stratocosta

A influência das quebras das vendas na qualidade da produção musical presente e futura



Posts Recomendados:

resolectric    819
há 3 horas, stratocosta disse:

...

é claro que uma má música será sempre má , mas acho que entendem a ideia ^_^

É absolutamente verdade e é verdade também para as músicas boas.

Eu costumo dar o exemplo do Charlie Patton (bluesman dos anos 30). Gravou dezenas de canções a tocar e cantar para dentro da campânula de um gramofone, com o som a percorrer um tubo de ferro, directo para discos de cera.
O som das gravações do Charlie Patton é miserável, tudo gravado antes do uso da electricidade em gravações e no entanto, as canções são fantásticas.

 

 

há 56 minutos, pgranadas disse:

...até um velho rádio a pilhas Onda Media, soa bem melhor.

...

E mesmo isso, o "fazer som" para soar bem em Onda Média e em Mono, tem o seu saber.
Hoje tem de soar bem no YouTube mas pronto, até isso tem os seus "quês".

Há sempre o bom e o mau, quer se fale da música quer do som e a qualidade de uma não anda sempre a par com a do outro.
Sempre foi assim ^_^

 

EDIT: sobre o que disse "fazer com que soe bem em Onda Média e em Mono", confesso que um dos sítios onde mais aprendi sobre som foi na cabine de Onda Curta da Rádio Renascença, nos estúdios de Lisboa. A cabine mais pequena, equipada com "as velharias" e com um técnico que devia ter uns 70 anos ou mais.
Só posso dizer: B R U T A L !

 

 

há 4 horas, jorgeteixeira disse:

Há uns tempos li uma biografia do Neil Young, e ele dava extrema importância a que se ouvisse música nesses formatos de alta resolução. Não tinha ideia que o formato que ele tentou introduzir já teve os dias contados...

Não sei qual leste mas se quiseres ler outra, lê o "Shakey".

  • Gosto 2

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
pgranadas    2117
há 9 horas, resolectric disse:

E mesmo isso, o "fazer som" para soar bem em Onda Média e em Mono, tem o seu saber

Sem duvida.

Quando estou a "misturar" as minhas coisas, abituei-me a alternar a mistura entre stereo e mono, e a diferença é brutal.

  • Gosto 1

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
Antonio    374

Lembrei-me de vir a este tópico mandar uma posta de pescada.Não vai no seguimento da conversa actual mas vai directamente ao encontro do assunto do tópico.

"A influência das quebras das vendas na qualidade da produção musical presente e futura": Acho que a quebra das vendas não influencia tanto como o avanço tecnológico. 

Cada vez é mais fácil fazer musica de qualidade e a soar bem. Acho que os grandes estúdios passarão a ser museus e a musica será toda feita em "project studios" com recurso à tecnologia digital. E ainda vai soar melhor! 

Acho também que o acesso à informação e a todo o tipo de ferramentas irá permitir o surgimento de muitas sonoridades diferentes e genialmente originais.   

Claro que muita malta ainda continuará agarrada ás tradições e saudosismos ("no meu tempo é que era bom"), mas a maior parte irá evoluir ;)

  • Gosto 1

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
stratocosta    3619

sr @Antonio já há muitos anos que existem daws e plug-ins que permitem manipular audio além do que alguma vez a "velha guarda" imaginava , no entanto 

não se viu/vê grande inovação.

tem tudo a ver com imaginação e não inovação. os Beatles não tinham essa tecnologia de ponta e no entanto inovavam criando eles ( e os eng. da altura ) mesmo os sons / efeitos que precisavam e que não estavam acessíveis só com o carregar de um  botão como agora.

"project studios" com recurso à tecnologia digital. "

os grandes estúdios também têm disso e melhor:  têm o espaço e técnicos com a experiência que os caseiros não têm.

mas isso custa €  , sem vendas significativas não há € para "luxos" :( 

 

 

 

  • Gosto 3

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
Antonio    374
há 6 horas, stratocosta disse:

sr @Antonio já há muitos anos que existem daws e plug-ins que permitem manipular audio além do que alguma vez a "velha guarda" imaginava , no entanto 

não se viu/vê grande inovação.

tem tudo a ver com imaginação e não inovação. os Beatles não tinham essa tecnologia de ponta e no entanto inovavam criando eles ( e os eng. da altura ) mesmo os sons / efeitos que precisavam e que não estavam acessíveis só com o carregar de um  botão como agora.

