samoiedo

Aquisição de 1ª guitarra elétrica



Posts Recomendados:

samoiedo    20
há 35 minutos, jlcosta disse:

Se comprares Gibson, retiro o que disse sobre experimentares a guitarra, vou mais longe, ACHO QUE ÉS BURRO EM COMPRAR SEM EXPERIMENTAR.
Gibson é a marca mais manhosa do mercado, ou compras um guitarrão ou um pau com cordas.

Eu só comecei a ponderar a Gibson ES 335 porque esse modelo, juntamente com a Telecaster, foram referidos como os modelos ideais para quem quer aventurar-se nas guitarras elétricas, noutro fórum internacional. Pessoalmente, não gosto da aparência das Telecaster e por esse motivo não é opção para mim.

Agora, fiquei cada vez mais confuso... Consigo comprar a Godin Desert Blue por cerca de 2.000 euros, nova, numa loja francesa (bem menos que o valor pedido na Thomann (2.444 euros). Em Portugal não há esse modelo e ninguém manda vir esse modelo, com previsão para abril, sem ter a certeza que o vou comprar.

A indecisão é muita...

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
tmo    2709

Comprar agora no meio do confinamento é impossível presencialmente e na loja a não ser que seja em 2ª mão a particulares. As lojas estão fechadas ao público, que eu saiba.

No que a guitarras eléctricas diz respeito, elas há em muitas formas e feitios, cada uma mais diferente da anterior. O conforto é chave para gostarmos mais desta do que daquela. O timbre é algo modelável facilmente, tanto a jusante (efeitos, amps...) como a montante (pickups, cordas e até algum hardware).

Portanto, na hora da escolha de uma guitarra, será importante identificar os elementos técnicos que se consideram ir ao encontro das necessidades do músico, são eles:

  1. Peso
  2. Tamanho do corpo, quer em área, quer em espessura.
  3. Dimensionamento do braço:
    1. comprimento da escala
    2. largura da escala na pestana e largura da escala junto ao corpo ou no traste mais agudo.
    3. espessura do braço
    4. curvatura da escala
    5. tipologia dos trastes
    6. perfil da parte de trás do braço
  4. Tipo de construção
  5. Qualidade/tipologia de hardware usado.
  6. Possibilidade de fazer upgrades (mudança de peças para outras de melhor qualidade num futuro previsível)
  7. Preço
  8. Acessibilidade / disponibilidade (inclui peças suplentes) / apoio ao cliente - implica existência de lojas que tenham a marca em stock ou que a comercializem
  9. Gosto estético

Destes aspectos a considerar, considero os 3 primeiros fundamentais para um bom proveito do instrumento e que, infelizmente, só se podem aferir se vão ao encontro dos nossos gostos com experiência pessoal no assunto. Para uma primeira guitarra eléctrica com compra à distância é impossível saber se estas especificações correspondem aos nossos gostos. No entanto há algumas ajudas, pois estes 3 primeiros aspectos dizem respeito ao dimensionamento da guitarra e, consequentemente, da sua proporção ao músico.

  • Se o músico for uma pessoa forte, guitarras pesadas não farão mossa, mas, se em caso contrário for uma pessoa magra, se calhar as Gibson Les Paul clássicas (pesadas) não serão a opção mais indicada.
  • Uma pessoa pequena terá dificuldades com guitarras com caixa acústica tipo JUMBO. Pessoas com menos de 1.50m de altura caberão neste grupo.
  • Uma pessoa com dedos /mãos pequenas preferirá braços com escalas mais curtas. Pessoas com dedos grossos poderão preferir braços com as cordas mais afastadas.
  • Relativamente à espessura e perfil de trás do braço, assim como à curvatura da escala, os gostos variam muitíssimo. Braços finos com escala mais plana (raio da escala maior) são geralmente preferidos pelos sprinters. Rock'a'billies geralmente preferem braços gordos e escalas mais redondas (raio de escala menor).

De resto, os outros aspectos serão de menor importância relativamente ao conforto da guitarra, mas são ainda significativos (ou não estariam listados). Por exemplo, uma guitarra com construção Bolt-On (o braço aparafusa-se ao corpo da guitarra) terá uma manutenção muitíssimo facilitada quando comparada com uma Set Neck (braço colado) ou uma Neck Through (as peças de madeira do braço são contínuas pelo corpo da guitarra). O tipo de construção do instrumento interfere na forma como as cordas vibrarão, assim como no acesso às notas agudas do instrumento. Há quem argumente que a qualidade das madeiras interfere no timbre do instrumento, o que é válido até certo ponto. Obviamente interferirá na capacidade da guitarra manter a vibração das cordas, pois madeiras de densidades diferentes terão respostas diferentes, MAS, numa guitarra eléctrica a qualidade das cordas e da parte eléctrica é MUITO mais relevante do que a madeira em si, na ordem das 10 a 15 vezes mais. No entanto, a construção do instrumento (quer em tipologia da junta braço corpo, quer em formato do corpo, quer em madeiras e hardware usado) interfere directamente no peso e forma do instrumento.

