pedrozepelim

Gravar em casa



Posts Recomendados:

pedrozepelim    57

Eu toco guitarra. 

No entanto decidi começar a fazer umas brincadeiras, e gravar algumas coisas em casa. Comprei uma Apogee e tenho gravado uma coisas no GarageBand. 

Resolvi então encomendar um baixo short scale, para também gravar em casa, e é por isso que necessito da vossa ajuda, pois de equipamento de baixo pouco ou nada percebo.

Quero comprar uma DI e estou na dúvida entre a Ampeg SCR, Gallien Krueger Plex e Mesa Boogie Subway DI. 

Ainda não consegui, confesso, percepcionar as diferenças de tone entre estes produtos.

A minha questão é: como é que vocês gravam em casa?

Apenas com uma DI?

Com uma DI e depois acrescentam uma simulação de cab?

Obrigado

 

 

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
pgranadas    2088

Olá, @pedrozepelim, não precisas obrigatoriamente de uma DI, podes ligar o baixo directamente ao interface e usar um software para simular amplificador, coluna e efeitos, tal como para a guitarra, e pode até ser o mesmo. Amplitude, GutarRig, BiasFX, Helix, etc... Todos eles o permitem. Se já tens um, apenas tens de perceber do menu de amps, quais são os dedicados ao baixo.

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
kyuuga    13

Se vais comprar uma DI apenas com o propósito de gravar cenas em casa, não o faças. Tal como o @pgranadas referiu tens imensas opções a nível de software para emular os sons que precisas. 

Gravas o sinal do teu baixo direto através da tua placa de som externa (neste caso a Apogee) e se estás a usar o GarageBand lá tem imensos amps e simulações. Ou podes usar apenas o sinal direto dependendo do estilo de música e baixo que usas.

  • Gosto 1

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
hypermnesium    1048

Estamos a falar de Pré Amps + DI e não simplesmente uma DI.

Se queres gravar umas brincadeiras, não precisas de nada especial, baixo directo na interface e usas as simulações dos amps.

Se queres levar isto a outro nível, eu acho que as Tech21 Sansamp são sempre uma aposta segura tanto em estúdio como ao vivo e depois tens a Aguilar Tone Hammer e a minha favorita, a EBS Microbass II.

Mas honestamente, se vais usar simulações de amps, esquece a DI, ou pelo menos uma DI destas características.

  • Gosto 1

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
Rodrigo    1

Mais  um voto para a sansamp. Por algum motivo todos os estúdios têm uma e é um cliente habitual dos palcos.

O modelo de baixo também serve para guitarra.

Para interfaces mais baratos compensa porque sempre baixas o nível de ruído. Alimentas com mais força os preamps e deixa os estar quietinhos. 

Um combo, pode ser de guitarra até, com um altifalante de 10" e um condensador espetado mesmo a meio do altifalante funciona às mil maravilhas também.

  • Gosto 1

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
resolectric    727

Quanto a não usar DI, bom... depende. Se o interface Apogee tiver uma entrada dedicada a instrumentos isso significa que incorpora uma DI.
Se não tiver, deverá ter entrada de linha e de microfone e nenhuma dessas é apropriada à ligação directa de um instrumento com pickups.
Funciona mas não soa bem.
Para soar bem, mesmo sem o uso de qualquer emulador em software, é preciso uma DI. Interna ou externa, é essencial.
Claro que às vezes o "soar mal" é o que se pretende. Depende da perspectiva.

  • Gosto 2
  • Útil 1

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
pgranadas    2088
há 6 horas, resolectric disse:

Quanto a não usar DI, bom... depende. Se o interface Apogee tiver uma entrada dedicada a instrumentos isso significa que incorpora uma DI.
Se não tiver, deverá ter entrada de linha e de microfone e nenhuma dessas é apropriada à ligação directa de um instrumento com pickups.
Funciona mas não soa bem.
Para soar bem, mesmo sem o uso de qualquer emulador em software, é preciso uma DI. Interna ou externa, é essencial.
Claro que às vezes o "soar mal" é o que se pretende. Depende da perspectiva.

