Controlo do "Tone": Potenciómetro Logarítmico ou Linear?

    Por F.Coelho    4.958 Visualizações     10 comentários    


Muitas vezes surge a dúvida sobre os potenciómetros de guitarra. Quais escolher? Porquê? Como funcionam? Quais os mais adequados ao som que procuras? Sabe aqui neste tutorial


Potenciómetros

Na figura abaixo apresento uma foto de um potenciómetro.

 

5b3276da6d167_ToneimagemPOT.png.80251ae6fde2168d1fbc699c384e611d.png

(imagem retirada de https://www.kitelectronica.com/2017/03/potenciometro-para-volumen.html )

O potenciómetro é uma resistência variável, que permite, consoante a rotação do veio, retirar uma parte do sinal (ou mesmo todo ou nada) para ser utilizado mais à frente.

Para melhor compreensão do POT, imaginem que têm na vossa frente uma deliciosa torta de laranja (o nosso POT em sentido figurado). Na vossa mão têm uma faca e vão cortar uma fatia. Como não têm condicionantes, não têm que partilhar com mais ninguém, o pedaço que podem cortar só depende da vossa gulosise. Assim, se estão precisando de muito açucar fazem um corte muito grande, isto é, deixam uma fatia fina e tomam para vós quase toda a torta (ou também podem fazer um corte “nulo”, ou seja, tomam a torta por inteiro).

Se a falta de açucar é média, podem cortar a torta ao meio e tomam uma metade. Se forem pessoas “normais”, tomam só uma fatia grossa e deixam o resto para mais tarde.

Pois é, aqui a faca comporta-se como o veio do POT, regulando a quantidade de resistência que é utilizada no circuito.

Outro aspecto que os POT's apresentam: o veio tem, normalmente, um curso de 300 graus (para quem está esquecido destas coisas da matemática, uma volta completa são 360 graus).

 

Vamos assumir que 300 graus corresponde à posição 10 do botão “Tone” da nossa guitarra, e como tal, o ponto de partida para início da rotação.

 

Na imagem seguinte, para um valor de 250 KOhms (normalmente conhecido como 250K), vemos a diferença de resposta dos dois POT's, consoante a rotação desde 300 até 0 graus.

 

5b327701d1cd6_Respostadepotencimetros.png.34cf8058379bca9f528d0f10c1dce76c.png

Um potenciómetro logarítmico tem uma resposta diferente do linear. Quando se começa a rodar gradualmente, a resistência do potenciómetro logarítmico vai-se reduzindo muito pouco e na parte final reduz-se bruscamente. Já o linear vai diminuindo a sua resistência de forma constante.

Partilha o conhecimento!

  • Gosto 1
  • Útil 1



  Denunciar Tutorial

O que diz a comunidade sobre isto?


Mais uma loucura do @F.Coelho... um bocado... extensa, mas muito informativa.

Boa onda...

Alguns comentários:

  • Há um tipo de potenciómetro chamado de Log Invertido, e este é supostamente ideal para o tone. Um pot logarítico, dependendo do respectivo valor, poderá dar um resultado tipo "on/off" em termos de efeito de "filtro passa baixos". Há muita gente a utilizar pots lineares para o tone.
  • Dependendo do valor, os capacitadores (Caps, que creio não serem o mesmo que condensadores, mas os letrados no assunto que se manifestem) podem cortar diferentes frequências, incluindo as graves. Podemos ter assim um controlo de EQ passiva (corte, apenas) de várias frequências (ou intervalos).
  • Os gráficos apresentados apesar de me parecerem correctos, fazem um pouco de confusão pois têm a escala orientada para outros lados. Geralmente coloca-se a origem no canto inferior esquerdo...
  • Riso 1

Partilhar este comentário


Link to comment
Partilhar nas redes sociais

Obrigado TMO.:yes:

Faço-o um pouco por mim (porque gosto de ocupar o meu tempo quando não toco), mas também pelo fórum. Se conseguir que alguém aprenda uma pequena coisa sequer já é muito bom.:)

há 31 minutos, tmo disse:

Os gráficos apresentados apesar de me parecerem correctos, fazem um pouco de confusão pois têm a escala orientada para outros lados. Geralmente coloca-se a origem no canto inferior esquerdo...

