Entra para seguir isto  

Como Escolher Potenciómetros para Guitarra?

    Por tmo    6.515 Visualizações     4 comentários    


Melhorar a electrónica de uma guitarra implica uma escolha adequada de potenciómetros. Neste Tutorial damos-te a conhecer como escolher os melhores potenciómetros para a tua guitarra.

tmo
Por tmo

O que é um potenciómetro?

Potenciómetros... dava para uma tese de doutoramento... quase... pronto, para a introdução o prefácio.

1º, um potenciómetro não é mais nem menos do que uma resistência de valor variável. Existem em formatos rotativos e tipo "fader". Há ainda muitas variantes formais e combinações possíveis, mas a base é esta.

A questão dos potenciómetros é a seguinte, por serem elementos mecânicos de contacto por fricção estão sujeitos a desgaste, digamos 2 a 5 anos, dependendo do uso, poderão render mais tempo. Por esta razão, convém volta e meia, tipo de 5 em 5 anos para uma guitarra com uso regular do potenciómetro, trocá-los.

Para o assunto em mesa, temos que um potenciómetro pode fazer várias coisas numa guitarra:

  • Controlar o volume do sinal
  • Controlar valores de filtros (o timbre mais agudo ou grave, dependendo do circuito)
  • Misturar pickups (muito comum em baixos, função BLEND, por vezes também chamada de panorama)
  • Proporcionar um "coil split" a um humbucker reduzindo o sinal de um dos coils.
  • Servir o jantar... errr, pois, não era bem isto.

A questão das marcas e modelos, não tem tanto a ver com qualidade do som, mas antes com qualidade de construção (durabilidade) e margens de erro relativamente aos valores apresentados. Uma marca branca pode ter oscilações até cerca de +-20% do valor marcado enquanto uma marca já firmada no mercado oscila até +-10%, algumas garantem até +-5%. Em caso de dúvidas, ter um multímetro por perto e investir algum tempo a medir potenciómetros para encontrar uns com valores próximos do desejado. Portanto, duvido que um ouvido educado consiga distinguir um potenciómetro de marca branca de outro com mais "qualidade", caso tenham o mesmo valor e sejam da mesma tipologia.

Partilha o conhecimento!

  • Gosto 3
  • Útil 3



  Denunciar Tutorial
Entra para seguir isto  

O que diz a comunidade sobre isto?


há 2 horas, deadpoet disse:

E se forem P90's que valor devem ter os pots?!

Os P90 são single coils com esteróides, portanto, algo entre os 250k e os 500k poderá funcionar.

Nas minhas guitarras mais usadas estou com potenciómetros de 1MOmhs (1000K...) e faço coil split aos humbuckers. É certo que um coil de um Humbucker não é igual a um single coil isolado, mas não desgosto do timbre e não acho que fique excessivamente estridente a ponto de ficar incómodo. É claro que a coisa está sempre dependente da tipologia das cordas, dos dedos, do amp, da coluna, da sala, dos ouvidos e tudo o resto. Para o meu setup, a coisa tem funcionado bem.

Partilhar este comentário


Link to comment
Partilhar nas redes sociais


Regista-te ou entra para comentar!

Para deixar um comentário é necessário estar registado. É muito fácil!

Criar uma conta

Regista-te e vem fazer parte desta comunidade! É fácil!

Registar-me

Entrar

Já estás registado? Entra aqui!

Entrar agora


  • Conteúdo Recomendado:

    • Miguel Berkemeier
      Olá a todos!
      Aqui partilho o meu canal de youtube, onde vou colocando composições minhas de diferentes estilos (desde a música clássica ao metal, passando muito pelo mundo celta), sobretudo instrumentais, para já, e com vários instrumentos (essencialmente violino, guitarras e teclado/piano).
      https://www.youtube.com/channel/UCj9EpPCocXcqEzQoQhmyFAw
       
      Espero que gostem, e quem gostar subscreva!
       
