pipes

Curiosidades



Posts Recomendados:

stratocosta    3667

não é sobre guitarras , mas cerca dos 10 minutos acho que se aplica também ao gás por velharias vintage ....

  • Gosto 2

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
PCanas    897

Não sei se isto se enquadra aqui ou se seria melhor nos "vídeo do youtube", mas...

 

  • Gosto 1

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
resolectric    866
há 20 horas, PCanas disse:

Não sei se isto se enquadra aqui ou se seria melhor nos "vídeo do youtube", mas...

(video «Making an album in a day»)

 

Já fiz. Vários!

O mais recente foi o "Escabroso", dos Torto. Todo feito em 4 horas, com Bateria, Baixo, Guitarra e Teclas.
Não é impossível e não é difícil se os músicos estiverem preparados, souberem o que tocam e se sentirem bem no sítio onde vão trabalhar. Refiro o dos Torto porque foi o mais recente dos que fiz em "um dia". Tenho mais uma dúzia deles em um dia. Lembro-me do "Sexually Transmitted Electricity" dos Lobster, que ficou na lista dos melhores do ano do Blitz... portanto, nem significa que têm de ser maus!
:)
Nesse video fazem o trabalho em 10 horas o que, para mim, já seriam dois dias.
A maior parte dos álbuns que produzi fi-lo em 6 dias, em média. Entre 30 a 40 horas, é normal.
Fico curioso em saber o que pode ter sucedido em estúdio em produções que duram centenas de horas, como aquelas que vejo referidas na Uncut e etc.

 

  • Gosto 1

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
PCanas    897
há 30 minutos, resolectric disse:

Já fiz. Vários!

O mais recente foi o "Escabroso", dos Torto. Todo feito em 4 horas, com Bateria, Baixo, Guitarra e Teclas.
Não é impossível e não é difícil se os músicos estiverem preparados, souberem o que tocam e se sentirem bem no sítio onde vão trabalhar. Refiro o dos Torto porque foi o mais recente dos que fiz em "um dia". Tenho mais uma dúzia deles em um dia. Lembro-me do "Sexually Transmitted Electricity" dos Lobster, que ficou na lista dos melhores do ano do Blitz... portanto, nem significa que têm de ser maus!
:)
Nesse video fazem o trabalho em 10 horas o que, para mim, já seriam dois dias.
A maior parte dos álbuns que produzi fi-lo em 6 dias, em média. Entre 30 a 40 horas, é normal.
Fico curioso em saber o que pode ter sucedido em estúdio em produções que duram centenas de horas, como aquelas que vejo referidas na Uncut e etc.

Aqui claramente não era o caso :D Aliás, eles referem isso logo ao início.

Já agora, o resultado final:

 

  • Gosto 1

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
stratocosta    3667
há 1 hora, resolectric disse:

Já fiz. Vários!

O mais recente foi o "Escabroso", dos Torto. Todo feito em 4 horas, com Bateria, Baixo, Guitarra e Teclas.
Não é impossível e não é difícil se os músicos estiverem preparados, souberem o que tocam e se sentirem bem no sítio onde vão trabalhar. Refiro o dos Torto porque foi o mais recente dos que fiz em "um dia". Tenho mais uma dúzia deles em um dia. Lembro-me do "Sexually Transmitted Electricity" dos Lobster, que ficou na lista dos melhores do ano do Blitz... portanto, nem significa que têm de ser maus!
:)
Nesse video fazem o trabalho em 10 horas o que, para mim, já seriam dois dias.
A maior parte dos álbuns que produzi fi-lo em 6 dias, em média. Entre 30 a 40 horas, é normal.
Fico curioso em saber o que pode ter sucedido em estúdio em produções que duram centenas de horas, como aquelas que vejo referidas na Uncut e etc.

 

Vocês são uns meninos:

o Axel demorou 10 anos a gravar a chinesice , o Michael Jackson 2 anos a gravar o "History"

as grandes obras levam tempo, tipo as pirâmides ....

:D 

  • Riso 3

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
Desventrar    1017
há 3 horas, resolectric disse:

Já fiz. Vários!

