TheGP_GTi

Manutenção da guitarra elétrica - Que cuidados devo ter?



Posts Recomendados:

TheGP_GTi    6

Boas, gostaria de saber a opinião das pessoas mais experientes sobre a manutenção que se deve às guitarras elétricas

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
LuisEmanuel    282

Há aqui no fórum malta com muito mais conhecimento do que eu para isto. Mas lanço só o início daquilo que para mim é o mais básico: ter em atenção as mudanças de temperatura e as humidades (ou falta delas). "Ameno" é a palavra de ordem. As guitarras não devem apanhar muito frio nem (sobretudo) muito calor. 

Quanto à eletrónica convém ser utilizada! Da minha experiência, em geral, as guitarras quanto mais paradas mais se estragam.

Mas, como referi, há aqui malta muito mais minuciosa e concreta do que eu... Ficam os dois tostões... 

  • Gosto 1

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
tmo    1732

A manutenção de guitarras eléctricas envolve várias disciplinas distintas. De uma forma geral, as coisas são acessíveis à maioria dos mortais, mas se quisermos entrar em pormenores, então se calhar talvez seja melhor contactar técnicos especializados no assunto.

Nível Básico: mudança de cordas.

A muda de cordas implica não apenas a substituição directa por umas novas e afiná-las de acordo com as necessidades, mas também a necessidade de corrigir/ajustar a acção, a intonação e a tensão do braço.

  1. A tensão do braço: é o ajuste da curvatura do braço da guitarra, em função da tensão provocada pelas cordas da guitarra. Após a afinação das cordas novas deverá ser a primeira coisa a ajustar. O seu ajuste tem interferência na acção e som da guitarra. Se o braço tiver muita curvatura frontal, a acção ficará necessariamente alta e pode tornar a guitarra desconfortável de tocar. No sentido contrário, o excesso faz com que as cordas entrem em contacto com os trastes das primeiras posições (do 1º ao 12º) aquando da vibração, perdendo assim energia. É detectável por trastejamento nos referidos trastes e de uma forma geral, não localizado a uma corda ou um traste. Os ajustes deverão ser graduais. Lembrar que as madeiras alteram-se em função do tempo, pelo que se num dia mais frio a guitarra estava bem ajustada, no dia quente pode já não estar.
  2. A Acção: é a distância das cordas ao braço (ou trastes). Geralmente trabalha-se na ponte e em conjunto com o acerto do braço previamente. A acção encontra-se demasiado baixa quando as cordas trastejarem sistematicamente acima do 12º traste. Acção muito alta pode ser incómoda a tocar, mas gostos são gostos.
  3. A intonação: É o que permite afinar as oitavas, ou seja, fazer concordar os harmónicos no 12º traste com a respectiva nota. Afina-se fazendo avançar a sela da corda para a frente ou para trás. Há guitarras cujas pontes são ajustáveis, outras não. SE estando a corda solta afinada e a nota do 12º traste estiver ALTA, dever-se-á afastar a sela da corda da pestana. Inverter para o caso da nota estiver baixa. À partida, se a muda das cordas é para outras iguais - mesma marca, mesmo modelo, mesma espessura - a intonação dever-se-á manter, no entanto, a sua verificação não custa nada.

Nível Intermédio: pickups e electrónica

Corrigir, resolver, alterar, substituir, etc, questões a nível de electrónica implica necessariamente o uso de ferro de soldar, alguns conhecimentos de electricidade e do funcionamento da parte eléctrica da guitarra... por onde entra o sinal, por onde passa, por onde sai. Implica perceber como funcionam as diferentes partes e elementos e para que servem ou que efeito têm no timbre final. Compreender o funcionamento de interruptores é uma mais valia. Isto é importante quando se pretende alterar o circuito de uma guitarra ou os seus pickups, por exemplo.

Na muda de pickups é importante perceber que marcas diferentes usam diferentes peças para as mesmas funções, ou, se preferirem, diferentes cores dos fios para os mesmos significados. É igualmente importante perceber que 1 Humbucker é composto por 2 single coils com polaridades invertidas (um é polaridade norte, outro é sul) e com enrolamentos em sentidos inversos para que se consiga obter o efeito de cancelamento do HUM. No entanto é possível obter até 6 sons diferentes de um humbucker PASSIVO: Série (ligação mais popular), Paralelo, Single coil Norte ou Sul, Série fora de fase ou ainda paralelo fora de fase (sons nasalados e menos confortáveis). As ligações fora de fase e single coil não fazem cancelamento do hum. Os humbuckers ACTIVOS raramente permitem ligações diferentes da ligação convencional, dependendo para isso da marca e do modelo em questão.

AVISO - A exploração deste campo do conhecimento dá direito a comportamentos obsessivos/compulsivos quando se percebe o quanto se consegue fazer para obter timbres diferentes sem gastar muito dinheiro. Deixamos de nos preocupar em ter uma guitarra de cada género para ter uma guitarra "Tudo em Um" (ide ver o exemplo do tópico "laboratório sonoro")...

Nível Avançado: trastes, nivelamento/coroamento e substituição

O tratamento dos trastes é, na minha experiência, CHAVE para uma experiência prática e sonora com a guitarra sem que haja nada a incomodar o ouvido ou o raciocínio do músico. No fundo é uma questão de geometria... algo dinâmica uma vez que joga com o arco de vibração das cordas. Implica o uso de ferramentas especializadas (mais caras) e não acessíveis ao comum dos mortais nas casas de bricolage.

