André  Fontes

Cursos de Som/Produção Musical - Etic/Restart



Posts Recomendados:

Boas, o meu nome é André Fontes, tenho 23 anos, toco guitarra elétrica há já uns anos e este é o meu primeiro post aqui no fórum. 

Atualmente encontro-me a trabalhar numa área completamente fora da música (contabilidade), e como não me vejo a fazer isto para o resto da vida, queria fazer um reset, passando pela minha paixão pela área musical. Para isso, estou com interesse em me inscrever num curso anual de som ou produção e criação musical em escolas como a ETIC, Restart, World Academy, etc.

Confesso que estou mais inclinado para a ETIC, os valores nesta rondam os 2700 euros por 280 horas de formação, já na Restart paga-se quase 4200 por 336 horas. Os valores são puxados, e a minha principal dúvida é se vale a pena investir tanto dinheiro nestes cursos ou aprender sozinho com o equipamento que já tenho (uma Focusrite 2i2, microfone, baixo, controlador midi) recorrendo à informação e recursos disponíveis online, até porque não há garantia de ter emprego na área após a conclusão do curso (em teoria, se optar pelo curso de técnico de som terei mais facilidade em arranjar trabalho no ramo).

Queria saber qual a vossa opinião relativamente a estes cursos e se conhecem alguma das escolas em questão, qualquer informação é bem-vinda. 

Cumprimentos e obrigado!

 

PS: Em baixo, deixo links com os programas dos cursos da ETIC nos quais estou interessado.

ETIC - Produção e Criação Musical

ETIC - Técnico de Som

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
resolectric    1233
há 9 horas, André Fontes disse:

...não há garantia de ter emprego na área após a conclusão do curso...

^isto^

Provavelmente farás como a maior parte do pessoal que faz esses cursos e montas o teu próprio estúdio.
Rapidamente compreenderás que todos os teus potenciais clientes também têm um estúdio.
E depressa perceberás que há mais músicos com estúdios do que sem e que há mais músicos do que ouvintes de música.

Dedica-te à guitarra, cria uma empresa de organização de eventos ou arranja emprego como roadie.

Mesmo.
Assino por baixo do que escrevo.

  • Gosto 3

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
tmo    1765

... também podes montar um estúdio com salas de ensaio. na área de Lisboa parecem faltar estúdios com qualidade. Há uns tantos com qualidade, mas são poucos e estão a ficar cheios facilmente... para isto é necessário um inv€$timento considerável... e montes de publicidade nas redes sociais...

  • Gosto 1

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
resolectric    1233

Sim, salas de ensaio também são uma boa aposta.

Vejamos o que eu quero dizer com o post dali de cima, para não ficares a pensar que se trata de uma tentativa de desmoralizar.

Fazes um curso para trabalhar numa indústria que já não existe.
É a mesma coisa que te especializares na reparação de telefones com disco de marcação. Só vais trabalhar para alguns tipos peculiares que são coleccionadores de peças "vintage".
A Indústria Discográfica acabou.
Por uma lado, não se vendem discos e por outro, a música que se vende é distribuída em formatos "ripados" de baixa qualidade, ou consumida em auscultadores in-ear ou altifalantes de tablet.
Ninguém ouvirá, nunca, aquilo que aprendeste a fazer e que misturaste com todo o gosto numa par de Monitores ATC.
Esquece. Ninguém tem Hi-Fi que permita distinguir uma produção profissional, feita por profissionais em estúdio, de uma produção caseira feita num quarto forrado de esferovite e com um microfone Fame.

O que é que isto significa?
Significa que vais estudar para montares um estúdio de que ninguém vai precisar com a regularidade suficiente que te permita viver dos 2700 Euros que vais gastar ainda antes de montares o teu estúdio.

Mas então, perguntarás tu, para quê montar um estúdio em vez de arranjar emprego num estúdio?
Porque os estúdios são quase todos empreendimentos independentes, de uma pessoa só ou de um pequeno grupo de pessoas. Quase nunca existe espaço ou necessidade de "gente nova" quando os clientes pagantes só procuram "Rick Rubins" ou "Eddie Kramers" a preço de saldo. Os clientes querem gravar com gente que já deu provas e os estúdios que pudessem contratar não precisam de gente que não deu nada.

Estágio num estúdio?
Absolutamente! Aprendes mais e melhor do que num curso.
É preciso é arranjá-lo. Os problemas são os mesmos do parágrafo anterior.
Será mais fácil aprenderes alguma coisa de som se te tornares "roadie" numa empresa de som porque aí sim, talvez se arranje emprego.

O mercado dos concertos não faliu como faliu a Indústria Discográfica, da qual dependiam os estúdios.

Porque é que pensas que existem tantos cursos de Produção?
Porque o pessoal que estudou nos cursos dos anos anteriores, geralmente não arranja trabalho em estúdios e então... vai ensinar.
O mesmo motivo para as aulas de música e para o número infinito de escolas de música e professores de música.
Porque é que existem tantos?
Porque não têm trabalho em mais nada.
Neste momento existem mais músicos do que ouvintes.
Ninguém ouve música. Só toca. Ou grava.

A tua safa?
Promotor de artistas, organização de eventos, roadie, agente artístico, etc.