No que respeita à tipologia e qualidade do hardware, refiro-me a todas as peças que são amovíveis, desde afinadores/carrilhões às pontes/cavaletes/selas, pickups (quer em número, quer em qualidade).

A possibilidade de fazer upgrades está directamente ligada com a manutenção do instrumento, mas em especial com a especificidade do hardware ser ou não exclusivo da marca (especial relevância para as pontes). A qualidade da ponte Bigsby que vinha da Gretch de um amigo meu deixou muito a desejar, mas mesmo muito em termos de qualidade do metal usado (ligas manhosas).

Sobre o preço e o gosto estético, bom, geralmente são decisores... :D

@samoiedo Posto isto, e porque me parece que as opções que tens proposto se baseiam apenas nestes dois últimos aspectos, que tal começares a fazeres perguntas mais assertivas relativamente às guitarras propostas?

  • Gosto 2
  • Útil 1

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
samoiedo    20
há 10 horas, tmo disse:

Comprar agora no meio do confinamento é impossível presencialmente e na loja a não ser que seja em 2ª mão a particulares. As lojas estão fechadas ao público, que eu saiba.

No que a guitarras eléctricas diz respeito, elas há em muitas formas e feitios, cada uma mais diferente da anterior. O conforto é chave para gostarmos mais desta do que daquela. O timbre é algo modelável facilmente, tanto a jusante (efeitos, amps...) como a montante (pickups, cordas e até algum hardware).

Portanto, na hora da escolha de uma guitarra, será importante identificar os elementos técnicos que se consideram ir ao encontro das necessidades do músico, são eles:

  1. Peso
  2. Tamanho do corpo, quer em área, quer em espessura.
  3. Dimensionamento do braço:
    1. comprimento da escala
    2. largura da escala na pestana e largura da escala junto ao corpo ou no traste mais agudo.
    3. espessura do braço
    4. curvatura da escala
    5. tipologia dos trastes
    6. perfil da parte de trás do braço
  4. Tipo de construção
  5. Qualidade/tipologia de hardware usado.
  6. Possibilidade de fazer upgrades (mudança de peças para outras de melhor qualidade num futuro previsível)
  7. Preço
  8. Acessibilidade / disponibilidade (inclui peças suplentes) / apoio ao cliente - implica existência de lojas que tenham a marca em stock ou que a comercializem
  9. Gosto estético

Destes aspectos a considerar, considero os 3 primeiros fundamentais para um bom proveito do instrumento e que, infelizmente, só se podem aferir se vão ao encontro dos nossos gostos com experiência pessoal no assunto. Para uma primeira guitarra eléctrica com compra à distância é impossível saber se estas especificações correspondem aos nossos gostos. No entanto há algumas ajudas, pois estes 3 primeiros aspectos dizem respeito ao dimensionamento da guitarra e, consequentemente, da sua proporção ao músico.

  • Se o músico for uma pessoa forte, guitarras pesadas não farão mossa, mas, se em caso contrário for uma pessoa magra, se calhar as Gibson Les Paul clássicas (pesadas) não serão a opção mais indicada.
  • Uma pessoa pequena terá dificuldades com guitarras com caixa acústica tipo JUMBO. Pessoas com menos de 1.50m de altura caberão neste grupo.
  • Uma pessoa com dedos /mãos pequenas preferirá braços com escalas mais curtas. Pessoas com dedos grossos poderão preferir braços com as cordas mais afastadas.
  • Relativamente à espessura e perfil de trás do braço, assim como à curvatura da escala, os gostos variam muitíssimo. Braços finos com escala mais plana (raio da escala maior) são geralmente preferidos pelos sprinters. Rock'a'billies geralmente preferem braços gordos e escalas mais redondas (raio de escala menor).

