uma promoção de guitarras de uma marca conceituada num conceituado espaço comercial e pensei que, por cerca de 100 euros, valeria o sacrifício financeiro na condição que ficaria com uma guitarra aceitável. Quando fui ver as guitarras fiquei chocado. O afastamento das cordas à escala era abismal. Ainda tiveram a lata de dizer que “... eram boas para principiantes”. Não vou entrar em pormenores sobre a conversa que tive... como se os principiantes não fossem pessoas... qualquer porcaria serve???? Bem o que fica é que como é possível marca e loja terem este material à venda(?)!!! Existe uma versão em pack. Imaginem comprar uma guitarra dentro de uma caixa e a surpresa que teriam quando a abrissem. Andei pela net e encontrei este vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=K1H4xy52RuM Agarrei na velhinha guitarra e fiz o mesmo. Como já tinha visto noutro vídeo, utilizei cola e parafuso para forçar a junção. Como esta guitarra tem truss rod não pude serrar até à escala e por outro lado, a resistência para juntar a parte serrada é superior. Neste momento está a secar a cola, mas é visível que as cordas estão juntas ao braço. Daqui por 3 ou 4 dias terei resultados (depois tratarei da estética).
  13. Qual é a vossa rotina de prática de guitarra?

    Boas guitarristas, gostaria que partilhassem um pouco da vossa rotina de prática de guitarra, quanto tempo praticam, o que praticam, que exercícios praticam, etc. de forma a aprender um pouco com cada um de vós e melhorar a minha rotina ou a rotina de alguém que leia este tópico!
  14. Eduardo Branco, Novo Single e EP

    Boas Apresento-vos o primeiro single - "Escuro" - do meu mais recente EP "Ilusão"! Dêem um olhadela e digam o que acham! E se puderem partilhem e deixem o vosso gosto! Felicidades em todos os vossos projetos!
  15. Antes de mudar de cordas na guitarra

    Antes de mudar as cordas de aço na guitarra se tiver paciência pode dar uma utilidade final às mesmas. Com o tempo os trastes vão perdendo a curvatura e ficam aplanados. Se não é necessário um nivelamento siga o conselho do desenho (feito de modo arcaico) e melhorará a suavidade dos trastes. Atenção: só funciona com as cordas sem enrolamento. Os bends devem-se rápido até se sentir que a corda está em fricção plena com os dois trastes. Deve-se parar imediatamente antes que a corda parta por fricção (que só poderá contar com o seu instinto). Requer paciência mas vale a pena.
  16. Noob

    Ola Chamo-me Ricardo, tenho 31 anos. Toco Saxofone alto há 23 anos. Neste momento tenho um projecto em maos, cujas influencias passam por Franz Ferdinand ,Foo Fighters, entre outros e gostaria imenso que alguém me ajudasse e pudesse dispensar um pouco do seu valioso tempo para me ensinar a tocar guitarra.Aprendo rápido, já tenho formação musical mas nada melhor que alguém experiente que me possa guiar. Desde já muito obrigado pela atenção prestada. E se alguém me puder ajudar, um grande bem haja.
  17. metodo de guitarra portuguesa

    Boas, estou agora a iniciar guitarra portuguesa de coimbra, gostaria de saber se este metodo, devido ao seu alto preço, vale ou nao a pena comprar, já tenndo pratica com outros instrumentos de cordas. metodo: MÉTODO DE GUITARRA PORTUGUESA de José Santos Paulo (Edição Comemorativa dos 115 Anos da Tuna Académica da Universidade de Coimbra)
  18. Pintura de guitarra

    Boas ! Gostaria de saber que serviços de pintura de instrumentos de cordas há disponíveis em Lisboa/arredores. Obrigado !
  19. Que coisa mai liiiinda

    Hoje lembrei-me desta. Já temos as esquisitas, faltava as lindas.
