GANHA 1 pedal Digitech TRIO Band Creator aqui no Forumusica! Consulta aqui o regulamento!
phillipric

Acordes, Graus e Progressões



Posts Recomendados:

PCanas    736

O º quer dizer que o acorde é diminuto. Pode aparecer assim ou Adim7. Também podem aparecer cifras com triângulos. Sim, triângulos. Significa que é sétima maior.

Esta tabela é bastante útil:

1955485_f248.jpg

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
phillipric    136

Esquisito, se a sétima maior de Lá é Sol#. Por outro lado, a armação de clave de Lá é em # logo a designação das notas deve ser feita em #. 

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
PCanas    736

Não.

1
Os b representados nas fórmulas dos acordes (por exemplo, 1 - b3 - b5 - bb7) não significa que a nota é b, significa que a nota é meio tom (b) ou um tom (bb) abaixo relativamente ao acorde maior. Claro que consoante o acorde o b3 ou b5 ou bX pode realmente representar uma nota bemol, mas a ideia não é essa.

2
Acordes Maiores: 1 - 3 - 5
Acordes menores: 1 - b3 - 5
Acordes diminutos: 1 - b3 - b5

O que é que eu faço com isto? É simples. Começas por escrever a escala maior do acorde que pretendes. Vamos supor que quero o acorde de Dó Maior. Vou então escrever a escala de Dó Maior:

Dó - Ré - Mi - Fá - Sol - Lá - Si - Dó

Agora, pego na fórmula e tiro os graus que preciso para o acorde que quero...

Acorde Maior: 1 - 3 - 5 = Dó - Mi - Sol
Acorde menor: 1 - b3 - 5 = Dó - Mib - Sol
Acorde diminuto: 1 - b3 - b5 = Dó - Mib - Solb

 

Até aqui foi simples e não deve ter havido confusões, uma vez que a tonalidade, Dó Maior, facilita em termos de armação de clave. Vamos para uma um pouco mais complicada: Lá Maior

Lá - Si - Dó# - Ré - Mi - Fá# - Sol# - Lá

Acorde Maior: 1 - 3 - 5 = Lá - Dó# - Mi
Acorde menor: 1 - b3 - 5 = Lá - Dó - Mi
Acorde diminuto: 1 - b3 - b5 = Lá - Dó - Mib

Repara que aqui, no caso do menor, por exemplo, eu não precisei de meter b no Dó, porque para baixá-lo meio tom em relação ao maio, só preciso de tirar o #.

 

Vamos complicar mais um pouco, vamos meter as sétimas. O número de combinações aumenta, e a sua interpretação por vezes varia conforme quem lê a cifra, ou dá o nome ao acorde. Já me aconteceu dizerem-me para me dar um determinado acorde e eu interpretar aquilo de uma maneira, mas a pessoa queria outra coisa. 

Acordes Maiores de Sétima (menor): 1 - 3 - 5 - b7
Acordes Maiores de Sétima Maior: 1 - 3 - 5 - 7
Acordes menores de Sétima (menor): 1 - b3 - 5 - b7
Acordes menores de Sétima Maior: 1 - b3 - 5 - 7
e, o acorde que gerou a confusão
Acordes diminuto de Sétima (*): 1 - b3 - b5 - bb7
(* - eu interpreto este nome como um acorde diminuto (1 b3 b5) + sétima menor (b7). Ao que parece deve ser interpretado como mostrado em cima)

 

Dó - Ré - Mi - Fá - Sol - Lá - Si - Dó

Acordes Maiores de Sétima (menor): 1 - 3 - 5 - b7 = Dó - Mi - Sol - Sib
Acordes Maiores de Sétima Maior: 1 - 3 - 5 - 7 = Dó - Mi - Sol - Si
Acordes menores de Sétima (menor): 1 - b3 - 5 - b7 = Dó - Mib - Sol - Sib
Acordes menores de Sétima Maior: 1 - b3 - 5 - 7 = Dó - Mib - Sol - Si
Acordes diminuto de Sétima: 1 - b3 - b5 - bb7 - Dó - Mib - Solb - Sibb

!! PAROU TUDO !!

"Então, mas Sibb = Lá... porque é que não fica Dó - Mib - Solb - Lá ?!?"