De resto, os outros aspectos serão de menor importância relativamente ao conforto da guitarra, mas são ainda significativos (ou não estariam listados). Por exemplo, uma guitarra com construção Bolt-On (o braço aparafusa-se ao corpo da guitarra) terá uma manutenção muitíssimo facilitada quando comparada com uma Set Neck (braço colado) ou uma Neck Through (as peças de madeira do braço são contínuas pelo corpo da guitarra). O tipo de construção do instrumento interfere na forma como as cordas vibrarão, assim como no acesso às notas agudas do instrumento. Há quem argumente que a qualidade das madeiras interfere no timbre do instrumento, o que é válido até certo ponto. Obviamente interferirá na capacidade da guitarra manter a vibração das cordas, pois madeiras de densidades diferentes terão respostas diferentes, MAS, numa guitarra eléctrica a qualidade das cordas e da parte eléctrica é MUITO mais relevante do que a madeira em si, na ordem das 10 a 15 vezes mais. No entanto, a construção do instrumento (quer em tipologia da junta braço corpo, quer em formato do corpo, quer em madeiras e hardware usado) interfere directamente no peso e forma do instrumento.

No que respeita à tipologia e qualidade do hardware, refiro-me a todas as peças que são amovíveis, desde afinadores/carrilhões às pontes/cavaletes/selas, pickups (quer em número, quer em qualidade).

A possibilidade de fazer upgrades está directamente ligada com a manutenção do instrumento, mas em especial com a especificidade do hardware ser ou não exclusivo da marca (especial relevância para as pontes). A qualidade da ponte Bigsby que vinha da Gretch de um amigo meu deixou muito a desejar, mas mesmo muito em termos de qualidade do metal usado (ligas manhosas).

Sobre o preço e o gosto estético, bom, geralmente são decisores... :D

@samoiedo Posto isto, e porque me parece que as opções que tens proposto se baseiam apenas nestes dois últimos aspectos, que tal começares a fazeres perguntas mais assertivas relativamente às guitarras propostas?

Para já, quero agradecer pela qualidade e quantidade de informação deste post. Alguns pontos (poucos) já os conhecia mas aprendi bastante com os restantes.

No que diz respeito aos aspetos em que me baseio, se fossem apenas a questão estética e de preço, então definitivamente não iria colocar as minhas dúvidas neste fórum, pois tenho a certeza da escolha a efetuar. A razão da colocação das minhas opções é no sentido de recolher o máximo de informação no que diz respeito a todos os outros aspetos, que não domino, por muita informação que tente absorver pela net e por conversas com alguns amigos.

Tenho a certeza que o ideal é experimentar o máximo de modelos mas, mesmo sem a questão da pandemia, existem modelos que não são habituais nas lojas perto de mim, mais uma razão para colocar essas possibilidades pois pode existir alguém que tenha algum tipo de experiência com esses modelos.

  • Gosto 1

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
freax    7
há 16 horas, jlcosta disse:

Gibson é a marca mais manhosa do mercado, ou compras um guitarrão ou um pau com cordas.

A opinião geral é que nos últimos anos as Gibson 335 têm chegado muito bem construídas, consistentes e sem grandes defeitos estéticos como era habitual até uns anos atrás. Aliás, a produção das 335 saiu da fábrica de Memphis para Nashville onde são produzidas as custom/historic. Tenho uma Dot 335 e estou super satisfeito com ela mas posso ter tido sorte no modelo, não sei.

De qualquer forma é sempre melhor testar primeiro se houver essa oportunidade, mas infelizmente :( não é muito habitual encontrar vários modelos em lojas PT.

  • Gosto 1

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
deadpoet    1807

Em relação à PRS, não ganho nada com a divulgação da marca, sou utilizador satisfeitíssimo há uma década!

( e a ver se a malta compra mais para dinamizar ali o tópico das PRS)

 

-_-

  • Gosto 1
  • Riso 1

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
jlcosta    835

As guitarras têm de se experimentar! Independentemente do preço, cada vez mais acho isso.

  • Gosto 4

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
mr store    125

com um orçamento até 1000 euros, é possível ter uma guitarra que não comprometa uma carreira musical internacional :D

  • Gosto 2
  • Útil 1

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais
samoiedo    20

Neste momento, tenho também em vista esta guitarra...https://www.ibanez.com/eu/products/detail/jsm100_07.html

Apenas estou à espera que as lojas abram novamente para poder experimentá-la, juntamente com esta https://www.gibson.com/Guitar/USA8JR46/ES-335-Satin/Satin-Cherry e com mais algumas que tenham em loja.

Também me apresentaram uma outra alternativa noutra loja https://europe.yamaha.com/en/search/index.html?search=sa2000 mas acho que neste caso o peso pode ser um aspeto negativo.

  • Gosto 1

Partilhar este post


Link para o post
Partilhar nas redes sociais

Regista-te ou entra para comentar!

Para deixar um comentário é necessário estar registado. É muito fácil!

Criar uma conta

Regista-te e vem fazer parte desta comunidade! É fácil!

Registar-me

Entrar

Já estás registado? Entra aqui!

Entrar agora