  20. Pessoal, o o que acham das fanned frets? Tenho curiosidade em experimentar, mas não sei se me iria ambientar facilmente, e sinceramente, não sei muito bem o objectivo dos "frets fanados". Vamos então ver: Porque é que hei-de comprar uma fanned fret vs guitarra normal? É boa para afinações mais baixas? Tipo afinar em B standard? A ambientação à escala "fanada" é fácil? Segui a sugestão do @pgranadas a ver se me vem o GAS, infelizmente só vem quando um gajo não tem guito para torrar nisto... (também não é que seja muito , mas bom... adiante), e dei de caras com esta guitarra: O look é brutal, muito parecido com o da Ibanez RGA42 FM que eu gosto. Mas tem fanned frets.... https://www.thomann.de/pt/harley_benton_fanfret_fbb_2018_dlx.htm Btw: qual seria a tradução exacta de "fanned" para português neste caso?
  21. Boa tarde. Acabei de mudar um braço numa guitarra, tendo alterado a escala de 24,75" para 25,5". Entretanto também mudei os magnetos dos humbuckers (mudança de timbre) bem como modifiquei a bridge (as cordas agora passam pelo corpo da guitarra). Será que é aceitável, do ponto de vista do fabricante, que no braço seja escrito a marca e o modelo original da guitarra?
  22. Como escolher o melhor cabo de guitarra?

    Escolher o melhor cabo não é tarefa simples. Algumas marcas promovem os seus cabos banhados a ouro como o holy grail do "tone", outras dizem que usam materiais XPTO e que isso garante o melhor tone. É fácil ficar confuso! Para comprar o melhor cabo, é melhor compreendê-los melhor, para que possas comprar o melhor cabo ao menor custo possível. Vamos, nas próximas páginas deste tutorial, compreender melhor as características do som e sinal de guitarra, dos cabos e no final concluiremos quais as características desejáveis para um cabo de guitarra. No final recomendamos também alguns cabos (acabados ou em bruto) para quem quer fazer as melhores opções. No geral, as guitarras produzem um sinal com uma corrente eléctrica cerca de alguns miliAmperes (ou seja, uma quantidade bastante pequena) a alguns miliVolts (idem). Pela lei de Ohm, isto significa que a potência de um sinal de guitarra é muito baixo (na ordem dos miliWatts). Uma vez que o sinal não é forte, alterações relativamente pequenas às suas características terão necessariamente consequências sonoras. Interessa pois, nesta vertente, que o cabo a comprar preserve ao máximo as características do sinal original, que seja robusto contra influências externas (ex: ruído causado por fontes electromagnéticas). O som de uma guitarra tem estende-se (para a afinação standard) entre os 80 Hz e os 660 Hz, no entanto, com os harmónicos e sobretons a gama completa ronda entre os 50 Hz e os 5000 Hz. Alterações à estrutura do sinal afectarão necessariamente as frequências (quais delas, iremos ver na página seguinte) e consequentemente, o som produzido. Daí que os cabos adequados (não necessariamente caros) tenham muita influência no que ouvimos no som final. Um cabo de guitarra é um condutor, que conduz corrente eléctrica produzida pelos pickups da guitarra. Normalmente a esse condutor associam-se outras partes, como por exemplo um material isolante, isolamento contra interferências electroestáticas e ruído de manuseamento (há cabos que só de mexeres neles, fazem ruído - agora já sabes o motivo!), etc: Estrutura típica de um cabo de guitarra (fonte: procosound) Para ser compatível com o standard de 1/4 polegadas, um cabo não pode ser mais grosso que 6,7mm, caso contrário vai exigir fichas maiores. Na verdade o condutor central é bastante mais fino, uma vez que a corrente que passa também é pequena. Na próxima página vamos falar sobre o condutor central, eventualmente a parte mais importante do cabo. O condutor central, sendo responsável pela condução da corrente eléctrica, é o componente mais importante do cabo, e deve ser do material o mais condutor possível. O condutor central tem várias características, desde o material de que é feito (normalmente, de cobre), até à sua organização (entrançamento, número de fios que o compõem, etc). Entrançado é melhor e é uma necessidade. Um condutor entrançado é composto por vários pequenos fios individuais de cobre entrançados entre si de forma a fazer um condutor mais largo. Os cabos que têm apenas um fio (unifilares) são