Porque Lá é o VI grau e não o VII. Porque a fórmula é 1 - b3 - b5 - bbe não 1 - b3 - b5 - 6. Porque por essa ordem de ideias o acorde de Dó menor também podia ser Dó - Ré# - Sol... ou algo mais radical como Si# - Fább - Fá##

 

E era aqui que queria chegar lol. A questão tem a ver com o ponto 1 e com o graus que são para se usar. Desculpa lá o testamento :P

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
phillipric    136

Eu entendo a lógica e a formação dos acordes, as regras para os formar estão um pouco esquecidas porque sempre toquei muito mais por intuição do que por estar a pensar que o acorde "X" se faz de tal forma. A maioria das pessoas que lida comigo musicalmente pergunta-me sempre como é que eu "tiro" as coisas tão bem de ouvido em qualquer tom (ou na maioria) e como é que transponho automaticamente.... não sei, é a prática, por isso desliguei muito da teoria e depois dou por mim a pensar na altura de teorizar o que faço a ter mais dificuldades do que a fazer. Se bem que pouco preocupa porque faço, é isso o fundamental. Mas tenho de voltar a incidir um pouco mais na questão teórica, porque tenho alunos de piano a entrar no segundo ano comigo e quero que eles saibam também formar os acordes. 

 

A questão que eu te levantei foi somente porque sempre me ensinaram que para referir qualquer acorde ou a sua constituição temos de ter em atenção a armação de clave da tonalidade a usar e a partir daí a formação é feita com bemois ou sustenidos, de acordo com cada caso. Por isso é que questionei que, sabendo que na prática o Ládiminuto é feito Lá - Dó - Mib, se a designação correcta não é mesmo Lá-Dó-Ré#

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
PCanas    736
há 12 minutos, phillipric disse:

A questão que eu te levantei foi somente porque sempre me ensinaram que para referir qualquer acorde ou a sua constituição temos de ter em atenção a armação de clave da tonalidade a usar e a partir daí a formação é feita com bemois ou sustenidos, de acordo com cada caso. Por isso é que questionei que, sabendo que na prática o Ládiminuto é feito Lá - Dó - Mib, se a designação correcta não é mesmo Lá-Dó-Ré#

Pois, mas não. A fórmula do acorde sobrepõe-se à armação de clave ;)

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais

8 dicas por ordem cronológica para os mínimos olímpicos:

a) Ao longo de todos os pontos: livro de teoria do Bert Lingon. Tem exercícios,esclarece e simplifica o que se passa. Praticar com pessoas com o mesmo nível conhecimento ou melhores.

1) Jazz Piano book (vão ter que ter alguns temas dos realbooks/new real book para aplicar os exercícios, fazer tudo sem excepção e o melhor possível)

2) Bill Dobbins - Creative Approach to Harmony (primeiros capítulos para esclarecer dúvidas nos drops e nas inversões)

3) Aebersold tem uns livros com transcrições do comping de piano (super dica que me faz merecer 500 paus de cada um)

     3.1) The Art of Comping - Jim Mcneely 

4) You Tube - Doug McKenzie - sobretudo cenas de estílistica. Eu acho-o old fashion, mas a verdade é que não tenho metade dos tricks do gajo.

5) Sacar solos e comping de música seja jazz, gospel, blues, soul, rock  não interessa (ver o que na prática os músicos fazem).  Ao mesmo tempo ler/aplicar o Connecting Chords with Linear Harmony do Bert Lingon.

6) Livros do Jerry Bergonzi para "cimentar" no inconsciente patterns. Diria que não é precisa a exaustão a que o gajo leva cada livro. Acho que metade das páginas só servem para fazer peso.

7) Estudem devagar e bem cada ponto. Às vezes tocar 2 compassos com a articulação certa desbloqueia um mundo. Quando pensam que não evoluem, insistam sobretudo na parte de sacar música de ouvido é aí que depois de praticado com cuidado e certinho vão sentir os grandes pulos. 

8) Desconfiem das pessoas com quem tocam. Não perder tempo com quem não faz nem quer fazer. Ouvir música faz-nos ter referência do que é o produto final. Toquem com secções rítmicas que groovem/swinguem. Se não swinga ou groova são vocês o mata-groove -> SOLUÇÃO: inspeccionar a solidez rítmica e a articulação.

 

 

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais

Regista-te ou entra para comentar!

Para deixar um comentário é necessário estar registado. É muito fácil!

Criar uma conta

Regista-te e vem fazer parte desta comunidade! É fácil!

Registar-me

Entrar

Já estás registado? Entra aqui!

Entrar agora