Tem razão, mas eles estão assim propositadamente devido a:

 

há 2 horas, F.Coelho disse:

Vamos assumir que 300 graus corresponde à posição 10 do botão “Tone” da nossa guitarra, e como tal, o ponto de partida para início da rotação.

De outro modo em vez de "tirar agudos" ao sinal, a explicação seria vamos "meter agudos" no sinal. :wacko:

Partilhar este comentário


Link to comment
Partilhar nas redes sociais

Mais uma vez, top. Siga para tutorial! :yes: 
Compartimentado em "secções" torna-se mais fácil de ler, e o formato tutorial é adequado a este tipo de conteúdos mais exaustivos e de qualidade.

há 3 horas, F.Coelho disse:

Na imagem seguinte, para um valor de 250 KOhms (normalmente conhecido como 250K), vemos a diferença de resposta dos dois POT's, consoante a rotação desde 300 até 0 graus.

Tenho só uma questão que discuti há tempos com alguém julgo que foi o @John10. Segundo colocas aí, o pot terá uma resistência zero no seu curso máximo. Então, qual a diferença para um "no load" pot?

Partilhar este comentário


Link to comment
Partilhar nas redes sociais

Num "no Load Pot!", o fim do percurso não tem elemento que faz a resistência (carbono???). Já li que se pode fazer uma modificação a um pot convencional para um "no Load":

  • abre-se o dito
  • identifica-se qual a extremidade na qual se pretende o no load
  • raspa-se um pouco a resistência de forma a promover o contacto directo
  • volta-se a montar tudo com cuidado...

Pessoalmente nunca experimentei e os termos empregues são assim para o... amanhados.

  • Gosto 3

Partilhar este comentário


Link to comment
Partilhar nas redes sociais

Como existem vários tipos de captadores, como Humbuckers, Singles, P90, etc, deve-se levar em conta também a guitarra a ser modificada, para saber qual é o tipo de captador que você precisa ou seja, qual é o pickup mais indicado para a sua guitarra, para lhe proporcionar o timbre que procura.

Se sua guitarra é uma Les Paul, por exemplo, sua escolha deve ser por modelos de humbucker. Um captador P90 não se encaixa em uma Les Paul originalmente montada com humbuckers. Neste caso uma opção seriam os P90 em formato de humbucker, como o Fat boy da Malagoli.

Vou tentar dar um exemplo : Há três cenários:
1- Com o potenciometro ligado: a sua resistencia é maxima, o que minimiza o efeito do capacitor. Note que há altas frequencias.

2-Com o potenciometro em curto: o capacitor tem o seu efeito máximo, e as frequências mais altas sao cortadas a partir de uns 800hz

3- Sem potenciometro e nem capacitor (proposta do post inicial): Os agudos ficam mais acentuados(note a escala) e a frequência de ressonância fica mais alta.

Dados da simulação:
Indutancia do captador: 2.9H
Resistência do captador: 7.4k
Capacitação do captador: 160pf
Resistência do pot. de tone: 500k
Capacitor do tone: 22n
Impedância do resto do circuito: 1M
Simulado usando LTSpice.

Espero ter ajudado. 

  • Gosto 1

Partilhar este comentário


Link to comment
Partilhar nas redes sociais
há 4 horas, xtech disse:

Tenho só uma questão que discuti há tempos com alguém julgo que foi o @John10. Segundo colocas aí, o pot terá uma resistência zero no seu curso máximo. Então, qual a diferença para um "no load" pot?

O @tmo disse tudo melhor do que eu poderia ter dito.

há 2 horas, tmo disse:

Pessoalmente nunca experimentei e os termos empregues são assim para o... amanhados.