os mais baratos e fáceis de trabalhar. O problema é que rapidamente cedem à fadiga e partem quando dobrados algumas vezes. Quanto mais o número individual de fios entrançado, melhor. Normalmente os cabos com maior número de fios entrançados são mais caros devido às máquinas de maior precisão utilizadas na sua construção necessárias a entrançar os fios sem os partir. Portanto, se queres que os teus cabos durem muito, escolhe cabos com o condutor central composto pelo maior número possível de fios entrançados: vai ser mais robusto à flexão e ter uma longa vida! Grossura do Condutor Central e Calibre (Gauge) O calibre do condutor central de cobre é dada em AWGs (American Wire Gauge). Quanto maior o valor, mais fino é o cabo (menor diâmetro). Por exemplo um condutor de 20 AWG é mais fino que um condutor de 18 AWG. Normalmente os condutores de cabos de guitarra estão entre os 18 AWG e os 24 AWG, com tranças de 32 a 36 AWG. No entanto, há alguns fabricantes japoneses (Canare e Mogami) que conseguem entrançar fios muito finos de cobre (40 AWG) - e portanto conseguem fazer excelentes cabos no que à duração diz respeito. Quanto mais tranças feitas de fios mais finos o condutor central tiver, mais robusto e fiável será. Basta dizer que a causa mais comum de avaria dos cabos de guitarra está relacionada com a quebra do condutor central. Pontos de quebra consoante o calibre do condutor central (idem) Os cabos mais comuns têm o condutor central de 20 AWG, formado por 26 tranças de condutores de 34 AWG. Material do Condutor Central Às vezes os condutores centrais de cobre são banhados em estanho. Isto permite uma fácil soldadura dos conectores e previne o aparecimento de óxidos de cobre (ou seja, "ferrugem do cobre") na superfície do condutor, o que permite uma maior longevidade do cabo. No entanto um fenómeno eléctrico chamado "efeito pelicular" pode fazer com que condutores estanhados diminuam as altas frequências. De qualquer maneira, o envelhecimento do condutor central pelo aparecimento de óxidos de cobre acaba por ter o mesmo efeito... pelo que o uso de condutores de cobre estanhado (tinned copper) não é muito relevante e torna os cabos mais caros. Depois, há fabricantes que usam condutores centrais de cobre livre de oxigénio (oxygen free / linear-crystal). Estes condutores têm um menor grau de impurezas e em teoria evitam que essas impurezas distorçam o sinal nalguns detalhes. Em termos científicos é difícil provar esta afirmação, embora algunsdigam que ouvem alguma diferença... O isolamento do condutor central pode ser feito de um material termofixo (borracha, o neopreno, hypalon, etc) ou termoplásticos (polietileno, polypropileno, PVC, etc). Os isoladores termofixos são aplicados através de um processo de extrusão e temperamento e vulcanização, que os torna robustos a altas temperaturas. Mas este processo é mais caro. Os isoladores termoplásticos são mais baratos mas fundem-se rapidamente com a temperatura (por isso que na soldadura às vezes derretem!). Ultimamente, devido aos custos mais baixos, é comum utilizar isolamento com material termoplástico. O isolamento e a sua espessura afecta a maleabilidade do cabo: um isolamento mais fino permite que o cabo seja mais maleável. O politetileno é muito económico e em termos dielectricos é difícil de arranjar melhor - o teflon é ligeiramente melhor mas muito caro e tem menor flexibilidade. O único problema é o ponto de fusão, que é bastante baixo. Escudo Electrostático Quado o cabo é torcido, o isolador de cobre roça no isolador (ver primeira figura), gerando electricidade estática. O escudo electroestático actua como uma barreira entre o isolador do condutor central e o escudo de cobre. Sem ele, qualquer movimento produz ruídos "cracks", como acontece naqueles cabos finos, baratos e maus que vêm com os packs de guitarra. Em cabos coaxiais este escudo age como condutor de retorno para a corrente e evita interferências no condutor central ("hot"). Os materiais usados em isolamento e a sua constante dieléctrica. (idem) Isolamento exterior O isolamento exterior (Outer jacket) age como uma protecção geral e como meio de marketing e identificação exterior do cabo. Os materiais usados são os mesmos que os usados no isolamento do condutor central, mas aqui o ênfase é dado à