Por acaso, eu que não pesco grande coisa da poda (ou mesmo nada), comecei por usar as guitarras e o baixo directamente ligadas à interface. O fabricante nas instruções assim o diz para o fazer. Mas um dia lembrei-me da DI da Behringer que estava guardada numa caixa sem uso, e resolvi experimentar. Notei claras diferenças. Não é que antes soasse mal, mas depois soava ainda melhor, e passei a usar sempre a DI. Me pergunto se soará ainda melhor com uma outra DI de outra marca, mas sem ter certezas, não arrisco a comprar para já uma.

Estou num entanto a falar de uma DI, que apenas faz unicamente isso, converte o sinal e nada mais. Para emulações, uso software, e estou satisfeito com os resultados. Resumindo, o meu setup é, guitarra/baixo -> DI -> Interface -> e DAW com VST Amplitube, GuitarRig ou Helix + Virtual Mix. Para o Baixo o especificamente, tenho um preset no Amplitube, com uma ajudinha do Virtual Mix, que me têm enchido as medidas.

O Amplitube simula o amplificador, coluna e micro, já o Virtual Mix simula a consola e o compressor, dando o calor e push que faltavam.

  • Gosto 1

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
resolectric    727
há 3 horas, pgranadas disse:

...Me pergunto se soará ainda melhor com uma outra DI deputar marca, mas sem ter certezas, não arrisco a comprar para já uma.

Estou num entanto a falar de uma DI, que apenas faz unicamente isso, converte o sinal e nada mais.
...

O Amplitube simula o amplificador, coluna e micro...

Sim, uma DI melhor é capaz de soar melhor.

Agora, isso de soar "melhor" é que já é discutível pois é um adjectivo um bocado vago.
Diria que com uma boa DI o instrumento será captado numa maior gama do espectro do som que produz, com maior clareza, com melhor recorte, preservando a dinâmica possível pelos pickups, etc.
Continua a ser vago mas o que quero dizer é que há diferenças. Não que uma DI da Behringer "soe mal", pode até dar o som ideal para várias situações mas uma DI mais bem "desenhada", com um cricuito melhor, com um bom transformador de impedância lá dentro (Jensen... UTC série A... :P ) e um instrumento pode ser captado com o som real que iria ser inserido à entrada de um amp.

As DIs "só" convertem a impedância e o nível do sinal, adaptando-o às entradas de microfone comuns.
Mas essa conversão não é insignificante em termos de som!

Outro detalhe importante: as DIs não "melhoram" só o som de instrumentos com pickups (guitarras) mas também o de outros instrumentos. Orgãos elétricos (Hammond, por exemplo) ou sintetizadores, ligados a uma DI apresentarão um sinal com um espectro muito mais amplo do que se forem ligados a um Line In.
E mais uma vez, com uma boa DI a diferença é nítida.

O Amplitube é excelente!
Também o uso e uso também o Vandal, da Magix. São os dois únicos emuladores de amps em software que utilizo, por acaso.
E confesso que gosto bastante de alguns presets e ainda mais das possibilidades de manipulação do som.

Claro que quando o som vai ser muito alterado, a qualidade do som que entrou no interface passa a ser um bocado subjectiva pois parte dela... desvanece-se, por assim dizer :D
Daí eu concordar parcialmente com o que disseste há bocado, noutro post, que a DI não seria necessária pois pode ligar o instrumento directamente.
Poder, pode mas é melhor com DI ;)

 

  • Obrigado 1

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
pgranadas    2088
há 15 minutos, resolectric disse:

que a DI não seria necessária pois pode ligar o instrumento directamente.

Estava-me a referir mais especificamente as DI's que foram faladas, com emulações nelas próprias, mas expliquei-me mal e pela metade, sem qualquer sombra de dúvida.

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais

Regista-te ou entra para comentar!

Para deixar um comentário é necessário estar registado. É muito fácil!

Criar uma conta

Regista-te e vem fazer parte desta comunidade! É fácil!

Registar-me

Entrar

Já estás registado? Entra aqui!

Entrar agora