"project studios" com recurso à tecnologia digital. "

os grandes estúdios também têm disso e melhor:  têm o espaço e técnicos com a experiência que os caseiros não têm.

mas isso custa €  , sem vendas significativas não há € para "luxos" :( 

 

 

 

Tocaste aí num ponto crucial. Acho que hoje em dia a grande diferença entre um estúdio comercial e um estúdio caseiro é mesmo a presença e controlo de pessoal com orelhas. 

 

Mas já agora: qual a opinião do pessoal aqui do fórum sobre o facto de cada vez ser mais fácil e barato ter ferramentas em casa para fazer música? Acham mau? 

há 5 horas, resolectric disse:

TOP40.jpg.f96ad0eaab1beb9d44811b3aebac059e.jpg

 

Percebo e concordo até certo ponto. 

Não considero que a qualidade de uma obra musical seja directamente proporcional à sua complexidade. Muito menos à quantidade de notas. 

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
pipes    3567

Acho impecável, tal como a existência do youtube onde toda a gente tem tempo de antena e somos todos vloggers e músicos e influencers e fashion advicers e sei lá mais o quê...

Desde que não se pense que agora que todos podemos ter um daw no pc, vamos todos lançar o próximo Dark Side, ou Sgt Peppers… Não tem, nem nunca teve a ver com tecnologia.

A meu ver, aumenta a quantidade de m#rda feita. E depois, claro, há as exceções, mas que ainda não fazem a regra. Se podes fazer uma obra prima em casa? Podes, mas…

Edit: Acho muito útil para fazer demos ou gravar umas faixas para complementar algo em estúdio, ou até para gravar guias para depois continuar o trabalho em estúdio, poupando assim tempo ($) etc. Aliás, nos primeiros 2 EPs de Embaixador, gravei cenas em casa que depois enviei para o produtor misturar com o restante feito em estúdio.

  • Gosto 1
  • Amo 1

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
stratocosta    3619
há 12 horas, Antonio disse:

(1) Tocaste aí num ponto crucial. Acho que hoje em dia a grande diferença entre um estúdio comercial e um estúdio caseiro é mesmo a presença e controlo de pessoal com orelhas. 

 

(2) Mas já agora: qual a opinião do pessoal aqui do fórum sobre o facto de cada vez ser mais fácil e barato ter ferramentas em casa para fazer música? Acham mau? 

 

1 - e melhor condições acústicas , espaço para uma banda / orquestra completa ,mais e melhor material ( supostamente )

2 - Mau ? não , quem me dera a mim ter um daw para gravar quando comecei a "brincar" as gravações. e hoje tens daws excelentes e de borla.

    comecei a gravar com um gravador portátil de k7, depois na hi-fi do meu velhote ( consegui avariar o deck de k7 com umas experiências , tipo por o deck de    gravação em pausa , ligar a guitarra direta ao deck com um pedal de chorus , sonzaço até que avariei o deck , não sei como o meu pai não ficou f... comigo :D )

 andava sempre a namorar uns 4 pistas ( k7 ) nas lojas , mas custavam uns 3 ordenados mínimos :(.

adiei , adiei e o meu primeiro multi-pistas foi um pc com uma placa oem com chip Yamaha , basica 2 ins 2 outs , fichas mini-jack, basicamente uma copia das soundblaster.

deu para aprender muita coisa.

o Mike Oldfield gravou a obra prima dele num multi-pistas de fita , com muito suor e lágrimas. 

estou a espera do Mike Oldfield do século 21 , supostamente com a tecnologia actual , isso agora era brincadeira.

mas ainda não se materializou  :D

 

 

  • Gosto 2

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais

Regista-te ou entra para comentar!

Para deixar um comentário é necessário estar registado. É muito fácil!

Criar uma conta

Regista-te e vem fazer parte desta comunidade! É fácil!

Registar-me

Entrar

Já estás registado? Entra aqui!

Entrar agora