estética, flexibilidade e durabilidade física e não aos critérios eléctricos. Normalmente o PVC é uma boa escolha em termos de fiabilidade. A capacitância é uma das características mais importantes de um cabo de guitarra. Basicamente, a capacitância é a capacidade de armazenar uma carga eléctrica e mede-se em pF (picoFarads) por unidade de comprimento (metro ou pé). Valores menores, indicam menor capacitância, logo menor capacidade de armazenar uma carga eléctrica. Cabos com capacitâncias maiores funcionam como um condensador maior, ou seja, armazenam mais carga eléctrica. Isto traz grandes desvantagens para o "som": a perda das altas frequências, e o som sai mais abafado - como se utilizássemos o controlo de "tone" para cortar nas altas frequências. Daqui resultam algumas consequências práticas: Cabos maiores, têm uma maior capacitância, logo tendem a abafar o som Um cabo com metade da capacitância pode ser duas vezes maior Quanto menor for a capacitância total, melhor - isto para quem quer ter um bom som de guitarra! Valores de capacitância abaixo dos 90 pF/m são considerados excelentes para um cabo de guitarra. As fichas e os conectores perfazem, em termos de comprimento, uma (muito) pequena porção do cabo. O que significa que a capacitância aqui não é relevante. E sendo exteriormente em metal, a interferência não é algo que seja muito preocupante, uma vez que esse metal exterior guarda o condutor central. Sendo assim, o que é importante nos conectores? Os conectores são a parte do cabo que mais stress físico tem que aguentar, principalmente aqueles que são ligados e desligados frequentemente. Suportam fricções, tensões dos cabos, e portanto a sua função é muito mais mecânica do que eléctrica. Sendo assim, os principais objectivos de um conector são: Proporcionar uma ligação estável e robusta, resistente a forças mecânicas Resistir ao stress da utilização Evitar ground loops, ou seja, curto circuitos causados pela transmissão de corrente entre os grounds, seja por contacto com outros conectores que estão perto, contacto com outros pedais, etc. Isto implica necessariamente que muito do marketing que as marcas de cabos fazem é ridículo, e serve para enganar o povo. Conectores banhados a ouro "porque transmitem melhor", ou de materiais exóticos... são puro marketing enganador, destinado a que as pessoas pensem que de facto devem dispender mais dinheiro desnecessariamente. O comprimento dos conectores é tão pequeno que isso é completamente insignificante. Além disso, diferentes metais em contacto têm tendência a transferir electrões entre si o que pode fazer com que um deles (ou os dois) envelheçam mais rapidamente. O que interessa, isso sim, é que os conectores tenham o tamanho certo (1/4 polegadas - 6.35mm), sejam de metal mas tenham isolamento interno para evitar ground loops, sejam fáceis de manusear e soldar (para quem quer fazer os seus próprios cabos), os conectores, tenham contactos internos robustos, e de preferência que segurem bem o cabo o mais possível (para evitar que se parta quando o cabo é puxado) e acompanhe o cabo o mais possível para evitar torções grandes à saída do conector. Que tipos de conectores? Há vários tipos de conectores de guitarra. Há os conectores direitos (os mais comuns), há os conectores em L (o cabo faz um ângulo de 90º com o conector) e os conectores tipo "panqueca", que são conectores em L mas mais "magros e espalmados" (úteis para ligações entre pedais, pois permitem poupar espaço, mas tendem a ser menos robustos e mais dados a ground loops se não forem de qualidade). Cabos com conectores em L tipo Panqueca, neste caso adequados para ligações em pedalboards Quais os mais adequados? O melhor conector a utilizar depende, claro está, do uso que se lhe quer dar. Conectar pedais lado a lado com conectores direitos não é prático, ocupa muito espaço e stressa mais os cabos devido à torção, além de requerer maiores comprimentos de cabo (que como já vimos, vai aumentar a capacitância total e "abafar" o som). Portanto, para conectar pedais lado a lado, o ideal são conectores em L (normais ou panqueca, consoante o espaço e a robustez pretendida). Da mesma forma, ligar guitarras não é prático com conectores em L, sendo mesmo mecanicamente impossível em alguns casos. Os conectores recomendados