O mais recente foi o "Escabroso", dos Torto. Todo feito em 4 horas, com Bateria, Baixo, Guitarra e Teclas.
Não é impossível e não é difícil se os músicos estiverem preparados, souberem o que tocam e se sentirem bem no sítio onde vão trabalhar. Refiro o dos Torto porque foi o mais recente dos que fiz em "um dia". Tenho mais uma dúzia deles em um dia. Lembro-me do "Sexually Transmitted Electricity" dos Lobster, que ficou na lista dos melhores do ano do Blitz... portanto, nem significa que têm de ser maus!
:)
Nesse video fazem o trabalho em 10 horas o que, para mim, já seriam dois dias.
A maior parte dos álbuns que produzi fi-lo em 6 dias, em média. Entre 30 a 40 horas, é normal.
Fico curioso em saber o que pode ter sucedido em estúdio em produções que duram centenas de horas, como aquelas que vejo referidas na Uncut e etc.

 

Adoro esses dois álbuns.

  • Gosto 1

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
resolectric    866

1:43 e 2:20 - "...a DAW...is better on every measurable way..."

Excepto no aspecto em que nos satura visualmente com quantidades tremendas de informação e de opções desnecessárias.

Ele refere alguns dos pontos essenciais das vantages da gravação analógica e refere outros, menos essenciais, como o aspecto "táctil" de trabalhar em analógico.
Eu costumo salientar um aspecto, acima de todos os outros: usam-se os ouvidos e não os olhos, para trabalhar em som. Trabalhando numa DAW passamos imediatamente grande parte da atenção e das decisões para o aspecto visual.
Não conheço ninguém que grave com uma DAW e que não use os olhos para gravar.
Já em fita... vêem-se os níveis nos VUs e pronto, o resto é feito "de ouvido".
Sendo que estamos a trabalhar com música, parece-me o sistema ideal.

 

9:03 e 9:15 - "...force me to slowdown..."

Este é outro aspecto essencial e que ele refere duas vezes seguidas.
Este "slowdown" a que a gravação analógica nos obriga pode ser exemplificado numa situação normalíssima em estúdio: as repetições de takes.

Quando se grava em estúdio, no presente, é frequente que as repetições de takes possam ser instantâneas. O músico engana-se e o Produtor ou Técnico dão a instrução: repete!
E se os enganos se repetem (o que é normalíssimo) os músicos repetem, repetem, repetem, repetem... sem necessidade de pausa, sem ter tempo para respirar até!
Numa gravação analógica isso é impossível!
Não só o técnico tinha de se concentrar, tal como os músicos, em fazer um "Punch In/Out" com precisão mas também, entre cada novo take existia o tempo de rebobinar a fita.
Repete... rebobina... repete... rebobina... repete...
O sistema e o ritmo de trabalho eram mais lentos mas mais naturais, mais consistentes com o acto performativo e com os tempos de respiração necessários entre cada take e entre cada verificação do instrumento e dos aspectos musicais a corrigir nas repetições.

Trabalhando numa DAW o técnico olha para a Wave e vê "os picos" e o nível de sinal e o músico não respira.
Está tudo sempre pronto a gravar de imediato.

É uma pena e tem tudo a ver com a fotografia analógica, tal como ele refere e muito bem.
Enquanto que usando um negativo se "pensa" na fotografia que se vai tirar, em digital tiram-se 300 e depois, em casa, escolhe-se uma.
Uma que vai ser alterada no Photoshop pois ficou uma bosta.

Tal como no som.

 

 

  • Gosto 1
  • Amo 1

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
stratocosta    3667

é tudo uma questão de método / disciplina

é claro que quem não tem noção do trabalho que dá editar cagada, acha que em 2 minutos o operador afina , ajusta o tempo etc.

eu peço para repetir sff. 

mas eu só trabalho para mim e para a banda :rolleyes:, é relativamente fácil domesticar a clientela 

achei piada quando ele disse que tinha plug-ins que emulavam bem a fita , mas depois diz que vai usar aquela de bobines

  • Gosto 1
  • Riso 2

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais

Regista-te ou entra para comentar!

Para deixar um comentário é necessário estar registado. É muito fácil!

Criar uma conta

Regista-te e vem fazer parte desta comunidade! É fácil!

Registar-me

Entrar

Já estás registado? Entra aqui!

Entrar agora