Como escolher o melhor cabo de guitarra?

    Por xtech    16.290 Visualizações     26 comentários    


Estás à procura de um cabo para a tua guitarra ou para ligar os teus pedais e não sabes como escolher? Neste tutorial vamos explicar o que é verdadeiramente importante na compra de um cabo - e como ir ver para além do marketing dos fabricantes - para que possas escolher o melhor cabo, ao menor custo possível.

xtech
Por xtech

Toco um pouco de tudo e muito de nada.
Gosto de tecnologia. Gosto do homestudio.
A música é um hobby e uma paixão.

 


O som da guitarra

No geral, as guitarras produzem um sinal com uma corrente eléctrica cerca de alguns miliAmperes (ou seja, uma quantidade bastante pequena) a alguns miliVolts (idem). Pela lei de Ohm, isto significa que a potência de um sinal de guitarra é muito baixo (na ordem dos miliWatts). Uma vez que o sinal não é forte, alterações relativamente pequenas às suas características terão necessariamente consequências sonoras. Interessa pois, nesta vertente, que o cabo a comprar preserve ao máximo as características do sinal original, que seja robusto contra influências externas (ex: ruído causado por fontes electromagnéticas).

O som de uma guitarra tem estende-se (para a afinação standard) entre os 80 Hz e os 660 Hz, no entanto, com os harmónicos e sobretons a gama completa ronda entre os 50 Hz e os 5000 Hz. Alterações à estrutura do sinal afectarão necessariamente as frequências (quais delas, iremos ver na página seguinte) e consequentemente, o som produzido. Daí que os cabos adequados (não necessariamente caros) tenham muita influência no que ouvimos no som final.

Partilha o conhecimento!

  • Gosto 4
  • Útil 4



  Denunciar Tutorial

O que diz a comunidade sobre isto?




Finalmente foi publicado este artigo na nossa wiki sobre cabos de guitarra, um assunto que me é bastante caro :)

Comentários e sugestões: estejam à vontade para isso! Entretanto se acharem útil, partilhem com os vossos amigos e conhecidos!
 

Partilhar este comentário


Link to comment
Partilhar nas redes sociais
há 3 minutos, zedsnotdead disse:

Efeito "pelicular" ;), de película.

Corrigido! Obrigadíssimo pelo reporte do "typo" :yes: 

Partilhar este comentário


Link to comment
Partilhar nas redes sociais

Bom artigo @xtech, apenas alguns reparos se me permites.

No tutorial: "Da mesma forma, ligar guitarras não é prático com conectores em L, sendo mesmo mecanicamente impossível em alguns casos. Os conectores recomendados para ligar guitarras são os conectores direitos."

Em guitarras com o Jack no rebordo da guitarra, e em que o músico tenha o hábito de o passar pela strap, para melhor fixar o cabo, a ficha em L torna-se uma boa opção, porque impede que o cabo fique dobrado na junta da ficha, dando-lhe também maior durabilidade.

No tutorial: Cabo sugerido: Qualidade Preço - Sommer Cable Spirit XXL - 2,60€/m - Excelente a todos os níveis.

Sem Duvida um óptimo cabo, mas há um melhor. O Sommer Cable Spirit LLX, tem uma capacitância de 52pf, contra os 86pf do XXL. O preço é ligeiramente mais alto, mas os 0,05€ valem bem a pena.

Partilhar este comentário


Link to comment
Partilhar nas redes sociais

@pgranadas obrigado, desconhecia esse LLX e vou já alterar :yes:

Tenho é pena de só o conhecer agora porque fiz todos os cabos da minha pedalboard com o XXL :D 

Partilhar este comentário


Link to comment
Partilhar nas redes sociais
Agora mesmo, xtech disse:

@pgranadas obrigado, desconhecia esse LLX e vou já alterar :yes:

Tenho é pena de só o conhecer agora porque fiz todos os cabos da minha pedalboard com o XXL :D 

Culpa tua, que não andaste atento aqui ao fórum...:P

Foi por cá que tive conhecimento dele.

Partilhar este comentário


Link to comment
Partilhar nas redes sociais

Ah já vi porquê... é melhor na capacitância mas pior na grossura e constituição do condutor central, que é mais fino e menos entrançado, ou seja, eventualmente uma menor fiabilidade e capacidade de aguentar stress mecânico.

O LLX é de facto mais adequado para quem precisa cabos longos que não precisem ser "mexidos" frequentemente, como é o caso do uso em estúdios, enquanto que o XXL aguenta melhor os rigores do "live".

Partilhar este comentário


Link to comment
Partilhar nas redes sociais



Regista-te ou entra para comentar!