para ligar guitarras são os conectores direitos. Agora que conhecemos melhor as características dos cabos de guitarra e o que precisamos, podemos enumerar um conjunto de características desejáveis, no sentido de termos um cabo durável, fiável e que transporte o som da nossa guitarra da forma mais fiel possível. Como características desejáveis para cabos de guitarra, temos: Condutor central: quanto menor AWG, melhor. De preferência com calibre menor ou igual a 20 AWG, formado pelo maior número de tranças (pelo menos 36) o mais finas possível. Isolamentos: o mais possível para evitar ruídos, mas sem comprometer a flexibilidade do cabo. Deve ter isolador do condutor central, escudo electroestático. O condutor de retorno (que também serve como protector de interferências) deve ser feito de uma malha de fios finos e assegurar a melhor cobertura possível para uma melhor protecção electromagnética do condutor interior. O material externo (tipicamente em PVC) deve ser ao mesmo tempo o mais grosso possível desde que não comprometa a flexibilidade do cabo. Capacitância: abaixo de 90 pF por metro (cerca de 28 pF por pé (foot), em medida americana) Conectores: robustos, de preferência em metal, com isolamento plástico interno para evitar ground loops e com uma extremidade na direcção do cabo flexível que acompanhe a torção do cabo. Um dos objectivos deste tutorial é, compreendendo as características de um cabo de guitarra e a sua utilização, ajudar-nos a escolher os melhores cabos, desmascarando o marketing enganador que pulula no mercado e com isso tenta justificar preços absurdos para cabos mediocres ou que, pelo menos, estão longe de ser a melhor opção. A minha pesquisa na net não demorou muito até encontrar um exemplo típico de um marketing de cabo de guitarra cheio de meias verdades, de uma das marcas que provavelmente mais cabos vende no mercado: (Fonte: http://www.guitarsite.com) Vamos então ao fact check: Low 28 pF/ft capacitance: the "sweet spot" for superior tone - Mentira. Traduzindo essa capacitância para pF/m dá sensivelmente 91,8 pF/m. Não sendo uma capacitância grande, também não é das menores e portanto é possível ter cabos melhores. Acima de 90 pF/m não é "sweet spot" de tone nenhum. Puro marketing enganador. GeoTip Connection - Parcialmente verdade. O design "a caminho de ser" patenteado desta ponta pode segurar melhor o cabo, e é verdade e é bom. Mas o facto de ser gold plated não tem motivo de ser, como já vimos. Por ser banhado a ouro, não é melhor em termos práticos. In-line Solder joint - Parcialmente verdade. Pode assegurar uma robusta conexão, mas não há várias formas de o conseguir. É um exagero, uma hipérbole típica do marketing. 100% shield coverage with 95% tinned copper braid and conductive PVC under jacket - Verdade. Como já vimos, todos estes componentes são necessários para um bom isolamento e é possível até ver a malha de cobre estanhado que serve de protector de interferência electromagnética, e o isolador negro abaixo dele. No tocante à protecção contra ruídos, este será, sem dúvida, um bom cabo. 22 AWG Oxygen-Free copper center provides enhanced signal transfer - Mentira. Já vimos que os melhores condutores centrais têm 18 AWG de calibre. Portanto este cabo não está ao nível dos melhores no que diz respeito à transmissão do sinal, à robustez do condutor central e aqui nada é dito sobre o número de fios entrançados que o compõe. Pessoalmente, desconfio muito que não seja nada de especial quando os fabricantes não referem isso. Flexible cable construction - Parcialmente verdade. É possível ver que o PVC exterior não é muito grosso e isso confere maior flexibilidade. No entanto se fosse mais grosso protegeria mais o cabo contra impactos físicos. No fim de contas, o cabo que acabámos de ver, é um cabo perfeitamente normal. Não é excelente, e não tem motivo para ser caro, porque não tem mesmo nada de especial, apesar de todo o marketing da marca. Pessoalmente, eu não compraria este cabo, principalmente devido aos pontos "mentirosos". Porque esses dois pontos dizem respeito a características que são muito importantes: capacitância e condutor central e este cabo está bastante abaixo do que melhor se faz. Primeira coisa a dizer: desconfiem sempre quando os fabricantes omitem algumas (ou todas) as