Para se nivelar os trastes é necessário perceber quando é que o braço está direito. Lembra-se que este mexe com o tempo e com as cordas, pelo que encontrar o ponto "zero" não é tarefa fácil e exige o uso de ferramentas especializadas. É o braço direito que nos dá a referência correcta da altura dos trastes e que nos permite nivelá-los ao encontro das necessidades. Caso contrário é provável que se criem desníveis entre estes que mais tarde se manifestam em trastejamento e abafamento das cordas: bends que morrem (a corda simplesmente deixa de vibrar devido ao trastejar), notas incorrectas (a corda está a fazer ângulo num traste mais à frente), notas mortas, etc.

O nivelamento dos trastes deve igualmente ter em conta a curvatura transversal da escala e deverá acompanhá-la sendo que para o caso deverão ser usadas ferramentas especializadas para que correctamente se faça o devido nivelamento. Nivelamentos incorrectos poderão proporcionar desequilíbrios no tocar e tornar a guitarra desconfortável aos dedos que passeiam pelo braço.

Incluo aqui igualmente o tratamento da pestana, pois esta funciona como um traste com sulcos para gerir o espaçamento das cordas. Aqui, deve-se procurar que a altura das cordas à superfície da escala seja tal que não tenha trastejamento no 1º traste, mas também que não se torne impossível de pressionar as cordas na 1ª, 2ª ou 3ª posições. Pestanas muito baixas implicam trastejamento das cordas no 1º e 2º trastes quando tocadas soltas. Pestanas muito altas significam desafinação ao pressionar as cordas no 1º ou 2º trastes: como as cordas estão mais altas, é necessário uma maior distância para fazer chegar a corda ao traste, esticando-a, o que significa aumento do pitch, é como um bend, só que é executado contra o braço e não em direcção à corda vizinha. Pestanas altas tornam o tocar nos primeiros trastes muito mais duro para a mão que por lá se passeia.

Nível Mestre: recuperação de acidentes.

Neste bloco de conhecimentos incluo o trabalho relacionado com reparações profundas, mudança de acabamentos e afins assuntos. Um headstock partido pode ter solução, assim como um verniz estalado ou um tampo fendido de uma guitarra acústica. O nível de conhecimentos e de exigência para estas reparações implica uma aprendizagem morosa num escola da especialidade (muitas vezes feita em ateliers de mestres na área) e uma boa experiência em lidar com estes materiais. Não aconselhável a guerreiros de fim de semana.

  • Gosto 2
  • Útil 2

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
Jorge Abreu    12

Boas pessoal!
Noutro dia, falaram-me do uso de WD40 para limpar o braço da guitarra.
O que vocês acham disso?

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
tmo    1732
há 1 hora, Jorge Abreu disse:

Boas pessoal!
Noutro dia, falaram-me do uso de WD40 para limpar o braço da guitarra.
O que vocês acham disso?

... um disparate pegado. Por favor contextualiza tal comentário.

WD40 é uma "gordura" para lubrificação de mecânicas metálicas, por que raio se utilizaria tal para limpar o braço de uma guitarra, que é de MADEIRA?

Outra pergunta, por favor especifica "limpar o braço de uma guitarra".

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
Jorge Abreu    12
há 1 hora, tmo disse:

... um disparate pegado. Por favor contextualiza tal comentário.

WD40 é uma "gordura" para lubrificação de mecânicas metálicas, por que raio se utilizaria tal para limpar o braço de uma guitarra, que é de MADEIRA?

Outra pergunta, por favor especifica "limpar o braço de uma guitarra".

Pois! Eu ouvi e pareceu-me um disparate mas como não percebo nada de limpeza e manutenção de instrumentos decidi perguntar.
O sujeito referia-se à sujidade que se acumula no braço, junto aos trastes.

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
mpexus    633

Para limpar Fretboard

611jHCBHwGL._SY679_.jpg


Depois de Limpo, para Hidratar:

12289087_800.jpg


Isto para Fretboads que não sejam em Maple 

  • Gosto 2

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
tmo    1732

Há muita controvérsia relativamente a produtos a usar na escala de uma guitarra. Eu uso óleo de amêndoas doces, daqueles que se usam nos bebés, mas dos já rançosos para usar que servem perfeitamente para a escala da guitarra. Umas pingas de óleo destes, uma escova de dentes usada e a escala fica limpinha. Há quem use óleo de limão, para móveis, etc...

Há até quem use óleos minerais. Pessoalmente, se a escala for de madeira, usaria óleo de base vegetal, daí o óleo de amêndoas doces rançoso...

A escova de dentes usada ou um pedaço de papel higiénico servem perfeitamente para a esfrega e limpeza da escala. Juntamente com o óleo, hidrata-se a madeira e dissolve-se o sarro acumulado, que se retira com a esfrega.

  • Gosto 4

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
mpexus    633
há 14 horas, tmo disse:

 

A escova de dentes usada ou um pedaço de papel higiénico servem perfeitamente para a esfrega e limpeza da escala. Juntamente com o óleo, hidrata-se a madeira e dissolve-se o sarro acumulado, que se retira com a esfrega.

Sempre usei o Lemon Oil depois de limpar. Limpo sempre com um pano Micro Fibras que compras em qq lado. Depois de Limpo uso o Oil, Aplico generosamente, deixo ficar uns 2-3 min, retiro o excesso com outro Pano. Volto a fazer uma segunda aplicação passados uns 10-20 min. 

  • Gosto 1

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais

Regista-te ou entra para comentar!

Para deixar um comentário é necessário estar registado. É muito fácil!

Criar uma conta

Regista-te e vem fazer parte desta comunidade! É fácil!

Registar-me

Entrar

Já estás registado? Entra aqui!

Entrar agora