Para deixar um comentário é necessário estar registado. É muito fácil!

Criar uma conta

Regista-te e vem fazer parte desta comunidade! É fácil!

Registar-me

Entrar

Já estás registado? Entra aqui!

Entrar agora


  • Conteúdo Recomendado:

    • The Passion

      Como prometido aos colegas do tópico dos Barretes do OLX no seguimento de uma conversa paralela, decidi finalmente criar esta publicação que irá abordar o tema da relação entre músicos e técnicos. Não tenciono enumerar nenhum conjunto de regras invioláveis, no entanto, espero poder deixar várias ideias para vossa consideração.
      Começo por me apresentar, já que muitos de certeza não me conhecem pessoalmente, e por uma questão de transparência. O meu nome é Bruno Garcia, sou neste momento, para além de músico, que considero sempre como minha ocupação principal, técnico de instrumentos musicais, e em conjunto com o meu sócio Rui Miguel Campos, luthier e designer de instrumentos na marca que estamos neste momento a desenvolver, fora isso, sempre trabalhei no ramo da música e do espectáculo de uma forma ou de outra, seja como lojista, rodie, técnico de estrada, etc.
      De forma alguma considerando-me dono da verdade absoluta, a minha experiência servirá de certo para estabelecer uma discussão saudável.
      Para simplificar, vou considerar o instrumento descrito como uma guitarra, pois os princípios básicos são quase universais.
       
      - O que saber antes de abordar um técnico:
      Quando o nosso instrumento necessita de manutenção é do interesse do músico dispor de alguns conhecimentos básicos acerca do mesmo. Para além da marca e do modelo, conhecer a sua "anatomia" e componentes podem permitir ao músico fazer um diagnóstico preliminar do estado, possíveis causas do problema e mesmo não sabendo efectuar a reparação, algumas noções acerca do tipo de trabalho que vai solicitar.
      O segundo ponto a ter em consideração é para mim um dos mais importantes, porque para além de conhecer a morfologia e algumas noções técnicas, conhecer realmente o nosso instrumento requer um pouco mais de atenção. Refiro-me ao estado geral em que o instrumento se encontra, se está de alguma forma danificado, como e quando foi danificado e se costuma estar inapropriadamente acondicionado. Para além de ser informação valiosa a transmitir a um técnico, serve também como garantia para o músico de que o instrumento será entregue após a reparação, sempre, no mesmo, ou em melhor estado de conservação.
      Para isto acho importante salientar alguns conselhos que devem ser habituais. Idealmente, entregar o instrumento limpo é importante, porque embora parte do trabalho do técnico, na minha opinião, passe pela limpeza e acondicionamento, um instrumento limpo permite que o músico tenha a garantia que o instrumento não lhe seja devolvido com danos estéticos adicionais. Saber que marcas de uso (ou abuso!) tem, riscos, fissuras no verniz, metais ou plásticos danificados, etc. Devem também tirar fotos antes da reparação para poderem exigir compensação no caso de dano. Da mesma forma, aconselho também aos meus colegas técnicos que criem um registo fotográfico de Antes/Depois detalhado, porque volta e meia também existem casos de aproveitamento da parte do cliente.
      - Abordagem:
      O músico tem o direito de saber que tipo de trabalho vai ser efectuado, isto deverá ser feito presencialmente, porque cada instrumento tem a uma série de particularidades que o distinguem e vão exigir diferentes tipos de trabalho. É também importante que o técnico saliente a possibilidade de ter de reajustar o orçamento durante a reparação ou manutenção, no entanto, as razões para tais alterações devem ser explicadas em detalhe e comprovadas ao cliente, por exemplo, uma guitarra que aparentemente necessitava apenas de um setup geral, pode durante a manutenção revelar que precisa de um nivelamento de trastes. No caso do cliente não aceitar a alteração, seja pelo aumento do custo ou pela necessidade de efectuar uma reparação mais invasiva (as razões mais comuns), o técnico deve reservar-se ao direito de cobrar o trabalho que foi efectuado até à altura em que se deparou com o problema inesperado, terminando obviamente o que lhe seja possível dentro do trabalho que lhe foi originalmente requisitado.
      Cada tipo de trabalho deve ter um valor fixo e nunca se deve pagar a um técnico ou luthier "à hora". No que toca a valores, é certo que alguns possam discordar, e claro que entendo certos argumentos nesse sentido, no entanto, é uma questão de transparência e demonstração de honestidade para com o cliente. Todos conhecemos histórias do género, normalmente, o mecânico vigarista que diz que fez tudo, durante um mês, e no fim de contas não fez absolutamente nada e foi de um dia para o outro. É desingénuo (Cunho a palavra!) da nossa parte enquanto técnicos, porque neste ponto dirijo-me directamente aos meus colegas, vamos pensar, por exemplo, num setup básico, eu já tive setups que demoraram mais de um dia a concluir, por vários motivos, e também já efectuei bastantes em 15 minutos, e recebo o mesmo, porque o resultado final, é o mesmo e o cliente não deve de pagar mais por alguma particularidade, por alguma eventualidade, e muito menos, pela nossa ineficiência. Se se opõem, por favor, voltem a ler este parágrafo com calma e atenção, e elaborem abaixo nos comentários.
      Da mesma forma, é importante estipular um prazo de entrega que seja confortável para ambos. Aos músicos, devo lembrar a importância de não fazerem a manutenção apenas um ou dois dias antes de uma data importante, como uma gravação ou um concerto, porque caso haja algum imprevisto e seja impossível ao técnico entregar o instrumento de acordo com a vossa urgência, podem ser forçados a falhar com o vosso próprio compromisso e a culpa é inteiramente vossa. A manutenção atempada do nosso material é parte da preparação para essas situações, claro que existem excepções, mas se possível, façam-no.
      - Relacionamento interpessoal:
      Por algum motivo os técnicos têm a "fama" de sisudos. Um dos desabafos mais comuns entre os meus cliente é a dificuldade de comunicação com vários técnicos, não só cá no país, mas também lá fora! Bem, isto é uma grande desvantagem para todos os envolvidos, se o relacionamento com o cliente for de certa forma amigável, é mais provável que ele volte a requisitar os nossos serviços, desde que não mostremos falta de profissionalismo, que é ainda mais importante.  Igualmente, o cliente também deverá ser afável.
      Um técnico deve mostrar-se disponível para esclarecer duvidas, mesmo que não sejam directamente relacionadas com o trabalho em questão, tudo isto dentro do razoável, claro, porque nem sempre temos disponibilidade para perder o tempo necessário a aprofundar uma resposta que seja 100% satisfatória e que reflicta o nosso real conhecimento.
       