Eu tenho uma Stratocaster com no load tone. Não posso dizer que seja grande diferença. Talvez se note nas medições. Não sei.

  • Gosto 1

Partilhar este comentário


Link to comment
Partilhar nas redes sociais

Ah, é verdade, há ainda um conceito muitíssimo importante realçar nestas coisas de minhoquices de timbres derivadas de potenciómetros, capacitadores e pickups, que é o timbre percebido. Este conceito refere-se àquilo que nós, diferentes espécimes da humanidade percebemos ou ouvimos.  É que somos todos diferentes, uns mais sensíveis que outros, uns mais surdos, outros ainda frescos, uns mais educados (diferentes estéticas possíveis, mas educados) e outros ainda em bruto (a quem as coisas são apresentadas pela primeira vez). Todos percebemos o som de forma diferente, daí que a questão do GOSTO PESSOAL se torna tão... pessoal. Ou seja, cada um de nós tem a sua base de dados construída com base na respectiva experiência e age de acordo com a mesma. Aquilo que para uns funciona bem, por exemplo e para o caso potenciómetros lineares versus log, versus reverse log, para outros pode funcionar mal. Ou seja, a regra aqui não é segundo a maioria, mas segundo aquilo que o ouvido de cada um (no qual se insere o processador central ou a massa cinzenta) ouve.

@Frederico Candeias Candeias, não estarás a confundir Captador com Capacitador...?

 

Nota: eu sou um simples amador nestas coisas e os termos técnicos correctos escapam-se-me por entre os dentes/dedos. Àqueles que sabem da poda a rolos, fazer o favor de corrigir. :D

  • Gosto 1

Partilhar este comentário


Link to comment
Partilhar nas redes sociais
há 18 horas, xtech disse:

Tenho só uma questão que discuti há tempos com alguém julgo que foi o @John10. Segundo colocas aí, o pot terá uma resistência zero no seu curso máximo. Então, qual a diferença para um "no load" pot?

Boas XTECH.

Segundo apurei o "no load pot" seria a mesma coisa que introduzir no circuito um switch on/off que permitiria  colocar ou retirar a "linha POT/condensador" do mesmo circuito. Daquilo que lemos, é padrão um condensador de 0,047 microFarad trabalhar com um POT de 500K e um condensador de 0,022 microFarad trabalhar com um POT de 250K.

Quanto maior for a resistência da "linha POT/Condensador" mais agudos teremos à saída. O "no load pot" é o equivalente a se ter uma resistência infinita.

Existe outra coisa que interfere no problema e que não falei, para não complicar mais o post, pois a explicação teórica é muito complexa, que é: a "resistência dinâmica" da bobine do pickup, cujo termo correcto é "Reactância Indutiva", e de forma mais banal, "Impedância".

O pickup comporta-se como uma fonte e vê o circuito de regulação do Tone e do Volume como cargas. A transferência máxima de potência dá-se quando a Impedância de saída é igual à Impedância de entrada, segundo o teorema de transferência de energia. E que importância tem isto?

Ora se eu tiver escolhido um valor de POT/Condensador que já me cortasse alguns agudos, na posição 10, seria natural que quando actuasse no tal "switch on/off", recuperasse as frequências que estava a cortar (por má concepção do circuito ou por ser intencional para não ter um timbre tão agudo).

Partilhar este comentário


Link to comment
Partilhar nas redes sociais

Tenho um No Load Tone numa CHarvel e sendo sincero, a diferença entre o Tone no Max e o "click" quando entra em No Load é minima e quase imperceptivel.

  • Gosto 2

Partilhar este comentário


Link to comment
Partilhar nas redes sociais

Para quem quiser aprofundar a questão da transferência máxima de potência pode ver este vídeo (mas aviso já que é chato para quem não tem um mínimo de bases em electrotecnia).

Tive o cuidado de: 1.º Ser em português, pois pode haver pessoal que não entenda bem o inglês; 2.º Ser o mais simples possível.