Ou então estás decidido a passar fome (posso explicar como é) e a não saber quanto vais ganhar na semana seguinte (o mais provável é não ganhares nada - posso-te falar disso também) e enveredas por essa carreira no som, na tecnologia da música, dos botões e plugins.
Nunca mais vais ter uma vida normal.
É uma vida lindíssima, é uma profissão lindíssima, tudo é maravilhoso excepto o não se saber de que viver para comer.

E desculpem a eventual "violência" das palavras mas isto das Artes já não está para sonhos.
Nem para artistas.
Só para Artistas.

  • Gosto 4

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais

Obrigado pelo feedback realista, eu já tinha consciência da má situação atual no mercado discográfico. Como referiste, o que safa atualmente para um artista e para os profissionais de som são os concertos, uma vez que praticamente já não se vendem discos e serviços de streaming como o Spotify pagam-te meio cêntimo por stream.

Hoje ouve-se música de maneira muito mais descartável, o pessoal que apanho todos os dias no metro a ouvir ficheiro de 128kbps ou pior em earbuds e headphones de qualidade questionável (bass boosters e afins).

Para ser honesto, a minha ideia não passava tanto por criar um estúdio ou ser técnico de som, era mais fazer a minha própria música e conseguir chegar a um patamar em que pudesse fazer dela o meu ganha-pão, daí a minha preferência por cursos em produção e criação musical, sendo que nestes não sei até que ponto aprenderei algo de novo que não consiga retirar já da net, eventualmente os contactos criados no curso seriam o mais importante.

Assim, vejo as seguintes hipóteses para seguir nesta área:

Primeira hipótese: tirar curso de técnico de som numa dessas escolas, e esperar que consiga entrar na melhor das hipóteses como estagiário não remunerado em departamentos de som para televisão ou nos new media, rezar para que não seja substituido por outro estagiário logo após o final do meu estágio e então derivar mais tarde para a área musical (seja em estúdio ou ao vivo).

Segunda hipótese: escrever músicas sozinho ou numa banda com o equipamento que já tenho e o que for adquirindo, aprendendo pela net o básico, ensaiarmos até estarmos calejados, dar concertos em pequenos bares e afins, gastar umas centenas de euros para gravar um ou dois ep's e divulgá-los até mais não nas redes sociais, ter a sorte do nosso som ser reconhecido pelas rádios alternativas (atualmente teriamos de ir numa de indie pop) e eventualmente ter uma fanbase suficientemente grande para podermos largar os nosso empregos de dia para nos dedicarmos a isto a full-time.

Terceira hipótese: comprar uma Roland Street e tocar covers pros turistas na baixa, sempre se fazem algum trocos.

  • Gosto 3

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
resolectric    1233

Quarta hipótese: curso de guitarra, aprofundas os conhecimentos do instrumento e da música, tornas-te melhor executante e melhor compositor, melhoras na ARTE e usas os 2700€ para gravar um bom disco com um profissional, num estúdio profissional. Capa feita por um designer (também têm de viver) promoção, contactos e se te preparares bem (como disse nas duas primeiras linhas) não desapareces no meio do ruído.

Não desanimes e não desistas. Se queres mesmo, avança mas não esperes que seja fácil, imediato ou duradouro.

  • Gosto 3

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais

Obrigado pelos conselhos, já agora conheces algum sitio para aprender guitarra "à séria"? De momento, só me lembro do Hot Clube de Portugal.

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
resolectric    1233

Esse é bom.
E porque não procurares aprender guitarra noutras áreas da música?
Clássica? Um prof particular?
Alargas os horizontes, aprendes outras técnicas e passas a compôr e a tocar de outra forma.
Ou então, porque não alargares ainda mais o panorama daquilo que já sabes tocar, aprendendo outro cordofone?
Alaúde?
Isto são só ideias mas se estás à procura de uma saída profissional para a vida, tenta encontrar, dentro daquilo que gostas, algo que te torne necessário e diferente do resto.
Especializa-te de uma forma rara.

  • Gosto 1

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
PCanas    994

O Hot Club é uma excelente escola, mas só vais aprender Jazz.

O Conservatório (EMCN - Escola de Música do Conservatório Nacional) é uma excelente escola, mas só vais aprender clássico.

Na verdade, esta última está só meio certa. O Conservatório é mais virado para o clássico e o erudito, mas acho que acaba por ser bem mais abrangente que o Hot Club. E ao contrário do que possas pensar, acho que o pessoal do Conservatório é mais aberto a outros estilos de música que o pessoal do Hot.

Resumindo, ambas são excelentes escolas, talvez até das melhores no país, mas cada uma delas especializada e focada numa vertente diferente da música.

Eu ia para o Conservatório. Ao início vai ser secante se curtes cenas mais recentes, mas vais aprender muita coisa. Posteriormente, podes complementar a formação do Conservatório com o Hot.

  • Útil 1

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
resolectric    1233
há 1 hora, PCanas disse:

...
E ao contrário do que possas pensar, acho que o pessoal do Conservatório é mais aberto a outros estilos de música que o pessoal do Hot.
...

Exactamente o que tenho notado.
Talvez até nem seja pelas escolas em si mas mais pelo "frame of mind" do pessoal que escolhe uma ou outra.

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais

Regista-te ou entra para comentar!

Para deixar um comentário é necessário estar registado. É muito fácil!

Criar uma conta

Regista-te e vem fazer parte desta comunidade! É fácil!

Registar-me

Entrar

Já estás registado? Entra aqui!

Entrar agora