       
      Mais uma vez, espero que isto vos seja proveitoso e que propicie uma discussão saudável e interessante, poderia alargar-me, no entanto penso ter estabelecido uma boa base sem tornar o texto difícil de digerir.
      Estejam à vontade para partilharem experiências, colocar questões adicionais, memes, etc, etc, etc...
    • AntCossia1
      Olá pessoas,
      Poderiam por favor ver se este improviso em guitarra feito por mim está bom? Poderiam dar a vossa opinião no que posso melhorar?
      É este o link 
      Obrigado!
    • inespd
      Boa tarde, tenho uma guitarra portuguesa de Coimbra e comecei a aprender a tocar há uns meses mas continuo a ter alguma dificuldade em "carregar" nas cordas com a mão esquerda. Apesar de já não me custar como no início, os acordes continuam a sair muito a custo. Um amigo disse-me que o cavalete poderá estar um bocadinho alto e daí custar mais... como resolvo isso? Há alguma maneira de resolver em casa? Obrigada
      Nota: o cavalete é em plástico
    • Afonso Martins
      Boas pessoal. Sou utilizador de pedaleiras multi-efeitos já há uns bons anos mas reparo que ao usar headphones diferentes, especificamente 2 que tenho em casa, que o som é diferente em cada um. A minha questão é se existe um determinado tipo, gama, de headphones que seja mais indicado para uso em pedaleiras de guitarra ou se um headphone básico normal daqueles que eu tenho é suficiente. se for interesse, o que uso neste momento é o Sennheiser HD 4.20s.
    • jm.customguitars
      não sei se é o melhor local para deixar esta info mas se acharem melhor eu colocarei onde me pedirem ok?
      eu vou estar de regresso a Portugal la para agosto, e depois de isto tudo acalmar, talvez pro ano vou começar a fazer cursos, ainda não sei como irei fazer pois existem varias possiblidlidades em cima da mesa.
      Aqui no UK fiz varias maneiras, instrumento completo, ou compra de pacotes de horas etc. eu gosto de tentar perceber oque o cliente quer e focar nessas ideias.
      se alguém quiser entrar na lista de espera envie me um email.
      Abraço
      JM
    • brunosantos10
      Boas, 
      Queria ligar guitarra eletrica ao pc para fazer gravações e também poder tocar com headset, tenho pedal USB Zoom G2.1Nu e pc da ASUS com windows 10. Gostaria de ter dicas primeiro de como ligar a um software de amp e conseguir ouvir no headset, e depois disso melhorar qualidade e latência.
      Qualquer dica será bem aceite
       
      Obrigado