Estive a fazer as contas equivalentes para, como fonte, um pickup, e como carga,  um circuito de regulação do tom e o resultado da equação é algo complicado para expor aqui no fórum. Mesmo simplificando (desprezando o condensador da bobine do pickup) a coisa ainda é complicada de explicar.

Neste vídeo também poderão concluir porque é que as colunas têm que ter um valor mínimo de impedância igual à impedância de saída de um dado amplificador.

 

Partilhar este comentário


Link to comment
Partilhar nas redes sociais


Regista-te ou entra para comentar!

Para deixar um comentário é necessário estar registado. É muito fácil!

Criar uma conta

Regista-te e vem fazer parte desta comunidade! É fácil!

Registar-me

Entrar

Já estás registado? Entra aqui!

Entrar agora


  • Conteúdo Recomendado:

    • m00n_5h1n3
      Boa tarde,
      Gostava de avaliar esta guitarra. Alguém sabe onde o posso fazer?
      O objetivo seria vender, mas por um preço justo.. nem demais, nem de menos..
      A guitarra era de família... Eu fiz aulas com ela, e está a funcionar bem.

      Fende Jaguar

    • xtech
      Ora bem, entrou 2021 e apesar de não haver NAMM, as novidades "andem aí".
      A Ibanez tem umas guitarras bem bonitas:

      Rg Genesis, MIJ, abaixo dos 1000€
       
      E uma metal axe baratinha mas com grande aspecto... aquele braço cinza escuro é muito porreiro.

       
      Postem aí as novidades que vão encontrando 
    • xtech
      E porque o @stratocosta falou nisto num tópico aqui ao lado:
      Sempre me meteu alguma espécie a questão do tone "quente", "nasalado", "muddy" (lamacento?), etc. Às vezes em discussão com os amigos, vejo que o que é um som "quente" para um, para outro não é, e volta  e meia ninguém se entende.
      É possível chegarmos a uma descrição "standard" dos sons que seja comum para todos?
      Começo por este: som "nasalado", para mim é o do solo a Lights of heaven do Satriani:
      Concordam?
    • jm.customguitars
      Boas
      Para começar não sei se é o local ideal no forum para deixar este post, se acharem por bem muda~lo por mim ta 5 estrelas, obrigado.
      De regresso a Portugal resolvi avançar com os cursos que tinha em mente.
      Vou criar as possibilidades de quem estiver interessado construir o seu próprio instrumento, ou para uso próprio ou mesmo para se profissionalizar no futuro.
      Tenho de dizer que não e por construirem uma guitarra que poderão ja perceber tudo e serão mestres com um conhecimento infinito, existe muita coisa que irão depois descobrindo e desenvolvendo no vosso caminho, no entanto quem quer construir a sua própria guitarra mas não sabe como, esta é com certeza uma das oportunidades que tera.
      Eu sei que existirão pessoas que dirão que é caro, pois eu ate percebo isso mas tenham atenção que ja por si so no curso acabarão por ter uma guitarra com o valor do curso, ou seja so por si so ta pago, mas ainda terão conhecimento para começarem outra e a aperfeiçoar a partir de um ponto ja elevado e não com tentativa e erro.
      Como costumo dizer, construir uma boa guitarra e fácil o difícil é construir uma guitarra excelente e essa "pequena" diferença é enorme
      Quem quiser saber mais pode fazer perguntas diretamente aqui ou se preferir diretamente por email.
      https://construiraminhaguitarra.jimdofree.com
    • Isabelle Hernández
      https://theatrocirco.bol.pt/Comprar/Bilhetes/66846-ii_estagio_internacional_de_cordas_dedilhadas-theatro_circo/
    • xtech
      Tutorial - Como Escolher um Sistema Wireless para Guitarra
      Resumo:
      Há muita confusão no que toca às opções de sistemas sem fios para guitarra. Neste tutorial, ajudamos-te a escolher o melhor sistema wireless para guitarra ao mínimo custo possível.
      ...

      Ver tutorial completo