    • Danicafd
      Boas.
      Ultimamente tenho estado a pensar em conectar a saída de um amplificador de guitarra à entrada de um amplificador de baixo.
      As minhas perguntas, se alguém me souber responder, é:
      -isso estragaria algum dos amplificadores?
      -daria muito hum, ou feedback, mesmo com ambos os canais em clean?
      O motivo pelo qual tenho estado a pensar neste assunto, é que tenho um chorus excelente no amplificador de baixo, mas não tenho acesso a distorção só com esse amplificador. Já o de guitarra tem uma distorção razoável, mas o resto dos efeitos deixa a desejar.
      Cumprimentos e votos de boas festas a todos!
    • Filipe Vidal
      Aqui vai uma questão :
      "Ando de olho " numa guitarra LTD  ESP  Viper 
      Estou curioso em relação a esta configuração 
      Dois captadores, um "normal humbucker na ponte e um na vertical do braço ... 
      Alguém com conhecimento de causa para comentar esta configuração ? 

    • Eduardomgbranco
      Eduardo Branco um compositor, guitarrista, letrista e produtor de Coimbra volta aos concertos para apresentar o seu mais recente sucesso, o single "Sorrir". Esta nova música é a primeira de apresentação do seu novo álbum que irá estar disponível no próximo ano. Numa das mais emblemáticas salas da cidade de Coimbra - Salão Brazil, o músico promete um concerto repleto de surpresas e boa música.

      Bilheteira: Salão Brazil
      Preço do Bilhete: 4€ (Inclui a oferta de uma bebida)

      Single Sorrir: https://www.youtube.com/watch?v=ZgBVCehiyJk
      Spotify: http://bit.ly/SorrirSpotify
      Instagram: https://www.instagram.com/eduardobrancomusic/
      Website: http://eduardobranco.pt/
    • Priscila Ferreira
      Boas!
      Sou vocalista, de Vila de Prado (entre Braga e Vila Verde) e procuro guitarrista para fazer um projecto de música medieval.
      Procuro também flautista de bisel.
      A música "The Wolvenstorm" do jogo Witcher 3 é o exemplo perfeito do que gostaria de fazer.
      Estou aberta a fazer covers ou originais, ou ambos.
      Gostaria de no futuro tornar o projecto comercial, ou seja, actuar em eventos, por isso preciso de gente séria e comprometida com o projecto.
      Até já!
    • F.Coelho
      Antes que este link desapareça por algum motivo, deixo-vos aqui algo para ler nos tempos livres:
      https://www.researchgate.net/publication/233420802_Vibroacoustical_Study_of_a_Solid-Body_Electric_Guitar
      Estou a ler aos poucos. Estou a gostar. Tem algumas coisas que confirmam aquilo que se fala aqui, outras são "novidade" (pelo menos para mim).
      No entanto, também temos que observar algumas dificuldades deste tipo de trabalho. Deixo aqui uma conclusão do autor:
      It seems that the three guitars dynamically behave in a very similar way, with almost the same modal frequencies, modal dampings and mode shapes. However, for the 4th mode of Ash guitar at 387Hz(torsional mode),whatever the excitation method, we can notice a significantly different modal damping compared with the otherguitars (circled in Fig. 3.8).
      From this Modal Analysis study, it can be concluded that the close similarities in term of dynamical behavior (modal parameters) of the three tested guitars are certainly due to their identical shapes and dimensions. The mode shapes show that the neck (plus the headstock) vibrates much more than the body, which could mean that the material of the neck has more influence than the material of the body on an electric guitar’s tone. Nevertheless, since the necks of these three tested guitars come from the same maple trunk, the slight and subtle differences in tone perceived by the participants of B.Navarret’stestbetweenthethreeguitarsmaybeduetothedifferentwoodsusedfor their body, particularly for ash.
      In general, the type of connection (glued, bolted, screwed...) between the neck and
      19 CHALMERS, Master’s Thesis 2009:76
      the body is also of paramount importance, since it contributes to the overall damping i.e. the sustain of the guitar. For all the three tested guitars the neck is screwed to the body, so we can not compare that parameter. This being said, other important parts of an electric guitar which might have an influence on its tone are the string ends, where each of the six strings are connected to the instrument. This is the focus of the next chapter.
       
      Fonte:
      Master’s Thesis in the International Master’s program Sound and Vibration
      YO FUJISO
       
      Team Lutheries – Acoustique – Musique (LAM) 11 Rue de Lourmel – 75015 Paris, France
       
      Department of Civil and Environmental Engineering Division of Applied Acoustics Vibroacoustics Group
      CHALMERS UNIVERSITY OF TECHNOLOGY Göteborg,
      Sweden 2009