características do cabo. Um fabricante sério não tem nada a esconder e publicará os dados todos. Um fabricante sério indicará pelo menos a capacitância, a o calibre (AWG) e a constituição (pares de tranças e AWG de cada trança). Sem isso não é possível avaliar a qualidade do cabo. Por exemplo, um dos fabricantes mais "badalados", a Monster, exige 80 dólares (caríssimo!) por um cabo do qual objectivamente apenas refere que o conector é banhado a ouro, que é durável, que é trançado, tem um isolante de cobre XPTO e que tem uma tecnologia XPTO para maior claridade e presença. Isto, com todo o respeito pela marca, é gozar com o cliente. Já outras marcas menos conhecidas, como a Sommer e a Cordial, publicam todos os detalhes dos cabos que vendem. E têm excelentes preços. Na minha opinião pessoal, as melhores marcas de cabos pela sua seriedade, qualidade e preço. Por exemplo, para quem gosta de fazer os seus próprios cabos a marca vende é o cabo Spirit XXL e indica ao detalhe todas as características (separador "specifications"). Sabemos: Que condutor central tem um calibre de 18 AWG com 42 tranças de 0.15mm (do melhor que se faz) O material de que é feito Que a capacitância é de 86 pF/m (muito perto do melhor que se faz A constituição e todos os isolamentos E o melhor de tudo: conseguimos encontrá-lo nas lojas abaixo de 3€ por metro. Excelente, não é? como vemos não é preciso gastar muito dinheiro para termos cabos de qualidade que nos garantam um som impecável. Vamos então às recomendações propriamente ditas para cabos finalizados e para quem quer construir os seus próprios cabos. Excluímos destas recomendações cabos que por muito bons que possam ser, por falta de informação da marca, não podem ser provadas. Cabos Recomendados (finalizados - direitos, de 3 a 5 metros): Menor Preço - Sommer Cable The Spirit XXL Instr. 3.0 - 15.90€ - O preço é excelente, o cabo em si também. O único senão são os conectores. Qualidade-Preço - Cordial CSI 3 PP-175 - 20.40€ - Excelente cabo a todos os níveis: baixa capacitância, conectores Rean (Neutrik made in china mas de boa qualidade). Qualidade Superior - Não se justifica pagar mais que isto por um cabo! Cabos Recomendados (para DIY): Menor Preço - Cordial CGK 175 - 2,38€/m Qualidade Preço - Sommer Cable Spirit XXL - 2,60€/m - Equilibrado a todos o níveis: 18 AWG, 42 tranças de 0.15mm e 86 pF/m. Ou, para o caso de dar mais ênfase à capacitância (para cabos longos) e menos à fiabilidade, há também o Sommer Cable Spirit LLX - 2,66€/m - com uma incrível capacitância de 56 pF/m (mas tem um condutor central ligeiramente pior: 21 AWG com 19 tranças de 0.16mm Qualidade Superior - Não se justifica pagar mais que isto por um cabo! Conectores Recomendados (para DIY): Menor Preço - Linha Branca - 0.66€ Qualidade Preço - Amphenol ACPM-GN Mono - 1,44€ Qualidade Superior - Neutrik NP2 C - 3.11€ - Em Portugal, na MrJackGuitars.
  23. Tutorial - Como escolher o melhor cabo de guitarra? Resumo: Estás à procura de um cabo para a tua guitarra ou para ligar os teus pedais e não sabes como escolher? Neste tutorial vamos explicar o que é verdadeiramente importante na compra de um cabo - e como ir ver para além do marketing dos fabricantes - para que possas escolher o melhor cabo, ao menor custo possível. ... Ver tutorial completo
  24. Olá a todos. Não estou satisfeito a 100% com o perfil do braço de uma das minhas guitarras. Originalmente fiz-lhe um perfil D-shaped mas acho que exagerei porque sinto falta do apoio na mão. Gostava de tornar o braco mais C-shaped na parte superior do braço e ir progredindo gradualmente para o D-shaped actual que se manteria do 12º trasto em diante. Acho até que, para simplificar lhe vou dar um perfil assimétrico (Assymetric C-shaped) pois onde sinto mais falta de apoio é na zona central do braço e desbastando na zona das cordas mais agudas, já conseguiria um perfil confortável. Para já estou a usar um método inventado por mim que é usar uma lixa grossa que estou a aplicar com a minha mão a agarrar o braço como se estivesse a tocar a guitarra. Penso que assim o perfil vai convergir para uma forma mais ergonómica e mais natural. Alguém tem experiência neste tipo de trabalhos e que me possa dar umas dicas? Como esta linguagem dos tipos de perfis não é muito clara, aqui vai a legenda.