PCanas

MIDI 2.0



Posts Recomendados:

PCanas    981

O tema ainda é novidade e ao que parece o desenvolvimento vai ser feito à porta fechada, mas fica o tópico para discussão futura.

 

  • Gosto 1

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
xtech    2922

Depois de 30 ou 40 anos, acho que fazem bem refazer um standard digital, que a meu ver já estava muito datado. Se bem que em termos de preço, acho que o cliente se vai lixar. Era bom era ser retrocompatível...

A ver vamos.

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
PCanas    981
há 11 minutos, xtech disse:

Depois de 30 ou 40 anos, acho que fazem bem refazer um standard digital, que a meu ver já estava muito datado. Se bem que em termos de preço, acho que o cliente se vai lixar. Era bom era ser retrocompatível...

A ver vamos.

Vai ser. Ele diz isso no vídeo.

  • Gosto 1

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
resolectric    1160

Exactamente o que o mundo precisava: mais um standard.

Como se não chegassem as XLRs com pino 2 positivo ou pino 3 positivo. :rolleyes:

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
PCanas    981

Não sei será mais um standard... a ideia será substituir o MIDI "normal".

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
resolectric    1160
há 8 horas, PCanas disse:

Não sei será mais um standard... a ideia será substituir o MIDI "normal".

Ao substituir, coisa que nunca acontecerá pois ninguém vai deixar de usar um Jupiter 6 só porque não tem MIDI 2.0, cria-se mais um "standard".
Aliás, o simples facto de aparecer já tem esse significado. Como o USB, o USB 2.0 e o USB 3 e aliás, como todas as outras coisas em tudo o que nos rodeia. É o progresso a a criação de novos standards.
Gostava é que o pessoal abrisse os olhos para o "timing" destas coisas pois isso tem mais a ver com a patente do MIDI do que com qualquer necessidade tecnológica premente.

A lâmpada de filamento substituída pelas "economizadoras" da Philips e depois pelas de LED, a cassette audio substituída pelo DAT e depois pelo DCC e depois pelo MiniDisc e depois pelo CDR, o vinil substituído pelo CD, os discos duros substituídos pelos SSD, os carros a gasolina, a rede GSM, 3g, 4g, 5G, o PAL, o SECAM e o NTSC, o SMPTE, o FSK e o MTC...

o raio que os parta, sim?
É negócio. Não é progresso.

  • Gosto 2

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
tmo    1682

É um progresso negociado... um negócio progressivo. Convenhamos que certamente alguma evolução existirá e que tal trará mais valias de alguma forma. Se é esse o objectivo ou fazer dinheiro, já se sabe que esta malta capitaliza tudo, até a mamã se for preciso...

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
PCanas    981
há 3 horas, resolectric disse:

Ao substituir, coisa que nunca acontecerá pois ninguém vai deixar de usar um Jupiter 6 só porque não tem MIDI 2.0, cria-se mais um "standard".
Aliás, o simples facto de aparecer já tem esse significado. Como o USB, o USB 2.0 e o USB 3 e aliás, como todas as outras coisas em tudo o que nos rodeia.

Mas o MIDI2 será compatível com o 1, por isso ninguém deixará de usar um Júpiter ou outro qualquer por só ter MIDI 1, da mesma maneira que ninguém deixou de usar equipamentos com USB 1 em computadores com USB 3, e vice-versa.

Claro que haverão algumas limitações, mas não impedirá certamente a utilização de equipamentos "antigos".

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
resolectric    1160
há 11 horas, PCanas disse:

...da mesma maneira que ninguém deixou de usar equipamentos com USB 1 em computadores com USB 3, e vice-versa.

...

Deixou sim. As fichas não servem ;)

Mas questões filosóficas à parte, convém acentuar que, pessoalmente, não tenho nada contra o progresso, a tecnologia, os avanços da mesma e etc. e etc.
Se fosse um tipo retrógrado não trabalhava no que trabalho, não tinha sintetizadores desde 1979, computador desde 1984 e não usava os VSTis que uso, até para substituir os sintetizadores que tenho em hardware.
Portanto, não estou aqui para me armar em "advogado do diabo" e dar a ideia que defendo algum ponto de vista "retrógrado" ou conservador.
Aliás, como professor, lidei durante um par de décadas com alunos adolescentes e todos me pareceram extremamente "botas de elástico" e conservadores. Adiante...

O que acho é que aparecem muitas "novidades" tecnológicas que não são mais do que aproveitamentos comerciais do final do prazo de patentes que estão prestes a expirar. A exploração comercial destas coisas vale triliões de dólares durante décadas e obviamente, há gente com alguns conhecimentos técnicos e com ilimitados recursos de "chico-espertice" que está sempre à espreita do momento certo para lançar determinado "produto" (leia-se: banha da cobra).

 

  • Gosto 1

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
tmo    1682

errr, desculpa, mas as fichas USB1 servem em fichas USB3. Agora que eu saiba há umas tantas variantes, assim de cabeça lembro-me de 4. Nem todas estão adaptadas aos protocolos USB3 ou vice versa. A ficha mais comum (tipo A?) dá para todos os tipos de USB. Claro que a usar-se esta retrocompatibilidade, estar-se-á a usar os parâmetros/velocidade/largura de banda para transferência de dados do hardware mais antigo.

Isto para dizer que tenho usado sem problemas, ligações USB1 (Canon EOS 1D Mark II tem porta USB1) em portas USB3 (no meu Portátil Asus com 7 anos!)...

  • Gosto 1

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais

Regista-te ou entra para comentar!

Para deixar um comentário é necessário estar registado. É muito fácil!

Criar uma conta

Regista-te e vem fazer parte desta comunidade! É fácil!

Registar-me

Entrar

Já estás registado? Entra aqui!

Entrar agora